Abordagem motivacional auxilia pacientes

A motivação caracteriza-se como um processo que descreve os estágios de mudança comportamental do indivíduo, estando em tratamento ou não. A entrevista motivacional é uma abordagem criada para auxiliar o sujeito a reconhecer seus problemas atuais e potenciais, estimulando e encorajando o paciente a modificar seu comportamento problemático de modo responsável.
A motivação caracteriza-se como um processo que descreve os estágios de mudança comportamental do indivíduo, estando em tratamento ou não. A entrevista motivacional é uma abordagem criada para auxiliar o sujeito a reconhecer seus problemas atuais e potenciais, estimulando e encorajando o paciente a modificar seu comportamento problemático de modo responsável.
Há controvérsias sobre a repercussão da maior gravidade da dependência de substâncias psicoativas e sua correlação com os níveis de motivação, que tanto podem aumentar a chance de recaída em pacientes ambulatoriais e internados, quanto pode diminuir a probabilidade de abandono de tratamento.

Estudo identificou e reviu os instrumentos que exploram a motivação como fator capaz de predizer o resultado de tratamento de dependência de substâncias psicoativas e que vêm sendo utilizados na última década.

A realização do trabalho constituiu de revisão bibliográfica abrangente de artigos nacionais e internacionais, que compreendeu o período de 1995 a 2004. Foi feita a revisão de literatura científica sobre escalas que aferem a motivação. Foram estudados quatro instrumentos e suas propriedades psicométricas: URICA um questionário composto de 32 perguntas que investiga os estágios motivacionais; SOCRATES, instrumento auto-administrável composto por 19 itens voltados para pacientes alcoolistas; RCQ questionário composto por 12 itens, que abrangem os estágios de mudança motivacionais, desenvolvido para avaliar pacientes dependentes de álcool; e o TMQ que verifica se a motivação interna estava associada com a maior adesão ao tratamento.

O artigo identificou que as quatro escalas apresentavam parâmetros psicométricos variando de bom a excelente, todas elas em condições de serem utilizadas para avaliação de tratamento e predição de adesão ao mesmo. Pelo menos duas delas (URICA e SOCRATES) já possuem versão em português com validade e confiabilidade descritas. Verificou-se que as comorbidades também podem influenciar a resposta ao tratamento da dependência por alterar a motivação. A depressão, por exemplo, pode interferir na motivação para a abstinência de álcool e de outras drogas. Alcoolistas com sintomas depressivos graves mostraram-se mais motivados para uma mudança comportamental, por possuírem maior percepção das conseqüências negativas da dependência do álcool.

fonte:[url=http://www.antidrogas.com.br/mostranoticia.php?c=3141&msg=Abordagem]www.antidrogas.com.br[/url]

Comments are closed.