Temas de Bioética em Filosofia da Mente

"Como fica a atuação do psicoclínico num país como o nosso onde impera a desassistência na área da Saúde?"

O próprio filósofo do século XVII, René Descartes, embora separando corpo e mente, considerava as relações recíprocas entre um e outra, como mostra sua correspondência com um de seus discípulos, a princesa Elizabeth, da Boêmia. Quando ela adoecia fisicamente, Descartes não hesitava em diagnosticar que seu mal era devido à tensão emocional. Receitava-lhe relaxamento e meditação, além de tratamentos físicos para influir na res cogitans.

Este fato mostra bem as grandes dificuldades intrínsecas do estudo do objeto da Filosofia da Mente.Tentamos situar a escolha do paradigma – no sentido de Thomas Samuel Kuhn – de relação cérebro/mente feita por Freud. Teria ele conseguido ser fiel e coerente à sua maneira de pensar esta questão com o exercício de sua prática clínica? Acreditamos que sim, não só por sua genialidade, mas, também, pela Viena de começo de século que permitia condições sociais e econômicas para que ele assistisse seus pacientes seis vezes por semana. Acreditamos também que se a Psicofarmacologia, que somente iria ser inaugurada em Paris em 1950, houvesse acontecido uns 20 anos antes, Freud teria sido um grande entusiasta desse novo ramo da bio­química que então nascia.

A assistência à saúde mental em nosso país apre­senta o dilema diário de não permitir aos seus profissi­onais coerência e fidelidade à sua escolha de mode­lo teórico na questão da relação cérebro/menteO exercício da atividade clínica implica necessari­amente algum tipo de postura ou escolha diante da ampla questão da relação cérebro/mente. O dilema que surge aqui é se teríamos, nós, clínicos, condições reais de nos manter fiéis a uma autêntica escolha nesta questão. Isto porque a realidade externa contingencial brasileira nos impõe vários quadros ambientais e vitais bastantes distintos devidos às condições socioeconômicas encontradas serem muito díspares.

UM EXEMPLO DE SITUAÇÃO PADRÃO

Como fica o clínico que atende em meio período diário – 4 horas de trabalho – num ambulatório institucional lotado, cerca de 40 pacientes seguidos? Vejamos: são 10 pacientes por hora, ou seja, um paciente a cada 6 minutos.Acreditamos que não lhe restará outra conduta terapêutica nas situações geralmente agudas que se apresentam nesses Serviços, se for um psicoclínico médico, senão prescrever fármacos para aliviar os sintomas mais urgentes. O clínico alopata, procurando a ação químico-molecular de suas drogas, e o clínico homeopata buscando a ação físico-quântica de seus produtos. Entretanto, … … é possível que estes mesmos clínicos citados, em outro período do seu dia, em seus consultórios particulares, dispondo de pelo menos 50 minutos para cada cliente, encontrem condições de atender àqueles mesmos transtornos psíquicos apresentados por aqueles 40 pacientes do ambulatório, tão somente com psicoterapia.Assim, perguntamos: "Poderá o clínico do campo psi exercer, profissional e pessoalmente, a coerência de seus fundamentos teóricos da relação cérebro/mente?"  

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley
Comments are closed.