Suicídio é causa comum de morte para jovens

Há muitas crianças norte-americanas que usam psicotrópicos? O número de suicídios de adolescentes é muito alto nos Estados Unidos? Talvez maior do que em outros países. De acordo com dados do Instituto Nacional de Saúde Mental norte-americano, o suicídio, se computadas todas as faixas etárias, era a 11ª entre as causas de morte no país (32.439 vítimas) em 2004. Mas entre as crianças (10 a 14) adolescentes (15 a 19) e jovens adultos (20 a 24 anos), o suicídio era a terceira maior causa de morte, com índices iguais ou superiores à média nacional de 10,9 suicídios por 100 mil habitantes.
Há muitas crianças norte-americanas que usam psicotrópicos? O número de suicídios de adolescentes é muito alto nos Estados Unidos? Talvez maior do que em outros países. De acordo com dados do Instituto Nacional de Saúde Mental norte-americano, o suicídio, se computadas todas as faixas etárias, era a 11ª entre as causas de morte no país (32.439 vítimas) em 2004. Mas entre as crianças (10 a 14) adolescentes (15 a 19) e jovens adultos (20 a 24 anos), o suicídio era a terceira maior causa de morte, com índices iguais ou superiores à média nacional de 10,9 suicídios por 100 mil habitantes.
As estatísticas também demonstram que a causa principal de suicídio entre os jovens é a depressão. No entanto, antidepressivos são receitados com grande freqüência para as crianças e jovens deprimidos do país. Seria possível supor um vínculo entre esse tipo de medicamento e o suicídio, se bem não seja possível medir com precisão o impacto do tratamento químico. Em outubro de 2004, a Food and Drug Administration (FDA, agência federal norte-americana que regulamenta e fiscaliza alimentos e remédios), ordenou que os laboratórios suspendessem toda publicidade (comercial e em forma de divulgação junto a médicos) de antidepressivos usualmente receitados para crianças e adolescentes. Estudos clínicos haviam demonstrado que certos medicamentos usados no combate à depressão nos adultos faziam crescer o risco de comportamento suicida entre os adolescentes.

Depois dessa recomendação, as vendas de antidepressivos a adultos se estagnaram, e houve queda profunda no número de receitas desse tipo de medicamentos para adolescentes. Na metade de 2005, um estudo norueguês revelou que as pessoas tratadas com paroxetine (um antidepressivo comercializado na França com a marca Deroxat) corriam o risco de ver encorajados os seus impulsos suicidas. Mas em maio de 2006, novo estudo publicado pelo American Journal of Psychiatry, demonstrava, depois de considerar os resultados do tratamento de 65 mil pacientes, que os antidepressivos podiam atenuar os comportamentos suicidas, especialmente entre os adolescentes.

Parece difícil estabelecer conclusões definitivas. Todos os antidepressivos passaram a ser vendidos em embalagem com tarja preta, o que sinaliza que eles não podem ser divulgados por publicidade. Os norte-americanos são menos reticentes que os europeus quando se trata de receitar antidepressivos e outros medicamentos destinados ao sistema nervoso central para pacientes infantis. Em março de 2006, o doutor William Cooper, do hospital infantil Vanderbilt, estimou que 2,5 milhões de crianças recebiam receitas de psicotrópicos nos Estados Unidos a cada ano. O volume é cinco vezes superior à média que existia no começo da década de 90.

Fonte: [url=http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI1368628-EI8254,00.html]Terra[/url]

Comments are closed.