transacional

Relativo à negociação, condução, desempenho ou execução de um ato ou pro­cesso; pertinente à interação ou transação. A abordagem transacional de Grinker é uma ten­tativa para compreender a interação entre tera­peuta e paciente – e, em última instância, entre o paciente e a realidade exterior – em termos da teoria do papel. "As atividades, no âmbito de um processo transacional, embora lidem com a realidade corrente e partam de papéis explícitos e bem definidos, expõem a natureza repetitiva do comportamento inadaptado do paciente e estimulam a sua recordação de expe­riências passadas… Esta abordagem transacio­nal evoca papéis expressivos ou emocionais implícitos e incita à repetição de antigas tran­sações, assim como elucida a origem genética do comportamento atual."

Interacional no que diz respeito à transcomunicação e influência cruzada de cada membro numa relação com os outros membros. Em psiquia­tria, o termo é geralmente usado com referência à interação dinâmica, bilateral, entre terapeuta e paciente. O pressuposto anterior de que o psicanalista é totalmente objetivo e não reflete nenhum de seus próprios valores no seu pacien­te sofreu modificação gradual. É reconhecido hoje que no processo psicanalí­tico "a personalidade do terapeuta, seu sistema de valores e suas técnicas de interação, verbal e não-verbal, são… pelo menos, tão importantes e, em muitos casos, até mais importantes do que a revelação do conteúdo reprimido, que foi a pedra angular do modelo tradicional do proces­so psicanalítico. A consciência cada vez maior disso, por parte dos psicanalistas, refletiu-se em anos recentes na literatura abundante sobre o tema das atitudes de 'contra-transferência' no analista e seu efeito sobre o processo analítico".

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra – Pós-doc em Filosofia
Membro do Viktor Frankl Institute Vienna
Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.