politeísmo

Crença em ou adoração de diversos deuses em vez de um só deus. Muito embora comumente dito como o oposto de mo­noteísmo, é geralmente reconhecido pelos teólogos como sendo uma expressão do monoteísmo no sentido de que pressupõe algum tipo de princípio supra-ordenado, quer seja o caos ou outra coisa diferente.

Jung aplicava a palavra dentro de um contexto histórico, isto é, o caos do politeísmo precedia a ordem do cristianismo. Contudo, numa abordagem psicológica, a multiplicidade de arquétipos, especi­ficamente referidos mais de uma vez como possuindo o status que, nos tempos passados, poderia ter sido conferido a deuses e demônios, pode ser vista como "politeísta", embora em um estado de tensão constante com um self "monoteísta" supra-ordenado.

Tais considerações tornaram-se relevantes com a extensão dos conceitos da psicologia analítica para a psicologia arquetípica (Hillman, 1983). Com este conceito "a multiplicidade inerente da alma" é realçada e, escreve Hillman, requer "uma fantasia teológica capaz de uma igual diferenciação".

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra – Pós-doc em Filosofia
Membro do Viktor Frankl Institute Vienna
Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.