RedePsi - Psicologia

Notícias

Pílula pode reduzir risco de esclerose múltipla, diz estudo

Tomar pílula anticoncepcional pode reduzir no curto prazo o risco das mulheres desenvolverem esclerose múltipla, sugeriu estudo da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.
Tomar pílula anticoncepcional pode reduzir no curto prazo o risco das mulheres desenvolverem esclerose múltipla, sugeriu estudo da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.
A pesquisa mostrou que a incidência de esclerose foi 40% inferior nas mulheres que tomaram a pílula em comparação às que não usaram o contraceptivo oral.

Os resultados estão de acordo com aqueles obtidos em estudos anteriores feitos com animais e que sugeriram que hormônios femininos podem adiar o desenvolvimento da esclerose múltipla ou o surgimento de seus sintomas.

O estudo, que levou três anos para ser concluído, foi publicado em Archives of Neurology.

Esclerose múltipla é uma doença inflamatória que causa uma gama de sintomas que vão da fadiga a dificuldades de movimentos, de fala e memória.

Gravidez

Os pesquisadores compararam 106 mulheres diagnosticadas com esclerose múltipla entre janeiro de 1993 e dezembro de 2000 com 1.001 outras mulheres sem a doença.

O estudo também constatou a ocorrência de um risco menor de esclerose múltipla durante a gravidez, mas um risco maior seis meses depois do parto, em comparação à incidência entre as mulheres que não estavam grávidas.

“Estes resultados são coerentes com estudos sobre os efeitos da gravidez em pacientes com esclerose múltipla e as alterações imunológicas associadas à gravidez”, disseram os pesquisadores no artigo em Archives of Neurology.

fonte:[url=http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/story/2005/12/051226_contraceptivoescleroseg.shtml]www.bbc.co.uk[/url]

Acesso à Plataforma

Assine a nossa Newsletter