Posse da nova diretoria do SinPsi

Hoje, 21 de agosto, é o dia da posse da diretoria do SinPsi para o triênio 2007/2010. Assumem os 14 novos diretores e os 6 membros do Conselho Fiscal (lista abaixo), com a missão de dar continuidade às lutas dos psicólogos por melhores condições para o exercício profissional.

Hoje, 21 de agosto, é o dia da posse da diretoria do SinPsi para o triênio 2007/2010. Assumem os 14 novos diretores e os 6 membros do Conselho Fiscal (lista abaixo), com a missão de dar continuidade às lutas dos psicólogos por melhores condições para o exercício profissional.

A cada ano, no estado de São Paulo, são cerca de 4 mil novos profissionais que precisam se colocar de forma digna no mercado de trabalho. O SinPsi, e essa nova direção seguirá o caminho, tem lutado cotidianamente pelo fortalecimento das políticas públicas, principalmente na área da seguridade social, como forma de expansão do mercado que também significa aumento da qualidade de vida e garantia dos direitos da população

Outra bandeira de luta é a redução da jornada máxima para 30 horas semanais e o estabelecimento de piso profissional nacional, projeto de lei que já se encontra no Congresso Nacional e que, ainda nesse ano, será desencadeada uma vigorosa campanha para sua aprovação.
 
São mais 3 anos de luta, muitos desafios que a união de todos saberá superar.
Diretoria ( Gestão 2007 à 2010 )
Presidente
Rogério Giannini
Vice-Presidente
Luís Carlos de Araújo Lima
1º Tesoureiro
Arlindo Lourenço
2º Tesoureiro
Fábio Souza dos Santos
Secretária Geral
Fernanda Lou Sans Magano
1º Secretária
Rosana Cathia Ragazzonni Mangini
2º Secretária
Simone Tinton de Andrade
Diretores
Fátima Regina Riani Costa, Marcos Aurélio Colen Leite, Miriam Leirias, Nerivaldo Arantes, Sayuri Epifânio de Souza, Tiago Noel Ribeiro, Valéria Cristina Lopes
Conselho Fiscal
Titulares
: Odair Furtado, Adalberto Boatarelli, José Siqueira de Brito Lyr
Suplentes: Maria de Lourdes Cerqueira Azzolini, Inês Guimarães Pistelli, Cláudia Rejane de Lima

 
Plataforma de ação:
COMPROMISSO: LUTAR PELA VALORIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO
O SinPsi-SP vem, nos últimos anos, tendo uma atuação que honra as raízes e melhores tradições do movimento sindical classista, de luta e combativo. Ao mesmo tempo suas ações também se orientam por uma visão que ultrapassa o corporativismo, afirmando os compromissos sociais de cidadania e democracia.
Nossa chapa se reivindica como tendo identidade com esta visão e com o pensamento político das esquerdas democráticas que historicamente constroem uma visão crítica da sociedade brasileira e buscam sua transformação.
Tal identidade nos permite apoiar e reconhecer os avanços no campo político e social por que passa o Brasil mas não nos faz perder o senso crítico e a noção de qual lado estamos. Assim, saudamos como extremamente positivo o reconhecimento das Centrais Sindicais, mas repudiamos qualquer tentativa de reforma trabalhista e previdenciária que atente contra os direitos históricos dos trabalhadores. Trata-se, ao contrário, de buscar manter e ampliar direitos e universaliza-los.
Com esse pano de fundo, e respeitando a trajetória recente, reconhecendo os acertos e buscando superar nossas deficiências é que apresentamos nossa plataforma de gestão para o triênio 2007/2010.
 
Diretrizes:
O debate tem apontado para a necessidade de uma gestão que priorize nosso caráter “sindical”, entendido esse adjetivo enquanto a necessidade de conquistas para a categoria, como jornada, piso, condições de exercício profissional e criação de postos de trabalho, sem, no entanto, limitar nossa ação ao simples corporativismo desconectado das lutas da sociedade por direitos fundamentais do ser humano, avanços sociais e de cidadania. O “mais sindical” marca também a necessidade da categoria de reconhecer no SinPsi o defensor direto de seus interesses. 
A nossa defesa dos direitos trabalhistas e sociais dos psicólogos deve estar necessariamente articulada aos interesses gerais da classe trabalhadora, por isso a chapa COMPROMISSO: LUTAR PELA VALORIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO, propõe as seguintes diretrizes de organização sindical e plataforma de lutas:
 
Organização Sindical:
q       Implementar uma gestão descentralizada e participativa;
q       Trabalhar junto ao sindicalismo CUTista, buscando a integração com as lutas do ramo da seguridade social, cuja instância estadual é a FETSS;
q       Ampliar as campanhas de sindicalização;
q       Ampliar as redes de serviços e convênios em cultura, turismo, saúde, formação, e outros para os associados e seus dependentes;
q       Promoção projetos de pesquisa através de órgãos e institutos como o  DIEESE e outros.
Nossas lutas:
q       Redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais;
q       Piso Nacional compatível;
q       Defesa dos interesses das trabalhadoras do setor público e defesa intransigente da realização de concursos públicos e efetiva contratação;
q       Negociação no setor privado, unificada com outras categorias profissionais;
q       Combate ao exercício profissional precarizado, com atenção especial a questão do voluntariado no setor público e ONGs;
q       Regulamentação na ANS tornando obrigatório aos planos de saúde oferecerem consultas psicológicas;
q       Defesa do caráter essencial da psicologia nos serviços públicos de saúde, educação, ação social e outros;
q       Inserção obrigatória da disciplina de psicologia no ensino médio.
 
A Chapa Compromisso: lutar pela valorização do exercício da  profissão atuará articuladamente com as lutas mais gerais da sociedade que tenham como sentido a democracia participativa e universal, a efetiva aplicação de direitos que garantam justiça social e a denúncia e combate a todas as formas de preconceito, discriminação, violência e exclusão que ferem a dignidade humana e a cidadania, e para isso propomos:
q       Lutar contra a privatização da saúde, educação, cultura, meio ambiente, sistema prisional, segurança pública e outros serviços que são direitos essenciais da cidadania;
q       Participar e estimular a participação das psicólogas enquanto trabalhadoras e cidadãs nas instâncias de controle social;
q       Propiciar o debate sobre os projetos políticos em disputa na sociedade, estimulando a participação ativa das trabalhadoras psicólogas;
q       Rechaçar posições niilistas, lineares e despolitizadas expressas em chavões do tipo “é tudo igual”, “foi sempre assim” e “nada vai mudar”. Acreditamos que é possível reconhecer e construir o diferente;
q       Contribuir para a luta pelos direitos das crianças, adolescentes, idosos, pessoas portadoras de deficiências físicas e mentais, pessoas portadoras de sofrimento psíquico e contra as discriminações de gênero, raça, etnia, idade e orientação sexual. Estas lutas, entre outras, são exemplos de ações que se revestem de caráter especial para a nossa categoria, seja pela qualidade e intensidade da nossa inserção social, ou mesmo pelo reconhecimento social quanto à natureza do trabalho do psicólogo.
 
Por fim, a chapa Compromisso: lutar pela valorização do exercício da  profissão deseja contribuir para a inserção da psicologia como profissão indispensável na construção e na consolidação de uma sociedade mais justa e solidária.

Fonte: SinPsi-SP

,

Comments are closed.