‘Folie à deux’ na ‘Daseinsanalyse’

Por princípio, serão inautênticos, pois não há como exercerem o Sorge nem o Liebe. Porém, eles são psicopatas, mas não são tolos, pelo contrário, como não apresentam catatimia – influência da emoção sobre a razão -, o quanto de intelecto que tiverem, seu rendimento será sempre de 100%. Eles distinguem perfeitamente o certo do errado, o verdadeiro do falso. Além disso, são extremamente sedutores e envolventes. Há que se ter muita perspicácia e experiência para escapar-se dessas táticas. O setting, vale dizer, o cenário e a coreografia daseinsanalíticos e sintéticos, que preconizam a arte do encontro fenomenológico, às vezes, chegando a ares místico-religiosos, poderá facilitar a irrupção de uma trágica folie à deux (loucura a dois ou loucura induzida), trazendo riscos à sociedade. Evidentemente, em todas as linhas de trabalho este risco ocorre. No entanto, a nosso ver, o Mitwelt que envolve a vivência do analista poderá mais facilmente ser atacado por um humano com este tipo de inautenticidade.

Cabe dizer, também, de situação igualmente perigosa, em se tratando de pacientes com grande atuação fora do campo transferencial. O analista fenomenólogo puro deve lançar sobre seu cliente um olhar sempre inaugural e "ingênuo", como manda a boa postura husserliana. De modo ateorético, sem qualquer tipo de apriorismo. Ora, aí haveria o risco de lançar-se aos leões toda a boa psicopatologia, também ela, fenomenológica e compreensiva, na confluência de Jaspers com Dilthey.

Um acting out – vale dizer, um conjunto de ações de caráter impulsivo, com marcada auto e hétero-agressividade, não integrado no espaço vivencial da consciência do analisando, tampouco em sua Ipseidade (Self), e denunciando o contato do Ego com poderosos núcleos de recalque -, por ser um fenômeno emergente novo, ao longo da terapia, poderá ser interpretado como um corajoso desvelamento de autenticidade, quando, na verdade, podemos estar diante de um microssurto, ou broto, psicótico de conseqüências imprevisíveis. Assim sendo, uma vez mais, estaria um Sosein, estabelecido e cristalizado, sendo subestimado, e tomado por um Dasein no aqui e agora, fluido e aberto para o devenir.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.