Um problema antes de outro

Um novo estudo indica que a insônia, que se acredita ser um sintoma ou conseqüência da depressão, pode preceder e até mesmo agravar esse sério problema. Ou seja, indivíduos que sofrem de insônia podem estar mais propensos a desenvolver sintomas depressivos.

Fonte: [url=http://www.agencia.fapesp.br/boletim_dentro.php?id=3902]FAPESP[/url]
Um novo estudo indica que a insônia, que se acredita ser um sintoma ou conseqüência da depressão, pode preceder e até mesmo agravar esse sério problema. Ou seja, indivíduos que sofrem de insônia podem estar mais propensos a desenvolver sintomas depressivos.

Fonte: [url=http://www.agencia.fapesp.br/boletim_dentro.php?id=3902]FAPESP[/url]
A pesquisa foi feita nos Estados Unidos e apresentada na segunda-feira (20/6), na Reunião Anual das Sociedades do Sono (APSS), em Denver.

Nos últimos anos, estudos estabeleceram uma relação entre insônia e depressão, mas não conseguiram determinar qual viria primeiro. Muitos acreditavam que a primeira seria causada pela segunda, mas novos medicamentos se mostraram eficientes no tratamento da depressão, mas não no da falta de sono.

O estudo apresentado na APSS é o primeiro a estabelecer que a insônia ajuda a prolongar períodos de tristeza, de falta de esperança e de perda de interesse em atividades cotidianas, indicadores que caracterizam a depressão, dificultando a recuperação dessa.

O estudo verificou que pacientes com insônia são 11 vezes mais propensos a entrar em depressão em um período de seis meses do que os que dormem sem problemas. Além disso, têm 17 vezes mais chances de continuar doentes após um ano.

A pesquisa foi feita com dados do Projeto Impacto, que avaliou 1,8 mil homens e mulheres norte-americanos. “Os resultados são especialmente significativos, uma vez que sugerem que o tratamento da insônia pode auxiliar na recuperação da depressão”, disse Michael Perlis, diretor do Laboratório de Neurofisiologia da Universidade de Rochester e um dos cientistas responsáveis pelo estudo, em comunicado da instituição.

Comments are closed.