Drogas Ilícitas: Maconha

Substâncias Psicoativas Ilícitas: Maconha

De 1990 a 2000 tivemos a "Década do Cérebro" que nos EUA deu origem a um programa dedicado exclusivamente à investigação do cérebro, aprovado pela Câmara de Representantes Norte-Americana, e que se desenvolveu com a colaboração de vários países.

O reconhecido psiconeurofarmacologista norte-americano Lewis Judd comentou: "Nos últimos 10 anos descobriu-se 90% de tudo o que conhecemos sobre o cérebro, tomando como parâmetro toda a história da humanidade".

A partir de 1986 foram conhecidos dados que permitiram romper com a opinião coletiva predominante na época que costumava tratar a cocaína como uma droga recreativa, fenômeno que até hoje persiste, por exemplo, com a maconha e o ecstasy.

Há alguns anos Eduardo Kalina denominou o uso de drogas de Síndrome de Popeye, pois ela se assemelha ao espinafre deste personagem, à medida que auxilia a negar as inevitáveis limitações impostas pela realidade de ter que viver com um corpo biológico destinado a seguir as leis da natureza.

O corpo tem limites, é finito: nasce, cresce, reproduz-se ou não e morre; fato que o dependente químico não tolera e procura transgredir mediante a fuga na fantasia de que pode ser outro, como descreve Robert Stevenson no seu livro "Dr. Jekyll e Mr. Hyde" e também,  Oscar Wilde em seu "Retrato de Dorian Gray".

 Até a década de 60 com exceção do alcoolismo e do uso abusivo de opiáceos e barbitúricos, o restante das demais substâncias psiconeurosóciotóxicas não preocupava o mundo médico, apesar de existir. Este uso era feito por pequenos grupos da população, em geral marginais.

Com a transformação cultural a partir dos anos 60 grupos de psiquiatras, psicólogos, sociólogos, religiosos e ex-dependentes começaram a trabalhar com todo tipo de recursos sócio-comunitários para combater a dependência do uso de tóxicos.

Maconha

A maconha é uma das drogas mais antigas que o homem conhece. Seu primeiro registro histórico, na China, data de 4700 anos. A maconha é um cânhamo natural da Ásia Central extraído das plantas fêmeas do gênero Cannabis espécies sativa e indica. Seu princípio ativo, o delta 9-tetra-hidrocanabinol (THC) foi identificado somente em 1964 pelo israelense Raphael Mechoulan.

A planta dá-se bem em qualquer clima que não seja muito frio. Hoje ela é cultivada em todos os continentes.

No nordeste brasileiro a estimativa é que a produção anual chegue a 10 milhões de pés, que correspondem a 3300 toneladas. Segundo a Polícia Federal o produtor recebe R$ 100,00  por quilo. Se plantasse cebola receberia em média R$ 0,10 por quilo.

As drogas fazem parte, por exemplo, do dia-a-dia da Holanda. A própria palavra droga vem do holandês antigo droog, que significa folha seca. Nos anos 70 este país percebeu que a prisão de jovens pelo uso de pequenas quantidades de maconha era o pior de todos os efeitos desta droga. Hoje, lá é permitido o porte de até 5 gramas de maconha. Há mais de 1500 bares onde o consumo é livre, os famosos Koffeeshops. Todo ano, em novembro, Amsterdã sedia a World Cannabis Cup, um torneio mundial de maconha, no qual fumantes do mundo inteiro se reúnem para degustar variedades novas da planta, criadas com esmero.

Nos anos 90, há quem diga que a descriminalização funcionou. Hoje a Holanda tem cerca de 300.000 usuários de Cannabis, ou seja, 2 a 3% da população, um índice de consumo equivalente ao de outros países da Europa e menor do que o dos Estados Unidos, onde a maconha é ilegal e consumida por 5,3% da população. Em Amsterdã, um em cada três habitantes maiores de 12 anos já experimentou a erva.

Segundo o Centro de Pesquisas de drogas da Universidade de Amsterdã, após a descriminalização o número de usuários habituais não cresceu; salienta que as pessoas experimentam por volta dos 20 anos de idade e largam depois. O que os holandeses ainda não sabem é como lidar com o tráfico.

Efeitos da maconha na unidade corpo/cérebro/mente

A maconha é uma mistura variável de centenas de substâncias em diferentes proporções. Seus efeitos atingem a pessoa e a personalidade como um todo: cognitivo-afetivo-conativamente (este último diz respeito à vontade + a ação). Sua neurobiologia nos remete aos neurotransmissores acetilcolina, dopamina e ao GABA.

Em 1990 descobriu-se os receptores canabinóides específicos no cérebro. O THC se parece muito com a anandamida, produzida pelo próprio cérebro e que parece ter relações com a memória e com uma doença mental, a esquizofrenia. O THC ocuparia os receptores da anandamida nos neurônios. Esses receptores encontram-se no sistema límbico, no hipocampo, no cerebelo e nos lobos frontais. Existem indícios de que o THC pode interferir na neurotransmissão no nível da membrana do neurônio e dos segundos mensageiros (adenilciclase). Cientistas da Universidade de Brown, Rhode Island nos USA publicaram recentemente que a anandamida é um canabinóide natural que provoca perda da sensibilidade à dor.

