coletivo

"Chamo coletivos a todos aqueles con­teúdos psíquicos que não são peculiares a um só indivíduo, mas a muitos simultaneamente, isto é, a uma sociedade, a um povo ou à hu­manidade em geral. Tais conteúdos são as 'idéias coletivas místicas' (représentations collec­tives) do homem primitivo descritas por Lévy-­Bruhl; elas incluem também os conceitos gerais de Direito, Estado, religião, ciência etc., cor­rentes entre os homens civilizados. A antí­tese de coletivo é individual." (Jung)

Jung refere-se a duas divisões do inconscien­te, o pessoal e o coletivo. O primeiro "abrange todas as aquisições da existência pessoal ­logo, o esquecido, o reprimido, o subliminar­mente percebido, pensado e sentido. Mas, além desse conteúdo inconsciente pessoal, existe um outro conteúdo que não se origina nas aquisi­ções pessoais, mas na possibilidade herdada de funcionamento psíquico em geral, a saber, a estrutura cerebral herdada. Esse conteúdo é for­mado pelas associações mitológicas – aqueles motivos e aquelas imagens que podem brotar de novo em qualquer idade e clima, sem tra­dição histórica nem migração. Dou a esse con­teúdo o nome de inconsciente coletivo." (ibid)

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra – Pós-doc em Filosofia
Membro do Viktor Frankl Institute Vienna
Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.