Pessoas com maior status vivem mais, diz cientista

A posição social de uma pessoa pode ser mais importante para a longevidade que sua alimentação e seu estado de saúde, segundo um livro que deve ser lançado em agosto na Grã-Bretanha. Seu autor, o professor de epidemiologia e saúde pública Michael Marmot, da University College London, vem estudando as diferenças na expectativa de vida há quase 30 anos. Neste livro, Status Syndrome (“Síndrome do Status”, em tradução livre), Marmot defende que a saúde e a duração da vida são bastante influenciadas pelas conquistas que cada um realiza.

[url=http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI321559-EI298,00.html]Fonte: Terra Notícias[/url]
A posição social de uma pessoa pode ser mais importante para a longevidade que sua alimentação e seu estado de saúde, segundo um livro que deve ser lançado em agosto na Grã-Bretanha. Seu autor, o professor de epidemiologia e saúde pública Michael Marmot, da University College London, vem estudando as diferenças na expectativa de vida há quase 30 anos. Neste livro, Status Syndrome (“Síndrome do Status”, em tradução livre), Marmot defende que a saúde e a duração da vida são bastante influenciadas pelas conquistas que cada um realiza.

[url=http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI321559-EI298,00.html]Fonte: Terra Notícias[/url]

,

Comments are closed.