O cérebro usaria a anandamida para modificar a sensibilidade à dor. O desenvolvimento de um remédio que bloqueasse a degradação da anandamida poderia levar a novos medicamentos analgésicos, especialmente contra dores que não respondem aos derivados do ópio, como a morfina.

Um dos efeitos da maconha mostra um forte componente anticolinérgico: ocorre uma diminuição difusa das funções cognitivas, especial comprometimento da memória, da atenção, da crítica e do julgamento devido a alterações no hipocampo, sintomas que são ainda mais evidentes pela ação gabaérgica da maconha. Ambas as ações fazem diminuir a atividade impulsiva e seus componentes da agressividade e ansiedade, com freqüentes relatos do aumento das sensações de déjà-vu e jamais-vu.

Nos consumidores abusivos encontram-se zonas de hipoperfusão em diferentes regiões do cérebro, levando a um sofrimento neuronal que pode ser irreversível (necrose). No eletroencefalograma (EEG) digital pode-se observar lentificação, diminuição de amplitude e hipersincronização das ondas registradas pelo traçado do exame. Na tomografia de fótons (SPECT) observam-se déficits metabólicos.

A inibição do córtex e sistema límbico, associada à ação dopaminérgica explicaria os surtos psicóticos em usuários de Cannabis mesmo sem ter antecedentes pessoais ou familiares de doença mental.

Volkow demonstrou mediante tomografia por emissão de pósitrons (PET-scan), que o THC produz alterações imediatas e mais prolongadas no metabolismo do cerebelo e que, nos consumidores crônicos, provoca diminuição da atividade cerebelar, com alteração da coordenação motora, da sensibilidade proprioceptiva e da capacidade de aprendizagem.

O uso contínuo gera perda da noção do tempo, velocidade, distância, retardo de reações e outros déficits que têm o potencial de levar a danos e morte acidental.

De fato, o uso da maconha é tido como grande causador de boa parte dos acidentes fatais com moto e automóvel entre os adolescentes. Experimentos com pilotos de aviação mostraram que a maconha é mais perigosa que o álcool e, claro, maior ainda com a mistura de ambos.

Pesquisas mostram que o THC é 4000 vezes mais potente que o álcool, nas doses equivalentes, em diminuir o desempenho de um motorista em condições adequadamente controladas. Chega-se a dizer que o THC agiria como um falso hormônio, inibindo por feedback (retro-alimentação) a secreção de ACTH pela hipófise, simulando perfeitamente uma síndrome de esgotamento (estresse).

Na questão de gerar câncer, a maconha em comparação com o tabaco, foi encontrada uma quantidade maior dos mesmos agentes carcinogênicos no cigarro comum. Entretanto, não vamos subestimar este poder da maconha, pois grandes quantidades de substâncias irritantes para o sistema traqueobronquial nela são encontradas. Especialmente a presença do benzopireno encontrado em uma proporção 50% superior na maconha do que no cigarro de tabaco. A proporção de malefícios é de três baseados por dia eqüivalendo a 20 cigarros comuns por dia. E tanto quanto o tabaco aumenta a freqüência de bronquite crônica e câncer de pulmão.

Relata-se em animais de laboratório a redução da fertilidade, a diminuição da motilidade dos espermatozóides e a diminuição dos níveis circulantes de testosterona.

Também, a leucemia não-linfoblástica é 10 vezes mais freqüente em crianças nascidas de mães que fumam maconha. Destaca-se ainda alterações com relação aos atrasos no desenvolvimento intelectual, baixo peso corpóreo, pequeno tamanho do concepto, e tendência ao aborto espontâneo ou partos prematuros na mãe.

Ficou demonstrado que o THC suprime a produção de interferon in vivo e in vitro. Interferon são macromoléculas proteínicas que participam do sistema de defesa de um organismo infectado por vírus. A maconha pode também diminuir a função dos linfócitos e dos macrófagos tanto in vivo quanto in vitro, baixando a resistência imune do indivíduo.

No homem são conhecidos os efeitos de oligospermia (pouco espermatozóide) e até azoospermia (nenhum espermatozóide)  e na mulher alterações do ciclo menstrual.

Não há mais dúvidas de que o THC provoca quebras cromossômicas no cariótipo humano.

Quanto à dependência, insistimos em não separar a psíquica da física. A dependência da maconha caracteriza-se por irritabilidade, nervosismo geral, angustia, hiper ou hipofagia, alteração do sono e tendência a fumar mais cigarros de tabaco e tomar café em demasia, estes dois últimos pelo fato da nicotina e da cafeína serem também dopaminérgicas, atuando especialmente nos receptores DA2 do núcleo accumbens.

O THC é altamente lipofílico, isto é, dissolve-se em gordura, demorando muitos dias para ser eliminado. Assim, os sintomas de abstinência podem aparecer de 20 a 30 dias após a interrupção da droga.

Talvez o efeito mais nefasto no jovem seja a síndrome amotivacional, que provoca a queda do rendimento em todas as áreas da atividade humana e, freqüentemente, a parada dos estudos, com perda dos ideais tão salutarmente desenvolvidos nesta fase.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley
Comments are closed.