O Conhecimento do Aluno Sobre O Behaviorismo Radical e Sua Concepção de Psicologia

Autores: Cássia Thomaz – UNINOVE
Dácio Silva – UNINOVE
Eduardo Alencar – UNINOVE
Kátia Bueno – UNINOVE
Tânia Rocha – UNINOVE

Indignados com as injustas críticas levantadas ao Behaviorismo Radical, principalmente por estudantes de Psicologia, os autores desta pesquisa, conduziram um estudo sobre o conhecimento do aluno sobre o Behaviorismo Radical e sua concepção de Psicologia durante a formação acadêmica da graduação de psicologia do Centro Universitário Nove de Julho – UNINOVE para levantar dados sobre a possível co – relação com a atual opinião dos alunos sobre esta filosofia que defende o objeto da psicologia como sendo o comportamento (Fruto de interações entre um organismo e seu ambiente). A seguir, poderemos construir discussões e reflexões através dos dados coletados pela pesquisa.

Palavras Chaves: Behaviorismo Radical, Psicologia, Analise do Comportamento, Formação de Psicólogo.

Nos dias de hoje, observamos que o Behaviorismo Radical, representado principalmente por B. F. Skinner, costuma receber um conjunto de críticas relativas à concepção de homem e ao método proposto para o estudo do comportamento humano por essa Filosofia.

Tal concepção negativa à filosofia da Análise do Comportamento parece ser produto tanto de um desconhecimento das propostas básicas desta abordagem da Psicologia quanto de uma concepção de Homem alternativa a uma visão tradicional, cultural, do que é o Homem.

Miguel e Nakamura (1996) e Nakamura (1997) realizaram dois estudos que investigaram a concepção dos alunos do curso de Psicologia da PUC-SP e da USP, respectivamente, sobre o Behaviorismo Radical. Os resultados destes estudos mostraram que os alunos da PUC-SP e da USP apresentam concepções negativas em relação ao Behaviorismo Radical.

Preocupado com esta situação apresentada por Miguel e Nakamura (1996) e Nakamura (1997), o presente estudo teve como objetivo investigar a concepção dos alunos de 5o semestre do curso de Psicologia do Centro Universitário Nove de Julho – UNINOVE, acerca do Behaviorismo Radical, de modo a verificar se tal concepção negativa observada em alunos de outras universidades aparece também nos alunos desse curso.

Foram sujeitos desta pesquisa 44 alunos do 5º semestre de Psicologia do Centro Universitário Nove de Julho, que já cursaram as seguintes disciplinas: Analise do Comportamento I, II, III, IV e Métodos de Investigação e Produção de Conhecimento em Análise do Comportamento. Foi utilizado como material um questionários de 12 questões abertas e 10 questões fechadas, baseado naquele proposto por Nakamura (1997).

Os questionários foram entregues aos sujeitos, em sala de aula. Explicou-se o objetivo da pesquisa e pediu-se que respondessem o questionário e entregassem-no ao pesquisador, que aguardaria até o término do preenchimento. Não foi exigida a identificação ou obrigatoriedade no preenchimento dos mesmos. Em média, os sujeitos levaram em torno de 20 minutos para responder os questionários, que foram recolhidos logo após este período.

Os resultados apontam que na opinião dos participantes, o objeto de estudo da Psicologia e do Behaviorismo Radical, onde 41% dos alunos consideram o homem como objeto primordial da psicologia e 36% consideram o comportamento o objeto principal do Behaviorismo Radical.

Quanto a opinião dos participantes sobre o objetivo da Psicologia, 25% concordam que compreender o homem é o principal objetivo desta ciência. Sobre o objetivo do Behaviorismo Radical, 34% dos participantes não responderam a questão, 18% optaram pela alternativa “outros” e 16% acreditam que compreender o comportamento seja o objetivo do Behaviorismo Radical.

Na sequencia, os participantes concordam, tanto para a Psicologia(91%), quanto para o Behaviorismo Radical(52%), que os eventos internos e observáveis devem ser fenômenos estudados por estes profissionais.

Nas ultimas questões que se referem a opinião dos participantes sobre o Behaviorismo Radical, os resultados mostram que a maioria não responderam as questões. Uma média de 14% dos participantes apontam para uma concepção negativa vazia e incorreta a respeito do Behaviorismo Radical baseadas em conceitos.

Concluíndo, podemos observar que os participantes demonstram conhecer o objeto de estudo da Psicologia e do Behaviorismo Radical, apesar de não considerarem serem os mesmos (homem e comportamento, respectivamente). Quanto ao objetivo do Behaviorismo Radical, a maioria (34%) dos participantes não responderam.

Observa-se uma maioria de participantes na categoria “não responderam” nas questões referentes ao objetivo do Behaviorismo Radical, à forma mais adequada de se estudar o objeto desse e nas questões que pediam a opinião do aluno quanto a essa abordagem e palavras relacionadas a essa. Ainda, 30% dos alunos afirmaram que o Behaviorismo Radical lida principalmente com os eventos observáveis.

Estes dados parecem demonstrar haver uma falta de conhecimento a respeito do Behaviorismo Radical, fato que pode influenciar a opinião do aluno de Psicologia quanto a essa abordagem.

BIBLIOGRAFIA

Nakamura, M.F.(1997). O conhecimento do aluno sobre o Behaviorismo Radical e sua concepção de Psicologia. Trabalho de conclusão de curso com exigência para graduação em Psicologia.
Skinner, B. F. (1974). Sobre o Behaviorismo. São Paulo.Cultrix.

About RedePsi

Portal de Psicologia com Notícias, Artigos, Links e Serviços de Divulgação de Cursos, Eventos e Produtos da Área.

One Response to O Conhecimento do Aluno Sobre O Behaviorismo Radical e Sua Concepção de Psicologia

  1. Lorena de Lima 7 de outubro de 2014 at 19:36 #

    legal o artigo