tartamudez

Um distúrbio da fala em crianças. Elocução espasmódica, com paradas, repeti­ções e pausas involuntárias, caracterizada geral­mente (nos casos mais sérios), externamente, pela expulsão de saliva pelo fato de, após uma suspensão ou parada, o ar ser expelido com violência. Convencionalmente, a tartamudez é uma forma visualmente mais violenta ou explo­siva do que a gagueira.

Qualquer som, em qualquer posição, qual­quer parte de uma palavra e qualquer palavra, podem constituir um obstáculo na tartamudez, variando conforme o indivíduo ou a gravidade do sintoma.

Alguns especialistas sustentam que a tarta­mudez é o resultado de uma doença cerebral orgânica ou defeito fisiológico, mas isso ainda é uma questão discutível. As primeiras hesita­ções e paradas na fala de uma criança são tão normais como os passos mal calculados, os tropeços e as quedas nas primeiras tentativas da criança para andar sem ajuda, em virtude da falta de coordenação e controle do mecanis­mo de marcha. Este último é, em comparação com o mecanismo da fala, tão simples quanto o mecanismo de um carrinho de mão compa­rado ao de um delicado movimento de relógio.

O peso que representa para uma criança repro­duzir os movimentos dos órgãos da fala (muitos deles fora do alcance de sua vista, dentro da boca de outras pessoas), pode ser depreendido dos esforços que os adultos têm que fazer para aprender os sons de uma nova língua, mesmo com a assistência de um professor e a ajuda de diagramas, audiovisuais, ilustrações e es­pelhos.

Quer se origine num distúrbio fisiológico ou não, em seus estágios subseqüentes, o sintoma é predominantemente uma condição psíquica; a atitude de retração pelo medo de não conse­guir falar; o recurso ao relaxamento (a fim de reduzir ou eliminar completamente a tensão nervosa e muscular) funcionou quase sempre com êxito em várias instituições especializadas na cura da tartamudez.

"No estágio inicial de desenvolvimento da fala, o processo mental está mais adiantado do que os poderes de controle muscular, e a resul­tante falta de coordenação muscular produz freqüentemente uma gagueira [tartamudez] tem­porária. Se a criança está preocupada e nervosa durante esse período de ajustamento, tornar-­se-á consciente de sua fala e das dificuldades que cercam a sua aquisição, e o segundo estágio é imediatamente alcançado – o do medo ou temor de falar – provavelmente de um modo inconsciente, mas nem por isso menos intenso." (Boome, E. J., Baines, H. M. S., & Harries, D. G., Abnormal Speech, 1939)

A tartamudez é observada em cerca de 1% da população e manifesta-se geralmente entre os dois e seis anos de idade. Ocorre mais fre­qüentemente no sexo masculino, em gêmeos e em canhotos. Raramente se registra entre dia­béticos e é sumamente rara entre povos pri­mitivos.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.