existenciários essenciais

Para Heidegger o existir humano não constitui algo fixo e imutável, que se limite ao aqui-e-agora do cotidiano, por isso, na essência do existir, Heidegger reconhece, ainda,  como essenciais os existenciários:
O encontrar-se (Befindlichkeit);

O compreender (Verstehen), termo aqui empregado em sentido especial, um pré-entendimento, somente realizável por intermédio de uma hermenêutica;

A linguagem (das Rede), ou seja, a capacidade de falar, princípio ordenador e estruturador da coexistência, estreitamente relacionado aos dois outros.

Heidegger acrescenta o compreender (Verstehen), em oposição à ação do encontro, o encontrar-se, base do aqui-e-agora, primeiro dado factual imediato e irrefutável do estar-no-mundo. O compreender implica um entendimento do mundo, uma hermenêutica, privilégio exclusivo dos humanos, o que lhe traz o dever de assumir o compromisso de revelar todos os demais entes intramundanos, graças à sua linguagem, condição única e privilegiada de animal que tem a fala, o que lhe assegura posição toda peculiar, ôntico-ontológica, frente às possibilidades das demais ontologias.  

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra – Pós-doc em Filosofia
Membro do Viktor Frankl Institute Vienna
Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.