Considerações sobre o Fetichismo

Sabemos que em seu estudo “Os três Ensaios para uma Teoria Sexual”, publicado em 1905, Freud deu uma ênfase especial às perversões, em especial ao estudo do Fetichismo.

Gostaria de dar início à apresentação deste trabalho, relembrando uma frase emblemática proferida por Freud, ao se referir, nos "Três Ensaios para uma Teoria Sexual", ao estudo das perversões: "A Neurose é o negativo das perversões". O que significa, numa primeira análise, que aquilo que o neurótico reprime, o perverso, atua.

Das várias modalidades de perversão citadas no referido trabalho de Freud, encontramos o conceito de "Fetichismo", o qual irá adquirir uma posição de destaque. Entendemos que o conceito de fetichismo se presta para que se possa apreciar uma série de questões pertinentes à teoria psicanalítica, muito para além dessa "perversão", propriamente dita.

Relembramos que nos "Três Ensaios para uma Teoria Sexual", o próprio Freud diferencia entre "condição fetichista" e "fetichismo". A "condição fetichista" seria, na verdade, o requisito que o objeto sexual deve cumprir, a fim de que assim se apresente para o sujeito; isto é, para que possa constituir-se em objeto do seu desejo. Queremos destacar que o objeto "sexual" não o é em si mesmo, mas sim pelo fato de possuir certos atributos para um indivíduo "X" em particular.

Queremos lembrar também que em seu trabalho sobre "O Homem dos Lobos", Freud fala da condição fetichista, lembrando Binet, o qual já em 1887 havia sustentado que "todos somos mais ou menos fetichistas no amor e que há uma certa dose de fetichismo, mesmo considerando o amor mais normal". Desta forma, na condição fetichista que está no meio do caminho entre o amor normal e o fetichismo, conserva-se o que foi chamado por Freud de "fim sexual normal", sendo entendido como "o acoplamento dos genitais na copulação". Enfatizo que esse acoplamento genital está se referindo ao "fim" sexual. (Ver "Três ensaios para uma Teoria Sexual", Freud, S.)

Como, sobre um atributo não essencial ao ato da copulação possa recair a supervalorização, a qual seria própria do objeto sexual, Freud nos diz: "(…) o ponto de contato do fetichismo com o normal está provido pela supervalorização psicológica essencial do objeto sexual, a qual inevitavelmente estende-se a tudo o que está a ele associado".

Pensamos que o que deve ficar muito claro é que não se trata de algo ocasional, mas sim de uma forma de "funcionamento psíquico": aqui falamos do "deslocamento do valor" ou do "interesse", que acaba se produzindo com tudo aquilo que associativamente encontra-se ligado com tudo o que é significativo para o sujeito. Esse referido deslocamento, não só se refere ao objeto do desejo, mas também em relação ao "desagradável", como fica muito bem evidenciado no caso das fobias.
Quanto à "Condição Fetichista", o que queremos ressaltar é que o deslocamento não se refere a um processo defensivo, sendo que o "fim sexual" conserva-se, ou seja, a copulação não é evitada. Compreendamos que o fenômeno do deslocamento em Freud, não é só um fenômeno que estaria a serviço da defesa, como é também algo que caracterizaria um modo de funcionamento psíquico, tanto o processo primário, no qual existe o livre deslocamento de cargas – como o processo secundário, em que o deslocamento é de pequenas cargas, mas deslocamento quanto ao "fim".

Diferentemente desse tipo de deslocamento, no caso do fetichismo, produz-se um fenômeno muito singular: "o fetiche separa-se de uma pessoa em particular, convertendo-se em "único" objeto sexual. Sabemos que o fetiche está numa relação intensa com o nível genital: "se um é estimulante, então o outro não o é". Assim, o fetiche é estimulante, excitante, em substituição ao genital.

Ao examinarmos cuidadosamente toda a psicopatologia freudiana, verificar-se-á que a noção de "substituto" que aparece no jogo do fetiche, não é privativa dele, mas sim que se verifica como um conceito central. Por exemplo, o sintoma histérico é um substituto de outra coisa que fica fora da consciência. Ocorre o mesmo com a fobia e a obsessão; assim como com a lembrança encobridora e o conteúdo manifesto do sonho.

Já nos "Três ensaios…", o fetiche aparece com a finalidade de evitar o desenvolvimento da angústia. Notemos que, ainda quando o conceito de castração não está desenvolvido, Freud diz, numa nota agregada em 1915: "a psicanálise demonstrou que o fenômeno pode ser também acidentalmente determinado pela ocorrência de uma "dissuasão"prematura da atividade sexual, devido ao temor que pode separar o indivíduo do fim sexual normal. E incentivá-lo a buscar um substituto para o mesmo".

Observamos que a evitação do desenvolvimento da angústia, mediante o uso do fetiche, não é totalmente equiparável à evitação fóbica; assim o fetichista fez uma modificação no objeto, graças a que algo está supervalorizado, sendo que o genital acaba deixando de estar. Ainda numa tentativa de explicitação sobre o caráter defensivo do fetiche, retomaremos o próprio artigo de Freud a seu respeito(1927). Nele, Freud propõe a tese de que o fetiche é, em última análise, "o substituto do pênis da mãe". Sendo que, então o propósito do fetiche é o de permitir a "Renegação da Castração", ou seja, seria na verdade uma prova de triunfo sobre ela, assim como a sua respectiva afirmação concomitante. Devemos notar aqui, que seria um erro ver que o caráter defensivo do substituto, consiste apenas em que mantém algo fora da consciência. O que significa que se, simplesmente se excluísse o conhecimento da castração da consciência, mas esta permanecesse no inconsciente, certamente o sujeito sofreria angústia, ainda que não conseguisse localizá-la, ou as razões para senti-la.

