Contingências de Reforçamento

São as unidades básicas de análise e compreensão dos comportamentos e sentimentos humanos e os instrumentos necessários e suficientes para influenciá-los. Quando alguém observa o que uma pessoa faz (pode ser uma ação operante ou uma ação emocional ou afetiva), não consegue compreender o significado daquilo que observa. Uma pessoa corre, ou chora, ou fala seu nome, ou limpa um móvel, ou fica vermelha, ou grita, ou escreve… e daí? O significado de um comportamento não está na ação em si, mas naquilo que o determina. Uma resposta não é um comportamento. Para compreendermos uma ação e alçá-la ao status de comportamento, temos que relacioná-la com eventos antecedentes e eventos conseqüentes a ela, funcionalmente interligados. A unidade mínima para a compreensão de um comportamento chama-se tríplice contingência. Assim, se uma professora pede a um aluno de seis anos que dê um grito parecido com o do Tarzan (o pedido da professora é o evento antecedente), e Joãozinho grita, procurando imitar o Homem-Macaco (é a resposta), e a professora o elogia dizendo que ele tem pulmões de aço e a classe ri de forma aprovadora (conseqüências), então nós compreendemos por que Joãozinho gritou daquele jeito durante a aula. A resposta foi gritar, mas o comportamento poderia ter outro nome: obedecer ou atender a uma solicitação da professora. Se o grito ocorresse sem tais informações, poderíamos dizer que o comportamento de Joãozinho foi de bagunçar a aula, de agredir a professora, ou até poderíamos supor que estava apresentando um surto psicótico… Contingências de reforçamento são unidades para análise e intervenção sobre os comportamentos e os sentimentos das pessoas. A contingência de reforçamento mais simples é composta por três termos, daí ser conhecida por tríplice contingência de reforçamento. (Existem outras mais complexas, compostas por quatro, cinco e mais termos.) As CR mostram as interações entre as pessoas e seu ambiente (físico e social). O primeiro termo da tríplice contingência é o antecedente, o segundo é a resposta (da pessoa) e o terceiro é a conseqüência. Quando os três termos são conhecidos, e são determinadas as inter-relações entre eles (todos os três se influenciam reciprocamente e de modo dinâmico), pode-se dizer que comportamentos e sentimentos, por eles determinados, foram "explicados". Assim, por exemplo, como se explicam os comportamentos de um motorista num semáforo? Um evento antecedente (luz verde) estabelece a ocasião em que uma determinada resposta (avançar com o carro) terá conseqüências que manterão o comportamento de dirigir (chegar ao destino, por exemplo); por outro lado, um outro evento antecedente (luz vermelha) estabelece a ocasião em que a mesma resposta (avançar com o carro) terá uma conseqüência que enfraquecerá o comportamento de ir em frente (uma multa ou um acidente, por exemplo).

About Eduardo Alencar

Psicólogo comportamental do Cais/USP (2009), pós graduado em Psicologia Comportamental e cognitiva pela USP, com formação técnica em administração de empresas, extensão universitária em OBM e em Acompanhamento Terapêutico pelo Núcleo Paradigma, especializ

Comments are closed.