Fenomenologia antropológica

Fenomenologia antropológica é a busca do significado que se acha por trás das experiências subjetivas do enfermo, tais como são vivenciadas e comunicadas, vale dizer, da estrutura antropológIca fundamental oculta na raiz dos citados acontecimentos mórbidos, vindos então à superfície e tornados passíveis de observação e descrição. A primei­ra dessas tentativas se conhece como:

(a) Fenomenologia construtivo-genética de von Gebsattel.

Sua posição metodológica situa-se na interseção das concepções de Husserl e Heidegger. É um fenomenólogo "puro", e seu método con­siste na utilização da visão das essências, Wesenschau, para a apreen­são das relações genéticas interiores, através do plano vivencial imediato, isto é, dos sintomas clínicos, sômato e psicogênicos, plano de que parte à busca de sua unidade ontológica primordial, com o que aspira a penetrar a substância mesma da realidade psíquica do Homem.

(b) Fenomenologia estrutural de E. Minkowski.

Há uma inegável convergência de princí­pios e resultados nas orientações de von Gebsattel e Minkowski, a que chegaram quase simultaneamente, e trabalhando ambos com autonomia, sem interferências mútuas. Minkowski inspirando-se inicial­mente em Bergson, cujo Ensaio sobre os dados imediatos da consciência, repre­sentou importante papel em sua formação, Minkowski aproximou-se, pouco depois, de Scheler, e através deste de Husserl, acercando-se, por fim, de Jaspers, influências estas que irá conservar, e tentar harmonizar, com independência, em sua obra.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra – Pós-doc em Filosofia
Membro do Viktor Frankl Institute Vienna
Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.