Tratar-se-ia de "uma angústia sem objeto", ou mesmo, "angústia flutuante", a qual redundaria na união com um objeto na consciência, vindo a converter-se em medo, tal como afirmou Freud em "Inibição, Sintoma e Angústia". Dessa forma, na constituição do fetiche, além do ocultamento à consciência, intervém a realização de desejos.

Mas, voltemos ao fetichismo: se nele o fenômeno se limitasse a excluir da consciência, o conhecimento de que a ausência de pênis na mulher— que se aceita na consciência— é o resultado da castração e, que ele portanto está exposto a ela, estaríamos diante da seguinte situação: "na consciência, os homens tem pênis, ele incluído,— as mulheres não". Como idéias reprimidas em troca: "a falta de pênis na mulher indica que a castração, é uma ameaça que pesa sobre ele.". Assim, este "saber inconsciente", o manteria constantemente em um estado de angústia flutuante, ou seja, uma angústia sem objeto conhecido.

Aprofundando-nos um pouco mais sobre o fetichismo, poderemos observar que nele teve lugar, além da defesa perante o saber consciente, aquilo que seria da ordem de uma verdadeira transformação mediante a "equação fetiche".

Equação fetiche = falo, equação inconsciente, afirma no inconsciente que a mãe tem falo, ou seja, que a castração é inexistente. Esse processo permite "renegar">>> "VERLEUGNUNG" – a castração. Devemos ter claro que a "renegação" ocorre ao nível plenamente inconsciente. Em outras palavras: se a equação fetiche = falo, é inconsciente, parece óbvio de que a crença de que há falo encontrar-se-ia no inconsciente reprimido.

Citamos o parágrafo de Freud, no artigo sobre o fetichismo: "Em exemplos muito sutis, tanto a renegação como a afirmação da castração, intervieram na constituição do fetiche em si mesmo. O fetiche, ao significar inconscientemente que não existe a castração, guarda uma semelhança com aquelas outras fantasias inconscientes que resistem a outras fantasias, também inconscientes."

Penso que aqui estamos diante de uma interessante questão: "quando se diz que uma fantasia inconsciente 'defende' frente a outra, achamos que seria muito interessante se poder diferenciar esse 'defende' e os mecanismos de defesa, que mantém algo fora da consciência. Será que aqui não teria ocorrido um deslocamento conceitual, criando uma extensão do conceito de defesa, o qual primeiramente fora introduzido por Freud, como que se referindo especificamente à "evitação do conhecimento de algo que provocaria a angústia, até chegarmos a qualquer formação que tivesse a tendência a impedir a produção da angústia?"

A título de estabelecermos uma certa recapitulação sobre o objeto fetiche, relembramos que em sua constituição houve:

a-) Um deslocamento: algo conectou-se associativamente ao genital,
ocorrendo a supervalorização desse algo.

b-) A castração ficou renegada e afirmada, sendo que o EU está cindido.

c-) relacionada com o item anterior, "produziu-se uma transformação"— realização de desejos: o que era uma ausência— o falo — ficou transformado em uma presença— o fetiche.

Então, realizou-se um desejo que não é uma alucinação do falo, como costuma ocorrer no modelo paradigmático referente à realização alucinatória de desejos, mas que ainda assim, guarda um ponto em comum com ela, a saber: "uma presença fantasmática vem preencher uma ausência".

Queremos chamar a tenção para uma diferença, que nos parece de fundamental relevância:

=== na realização alucinatória de desejos, a ausência é a de um objeto real.
=== Já no caso do fetichismo, trata-se de uma ausência vivida sobre a base de uma presença de cunho ilusório.

Entendemos que esse trabalho sobre o fetichismo, além de analisá-lo com certa profundidade, teve o propósito, também de podermos colocar várias questões a serem melhor discutidas, como, por exemplo:

* 1) A constituição do objeto sexual.
* 2) Deslocamento
* 3) Renegação
* 4) Relação entre renegação e clivagem, etc.

Além de também nos proporcionar bases para reflexões sobre as temáticas

* 1) a lei
* 2) a transgressão
* 3) a constituição do Ideal
* 4) a castração simbólica
* 5) o conceito de falo e

Talvez fosse importante podermos, cada um de nós , refletir sobre a seguinte questão:

" seria o fetichismo uma tentativa de substituição do pênis real, ou mais propriamente do falo simbólico?"

Em se aceitando a tese de que essa relação estaria estabelecida pelo simbolismo fálico que organiza nossa civilização, poderíamos pensar em todas as variações do fetichismo, que a sociedade moderna oferece ao homem em troca de sua submissão a uma lei, que o impede ao prazer da realização completa do sujeito psíquico frente ao seu desejo. E pensarmos essa clivagem como uma conseqüência desses pressupostos de nossa organização, quer seja ao nos referirmos à cultura, quer seja ao nos referirmos ao aparelhamento mental do sujeito. Que ricas análises poderemos desenvolver a partir daí?

About TOVAR TOMASELLI

SUPERVISOR CLÍNICO E CONDUTOR DE GRUPOS DE ESTUDO SOBRE PSICANÁLISE, ESPECIALMENTE SOBRE AS OBRAS DE FREUD E LACAN.
Comments are closed.