catatonia (2)

Uma debilitação de tensão. Do ponto de vista clínico, muitas síndromes diferentes têm sido denominadas catatonia. As descrições modernas da condição clínica foram apresenta­das primeiramente por Kahlbaum, em 1874, e os conceitos gerais por ele propostos prevale­ceram até hoje, salvo pequenas alterações. Kahl­baum considerou a catatonia uma entidade no­sológica, mas, a partir dos últimos trabalhos de Kraepelin, ela passou a ser encarada como uma subdivisão da esquizofrenia. É verdade que síndromes catatôni­cas ou, melhor, cataleptóides, são, freqüente­mente, parte de outros grupos diagnósticos (por exemplo, da histeria e da psicose maníaco-de­pressiva), mas a tendência é restringir o termo catatonia ao grupo esquizofrênico. Estados ca­taleptóides podem ser também observados em associação com a patologia orgânica, como se encontra, por exemplo, na encefalite letárgica.

A síndrome clínica chamada catatonia carac­teriza-se, via de regra, por (1) estupor, asso­ciado a acentuada rigidez ou flexibilidade da musculatura, ou (2) hiperatividade em conjunto com várias manifestações de estereotipia.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.