Obesidade e fumo envelhecem o DNA, diz pesquisa

Mulheres acima do peso e que fumam são biologicamente mais velhas do que mulheres magras e que não-fumantes da mesma idade, afirma uma pesquisa publicada na revista científica The Lancet.

Fonte:
[url=http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2005/06/050614_cigarromtc.shtml]BBC Brasil[/url]
Mulheres acima do peso e que fumam são biologicamente mais velhas do que mulheres magras e que não-fumantes da mesma idade, afirma uma pesquisa publicada na revista científica The Lancet.

Fonte:
[url=http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2005/06/050614_cigarromtc.shtml]BBC Brasil[/url]
Foram avaliadas 1.122 gêmeas. “O cigarro acelera o envelhecimento de peças-chave do DNA em cerca de 4,6 anos e a obesidade em nove anos”, escreveu Tim Spector, um dos autores da pesquisa, realizada em conjunto com o Centro de Pesquisas para a Hipertensão, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores avaliaram os chamados telômeros – pedaços do DNA que estão localizados no final de cada cromossomo, aparentemente protegendo-os e estabilizando-os.

Célula

Os telômeros encurtam cada vez que uma célula se divide, até que não haja mais nada no local, tornando portanto a divisão da célula menos confiável, aumentando assim o risco do aparecimento de uma doença.

Esse processo ocorre naturalmente com a idade.

Apesar de serem reconhecidamente associadas a uma série de doenças, o fumo e a obesidade nunca haviam sido alvo de pesquisas relacionadas ao encurtamento dos telômeros.

As mulheres avaliadas tinham entre 18 e 76 anos – 119 eram clinicamente obesas, 203 fumantes e 369 eram ex-fumantes.

Analisando amostras de sangue e o DNA, os pesquisadores encontraram o que esperavam: um encurtamento significativo dos telômeros com a idade.

Mas os telômeros das obesas e das fumantes eram muito mais curtos do que os das esbeltas e das que nunca fumaram.

Cada “ano-maço” (o número de maços de cigarro fumados por dia, multiplicado pelo número de anos do hábito) foi equivalente a uma perda de adicionais 18% do número anual mais alto registrado de encurtamento dos telômeros entre não-fumantes.

Uma mulher que fumou um maço por dia durante 40 anos acelerou o seu processo de envelhecimento em 7,4 anos, de acordo com o tamanho dos telômeros.

“O que a gente reparou é que o corpo inteiro envelhece com o cigarro, não somente o pulmão e o coração. O relógio cromossômico é adiantado com o hábito, uma importante mensagem para os jovens antes de pensarem em fumar”, afirma o cientista.

Segundo a pesquisa, o excesso de gordura no corpo teria um efeito semelhante de “envenenamento químico” registrado no processo do tabagismo.

Comments are closed.