RedePsi - Psicologia

Notícias

Estudo demonstra a modificação da mortalidade do Iraque pela guerra

Estudo veiculado pela revista Lancet demonstrou a modificação da mortalidade no Iraque entre os 14.6 meses anteriores à guerra e os 17.8 meses a seguir. O estudo demonstrou elevação de 2.5 vezes do risco de morte no período. Excluindo um grande número de óbitos ocorridos na cidade de Falluja, o risco aumentou 1.5 vezes. Os autores estimaram o acontecimento de 98.000 novos óbitos além dos esperados. As principais causas de morte antes da invasão eram infartodo miocárdio, acidentes vasculares cerebrais e outras doenças crônicas. Após a invasão as causas violentas foram as principais causas de morte. A maior parte das notificações de mortes causadas pelas forças decoalizão é de mulheres e crianças. Além de obterem importantes dados estatísticos, os autores demonstraram que é possível coletar informações sobre saúde mesmo em condições extremamente violentas.

Fonte:[url=http://www.thelancet.com/journal/vol364/iss9445/full/llan.364.9445.early_online_publication.31137.1]The Lancet[/url]Estudo veiculado pela revista Lancet demonstrou a modificação da mortalidade no Iraque entre os 14.6 meses anteriores à guerra e os 17.8 meses a seguir. O estudo demonstrou elevação de 2.5 vezes do risco de morte no período. Excluindo um grande número de óbitos ocorridos na cidade de Falluja, o risco aumentou 1.5 vezes. Os autores estimaram o acontecimento de 98.000 novos óbitos além dos esperados. As principais causas de morte antes da invasão eram infartodo miocárdio, acidentes vasculares cerebrais e outras doenças crônicas. Após a invasão as causas violentas foram as principais causas de morte. A maior parte das notificações de mortes causadas pelas forças decoalizão é de mulheres e crianças. Além de obterem importantes dados estatísticos, os autores demonstraram que é possível coletar informações sobre saúde mesmo em condições extremamente violentas.

Fonte:[url=http://www.thelancet.com/journal/vol364/iss9445/full/llan.364.9445.early_online_publication.31137.1]The Lancet[/url]

Acesso à Plataforma

Assine a nossa Newsletter