Doenças mentais ‘levam 650 mil ao suicídio por ano’

Pelo menos 650 mil portadores de doenças mentais, mais de 80% deles nos países em desenvolvimento, cometem suicídio a cada ano, alerta nesta terça-feira um artigo publicado na revista científica The Lancet.

Pelo menos 650 mil portadores de doenças mentais, mais de 80% deles nos países em desenvolvimento, cometem suicídio a cada ano, alerta nesta terça-feira um artigo publicado na revista científica The Lancet.

"Grande parte" desse contingente se deve à falta de tratamento adequado e à marginalização que ainda hoje afeta os que sofrem com esse tipo de transtorno, afirmou à BBC Brasil um dos autores do artigo.

Os números constam de uma série de artigos publicados pela Lancet em colaboração com o Instituto de Psiquiatria do King's College de Londres e a London School of Hygiene and Tropical Medicine.

Chamando atenção para a necessidade de se debater a saúde mental no mundo, um dos artigos destaca que os problemas mentais respondem por entre 80% e 90% de todos os 800 mil suicídios registrados anualmente no planeta.

"Mas é preciso dizer que esta estatística subestima o número de real de pessoas que cometem suicídio", explicou à BBC o professor Vikram Patel, professor da London School of Hygiene e um dos autores do estudo.

"Em muitos lugares, o suicídio é fortemente estigmatizado, até mesmo criminalizado. Na Índia, há evidências de que o número real de suicídios é quatro vezes maior que o reportado."

Prioridade

Um dos artigos afirma que o Brasil avançou no tratamento de doenças mentais. Ainda assim, os cientistas destacam que nas grandes cidades brasileiras muitos doentes são vistos mendigando em esquinas e dormindo sob pontes e viadutos.

Por falta de recursos ou por estigma social, nove entre dez pessoas que sofrem de problemas mentais deixam de receber tratamento adequado em alguns países emergentes, alerta a revista.

Na Zâmbia, por exemplo, muitos temem procurar tratamento diante da possibilidade de serem confundidos com "vítimas de bruxaria" ou como se estivessem "possuídos por demônios".

Estima-se que doenças mentais, como esquizofrenia, depressão, transtornos obsessivo-compulsivos e ansiedade, representam 14% das doenças do mundo, mais que o câncer ou as doenças cardíacas.

Entretando, criticou a Lancet, a saúde mental "permanece uma prioridade secundária na maioria dos países de renda média e baixa".

Já os países desenvolvidos, acrescentou a revista, "priorizam doenças que causam morte prematura (como câncer e doenças do coração)."

"Tem havido uma falha crítica de liderança entre países, agências, financiadores e profissionais médicos, e essa falha tem continuado a estigmatizar a saúde mental e aqueles com problemas de saúde mental", disse o editor da Lancet, Richard Horton, durante o lançamento da série em Londres.

"Esse relatório que estamos publicando tem o objetivo de desenhar uma linha entre a era de negligência e o que acreditamos ser um novo movimento político, social e científico para tornar as doenças mentais um interesse vital para o futuro."

Fonte: BOL notícias

About Eduardo Villarom Helene

Consultório: Rua Batista da Mata, 78, Alto de Santana, SP.

Comments are closed.