chupar o polegar

A primeira e uma das mais co­muns manipulações do corpo que se oberva em crianças muito pequenas. Em algumas crianças, observa-se desde o nascimento, para continuar ao longo da infância, quando se torna um há­bito indesejável e passa a ser classificado como traço neurótico. Durante os primeiros meses de vida, chupar o dedo é uma característica fisio­lógica e comum, mas não universal, do bebê. Com o declínio da fase de reação mão-à-boca, que se verifica por volta dos doze meses de idade, segundo A. Gesell, o hábito cessa. Mes­mo depois dos doze meses e até os três para quatro anos de idade (dois anos, de acordo com L. Kanner), é considerado normal quando reaparece antes de um cochilo, antes de dormir ou em momentos de fadiga ou estresse emocio­nal. Chupar o dedo é acompanhado por movi­mentos e posições da mão livre, assim como dos restantes dedos da mão cujo polegar está sendo chupado, o que é característico e constante para cada criança: são os chamados movimentos acessórios. Segundo Levy, que reali­zou um estudo anamnésico e experimental do problema, chupar o dedo ocorre nas crianças com movimentos labiais insuficientes ou desen­volvimento incompleto da fase de sucção ali­mentar, seja por amamentação ou por outro tipo de alimentação.

A escola psicanalítica considera chupar o de­do uma gratificação auto-erótica, como expres­são de anseios sexuais infantis, sendo a zona erógena oral, neste caso, o nível de estimulação e gratificação.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra – Pós-doc em Filosofia
Membro do Viktor Frankl Institute Vienna
Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.