Campanha por uma Comissão GLBT nos Conselhos de Psicologia

Há algumas semanas, recebi um email, em que o autor se queixava de que os psicólogos pouco têm se posicionado sobre as questões de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros, de uma certa forma mantendo o preconceito. Apesar de existir uma Resolução do Cfp que condena a discriminação, a gente vê que alguns psicólogos ainda não entenderam que a homossexualidade e a bissexualidade não são patologias.
Há algumas semanas, recebi um email, em que o autor se queixava de que os psicólogos pouco têm se posicionado sobre as questões de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros, de uma certa forma mantendo o preconceito. Apesar de existir uma Resolução do Cfp que condena a discriminação, a gente vê que alguns psicólogos ainda não entenderam que a homossexualidade e a bissexualidade não são patologias.
Conversando com Adriana Nunan, amiga psicóloga, que também estuda a sexualidade (mais especificamente a homossexualidade masculina), chegamos à conclusão que a ação do Conselho só será mais efetiva se houver um grupo de psicólogos, nos CRP’s e no CFP , atuando/orientando/ fiscalizando os profissionais sobre a homossexualidade e a bissexualidade, temas que, infelizmente, a grade curricular não contempla.

Por isto, estamos nos empenhando na criação de uma Comissão para Assuntos GLBT.
Acreditamos que uma boa forma de agilizarmos a criação desta Comissão para Assuntos GLBT seria com um abaixo-assinado, a princípio, exclusivamente de psicólogos.

Bolamos o texto a seguir e pedimos que você também divulgue para outros psicólogos e psicólogas. Basta copiar e colar, e depois, nos enviar de volta no comissaoglbt@yahoo.com.br
Obrigada pela compreensão e engajamento

Thays Babo
Psicóloga – crp 05/23827

Campanha Nacional Pelos Direitos de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros

Prezados Colegas

Temos observado que, nos últimos tempos, profissionais pouco éticos têm aproveitado brechas no texto da Resolução 001/99 , do Conselho Federal de Psicologia, que veda ao profissional desta categoria, dentre outras coisas, discriminar a clientela de acordo com sua orientação sexual.

Tais profissionais têm proposto técnicas de psicoterapia não eficazes e nada éticas, a fim de reverter a homossexualidade ou a bissexualidade – partindo de um pressuposto que esta condição do ser é patológica. Este posicionamento vai contra todas as descobertas científicas até agora, bem como contra o posicionamento da Organização Mundial de Saúde .

Ao conquistarem espaço na mídia, tais profissionais aumentam ainda mais o conflito que estes sujeitos vivenciam com seus familiares e amigos, no sentido de conseguirem afirmar sua identidade e provarem que não sofrem de uma doença. Além disto, estimula a violência contra homossexuais, bissexuais e transgêneros.

Face este quadro e acreditando que a orientação sexual, diferente da heterossexualidade, não se trata de uma patologia nem tampouco uma “opção”, tomada de forma consciente e deliberada, se tratando mais da singularidade do sujeito e da diversidade humana, estamos propondo, junto ao Conselho Federal de Psicologia, a criação de uma Comissão para Assuntos GLBT, a nível nacional, com diversas funções. Seu principal objetivo será o combate ao preconceito contra homossexuais, bissexuais e transgêneros.

Para isto, estamos começando um abaixo assinado e solicitando a todos que se engajem nesta campanha de combate à violência e ao preconceito.

Informe os profissionais de Psicologia atuantes no Brasil que você conhece e que sejam simpatizantes da luta pela igualdade de direitos e solicite que eles também participem deste abaixo-assinado.

Nossa campanha é simples: basta que o psicólogo ou psicóloga acrescente ao final deste e-mail, seu nome completo, bem como seu número de registro no Conselho Regional de Psicologia e um telefone de contato para que o Conselho possa, se precisar, conferir a veracidade dos dados, enviando para comissaoglbt@yahoo.com.br .

Atenciosamente
1. Thays Babo – Crp 05/23827 – Tel: 21-97646087
2. Adriana Nunan – Crp 05/25233 – Tel: 21-99751079

Comments are closed.