O que é meditação

Certa vez, iniciando meu projeto de Doutorado, eu conversava com o Prof José Roberto Leite, da UNIFESP, quando ele me perguntou: “…Roberto, você acha que seria possível ensinar um rato a tocar piano?…”.
Logo vi que aquela não era uma pergunta comum. Afinal, ele não me apresentaria algo aparentemente tão estapafúrdio, e eu precisava detectar qual a intenção da pergunta. Porém, apesar de todos os meus esforços, acabei desistindo e respondi ”…Não! É claro que um rato não poderia ser ensinado a tocar piano. Nunca…”. Fiquei, então, curioso, esperando o seu comentário. Alguns segundos depois, que pareceram uma eternidade, ele respondeu à sua própria pergunta: “…Depende de como definirmos o que é tocar piano…”. De fato, ele estava certo. Se considerarmos, como tocar piano, a capacidade de correr sobre as teclas, tamborilando-as e produzindo som, poderíamos dizer que um rato pode ser assim ensinado. Por outro lado, se considerarmos “tocar piano” como ler uma partitura e executá-la, ao piano, de forma magistral, um rato nunca seria capaz de fazê-lo. Naquele momento, percebi que, para estudar meditação, precisaríamos, antes de tudo, clarificar a sua definição operacional. Afinal, até aquela época, assistíamos a definições muito variadas e incompletas. Diferentes estudos utilizavam diferentes definições. Alguns deles, sequer se preocupavam em defini-la; simplesmente solicitavam a alguém, que dizia saber “meditar”, que “meditasse”, e então observavam (e publicavam!) os efeitos psicofísicos encontrados.

Para que se tenha uma idéia, sugiro consultar um site de busca pela Internet, o www.google.com.br, e digitar os seguintes termos: define: meditation. O número de definições que serão encontradas, para este termo, mostrará a enorme carência que temos de uma definição para seu uso em saúde. Preocupados com isso, publicamos, em 2004, a nossa definição operacional, já publicada (Cardoso R, de Souza E, Camano L, Roberto Leite J. Meditation in health: an operational definition. Brain Res Brain Res Protoc 2004; 14: 58–60). Segundo essa definição, um procedimento seria caracterizado como meditação, quando estivessem presentes os seguintes elementos:

(1) uso de uma técnica específica (claramente definida),

(2) relaxamento muscular em algum ponto do processo (como indicador do relaxamento psicofísico),

(3) relaxamento da lógica (não se envolver em seqüências de pensamentos);

(4) deve ser, necessariamente, um estado auto-induzido, e

(5) utilizar um “artifício de auto-focalização” (cognominado de “âncora”).

De longe, os aspectos que julgo mais relevantes são os conceitos de "âncora" e de "relaxamento da lógica". Ao aprender uma técnica, o meditador procura focar toda a sua atenção na âncora. Manter o foco na âncora o ajudará a não se envolver nas sequências de pensamentos que – sempre – irão surgir. No instante em que ele se percebe envolvido em uma sequência de pensamentos, ele (geralmente) também percebe que perdeu o foco na âncora. Neste momento, deve "soltar", "largar", a corrente de pensamentos e volta a focar na âncora, e então deixa de se envolver na sequência de pensamentos. Mais adiante, ele se verá envolvido em outra corrente de pensamentos.

Consequentemente, a âncora foi novamente perdida. De novo, ele "soltará" a sequência de pensamentos e voltará para a âncora, e assim por diante, sucessivamente. Esse exercício, repetido, com treino frequente, acabará levando cada vez mais facilmente ao estado modificado de consciência que decorre da técnica meditativa (veja a figura 1). Em fevereiro de 2005, o NCCAM (National Center for Complementary and Alternative Medicine), órgão ligado ao NIH (National Institutes of Health) americano, disponibilizou, via WEB, uma posição oficial desses órgãos a respeito deste método. Esta publicação pode ser acessada pelo seguinte link: http://nccam.nih.gov/health/meditation/ Nessa publicação, o NCCAM apresenta a meditação como um procedimento que apresentaria quatro características básicas.

A primeira, um local tranqüilo, com poucos elementos de distração, especialmente para os principiantes. A segunda, uma postura específica, confortável, seja sentada, deitada, de pé ou caminhando, a depender da técnica. A terceira, um foco de atenção, seja um som, um objeto ou, até mesmo, a própria respiração. A quarta, uma “atitude aberta”, definida como deixar as distrações irem e virem sem interferir, sem parar para pensar sobre elas. Tal definição me parece pouco clara, contudo, nas referências do texto, ela cita a nossa definição operacional. “Âncora & “Relaxamento da Lógica”: eis o dueto primordial da meditação. Em nossas próximas conversas, veremos as diferentes opções de âncoras e o evento que denominamos de “relaxamento da lógica”.

Até lá!
rdcardoso@hotmail.com

About Roberto Cardoso

Médico na área de Medicina Fetal e Medicina Integrativa. Estuda e pesquisa meditação na UNIFESP. Palestrante no meio médico e corporativo.

2 Responses to O que é meditação

  1. Cleusa Dos Santos Araujo 28 de julho de 2014 at 4:25 #

    Gostei!!!

  2. Cleusa Dos Santos Araujo 28 de julho de 2014 at 4:25 #

    Gostei!!!