Pesquisa destaca associação entre antidepressivos e alteração de peso

Uma pesquisa feita na Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UnB) destacou que efeitos colaterais de medicamentos antidepressivos podem interferir diretamente no estado nutricional dos pacientes, causando tanto perda como ganho de peso.
Uma pesquisa feita na Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UnB) destacou que efeitos colaterais de medicamentos antidepressivos podem interferir diretamente no estado nutricional dos pacientes, causando tanto perda como ganho de peso.
O trabalho de Helicínia Giordana Peixoto, apresentado como dissertação de mestrado, verificou o perfil nutricional e sua associação com antidepressivos utilizados por 300 indivíduos com transtorno depressivo, de idades entre 18 e 60 anos, assistidos no ambulatório do Hospital São Vicente de Paula, ligado à Secretaria do Estado de Saúde do Distrito Federal e especializado no atendimento de pacientes psiquiátricos. A grande maioria dos indivíduos analisados era do sexo feminino (89%).

Foi aplicada uma ficha de atendimento para obtenção de dados pessoais, sociais, ambientais, clínicos e medicamentos utilizados. Também foram registradas informações sobre o padrão alimentar dos pacientes e feitos exames bioquímicos para identificação das taxas de glicemia e colesterol.

Os medicamentos utilizados pelos pacientes foram divididos em três classes: antidepressivos tricíclicos, inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) e antidepressivos de nova geração.

"Os indivíduos que usavam antidepressivos da classe ISRS tinham, em média, índice de massa corporal mais elevado quando comparados com pacientes que usavam medicamentos tricíclicos ou de nova geração", disse Helicínia, que é nutricionista do Hospital São Vicente de Paulo, à Agência FAPESP.

Segundo ela, a maior parte dos usuários que tomavam ISRS tinha obesidade, enquanto a maioria que usava tricíclicos apresentava sobrepeso. Os usuários dos antidepressivos de nova geração apresentaram estado nutricional mais satisfatório.

Da amostra analisada, 62% dos pacientes estavam acima do peso – 34% com sobrepeso e 28% eram obesos. Além disso, 5% apresentaram algum grau de desnutrição.

"O transtorno depressivo leva a diminuição da serotonina, um hormônio responsável pelo prazer, fazendo com que os pacientes apresentem tristeza e desânimo. Nesse contexto os antidepressivos podem tanto estimular o apetite e gerar compulsão alimentar, o que causaria sobrepeso ou obesidade, como os indivíduos podem ter o apetite diminuído e ter perda de peso", disse Helicínia, que também é professora da Faculdades JK, em Brasília.

Dois artigos sobre o assunto foram redigidos com base nos resultados da dissertação, orientada pela professora Marina Kiyomi Ito, e estão em fase de aprovação em revistas especializadas.

Fonte: BOL notícias

About RedePsi

Portal de Psicologia com Notícias, Artigos, Links e Serviços de Divulgação de Cursos, Eventos e Produtos da Área.

Comments are closed.