Uma reflexão sobre a nova política do álcool

O Ministro da Saúde, José Gomes Temporão quer reduzir o consumo de bebida alcoólica com a Política Nacional sobre o Álcool. Poucos hospitais no Brasil atendem pacientes com síndrome de abstinência alcoólica.
O Ministro da Saúde, José Gomes Temporão quer reduzir o consumo de bebida alcoólica com a Política Nacional sobre o Álcool. Poucos hospitais no Brasil atendem pacientes com síndrome de abstinência alcoólica.
Nesse quadro agudo, que surge quando os dependentes param de ingerir álcool, as pessoas entram em delírio, se agitam e podem ter convulsões. Dolorosa para quem sofre e para quem presencia, a síndrome evolui para a morte, quando não é bem tratada. Há algum tempo, o Ministério da Saúde oficializou a palavra alcoolista no lugar de alcoólatra, na tentativa de diminuir o preconceito que cerca a doença. O mesmo que se fez com a lepra, que agora é chamada de hanseníase. O alcoolismo é um dos maiores problemas de saúde pública no Brasil, por conta do número de pessoas usuárias.

A heroína e a cocaína podem causar maior dependência, mas o álcool é o campeão nas mortes por acidente de trânsito, homicídios, violência domiciliar e doenças de evolução crônica, como a cirrose, as polineurites e algumas formas de câncer. O álcool é uma droga vendida livremente em qualquer hora e lugar, a qualquer pessoa. Dizem que é proibido vendê-la às crianças, mas se a Lei existe, nunca é cumprida. Pior do que vender o álcool sem qualquer restrição é estimular o seu consumo. No Brasil, a propaganda de bebidas, sobretudo de cervejas, é uma vergonha comparável ao comércio de órgãos pela Internet e à prostituição infantil. As fábricas de cerveja gastam milhões em propaganda e as empresas publicitárias investem pesado na criação de comerciais irresistíveis. Apelam para tudo. Usam a imagem de jogadores de futebol, de cantores de música popular e artistas de televisão. Todos só pensam no lucro. A meninada admira seus ídolos e bebe cada vez mais, incitada pela propaganda. Deseja parecer em tudo com eles, até no consumo de cerveja. O Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, resolveu acabar com os abusos.

A batalha não será fácil. Estão em jogo os interesses das grandes destilarias, das TVs, que têm nas cervejas um de seus maiores anunciantes, e das empresas de publicidade, que comem uma fatia do bolo. Espera-se que a sociedade brasileira tome o partido do Ministro e saia às ruas, manifestando apoio à nova Política Nacional sobre o Álcool. Com respaldo da população, o Ministro vencerá a batalha contra os empresários da dependência. Por trás do que chamam "consumo social de bebidas" está o começo da dependência. É preciso desmascarar todas as formas sutis de incitamento ao alcoolismo.

Fonte: Site Antidrogas

Comments are closed.