Livro: Como controlar os lobos? Proteção para nossos filhos com problemas mentais

VALOR DO LIVRO: 14,90 reais, direto da autora (pode solicitar autografado), através de depósito bancário, solicite maiores informações por e-mail – maricosti@terra.com.br ou através do site www.sanaarquitetura.arq.br depósito poderá ser para BRADESCO ou BANRISUL – solicite o número da conta.
VALOR DO LIVRO: 14,90 reais, direto da autora (pode solicitar autografado), através de depósito bancário, solicite maiores informações por e-mail – maricosti@terra.com.br ou através do site www.sanaarquitetura.arq.br depósito poderá ser para BRADESCO ou BANRISUL – solicite o número da conta.
Da primeira a última página a emoção pauta e a delicadeza conduz. E, acima de tudo, a contundência da sinceridade. Muitos, e não poucos, conquistam o domínio de forma, e através dele, executa um balé literário. Marilice arranha a memória. Conta sua história, padecimento, experiência, vida, como quem se olha no espelho ao amanhecer.
Não está pedindo aplausos. Está fitando a cara austera do tempo.
Ela revira o chão da infância, fauna e flora lhe cortejam, mas a vida, com sua sombra e luz, tonteiam. Neste livro, a relação mãe e filho enfermo vai longe. Dá vontade de abandonar o livro, mas volta-se a ele, pois é convocação de vida.
Roteiro de cinema, especial, tenha o caminho que tiver, eis um livro de contundente honestidade.
E se isso não bastasse, a sabedoria de se contar sem deixar vestígios de mazelas.
Se sentir um amargo na boca, não proteste. A vida é assim, e mente quem apenas falar de mel e flores.
E é do padecimento que se colhe a grande criação.

Luiz Coronel
25/06/01

A obra é um depoimento pungente a respeito de uma família que tenta, desesperadamente, acomodar sua saúde ao ritmo de um membro doente. Não o consegue, na maior parte do tempo: são ritmos (quase?) incompatíveis. E, no entanto, aquele ser fragilizado é parte inseparável da família. Admiro Marilice, por sua coragem de abrir as entranhas de um sofrimento particular – e de torná-lo público – a fim de que, nesse retrato, outras famílias se reconheçam. Ficou-me, da leitura, a forte impressão de que nós, como Sociedade, não estamos ajudando nem um pouquinho a controlar os lobos. Até porque nem sabemos como fazê-lo. Este livro deve nos inspirar na busca e no encontro de soluções coletivas.
Valesca de Assis

O PROJETO

O livro “Como controlar os lobos?”, é narrado na primeira pessoa, é a mãe quem conta a história de uma família, enfocando o filho portador de dificuldades desde bebê. O filho passa por todos os atendimentos particulares de ponta em Porto Alegre desde a década de setenta e depois passa para os públicos. Relata problemas do filho, de mãe e filho, de família e filho e da (in)operância do sistema de saúde tanto público e privado. Demonstra o sofrimento da família e a sua incompetência para cuidar dele e mostra o quanto todos se amam e como o sofrimento não é só do paciente, é familiar.

Da autora:
Marilice Costi é mestre em Arquitetura, professora universitária, profissional atuante no mercado de trabalho, escritora, coordenadora e criadora de Oficina de Poesia, autora de dois livros de poesias e participa de diversas antologias, possui diversos prêmios da área de literatura. Sua dissertação de mestrado obteve conceito A e foi indicada para publicação: A influência da luz e da cor está sendo editada pela EDIPUCRS.

Autor da Opinião: RedePsi

,

Comments are closed.