Temporalidade (Zeitlichkeit)

Para Heidegger: Temporalidade (Zeitlichkeit) – surge como existenciário essencial do existir, isto é, a projeção do ser-no-tempo, assim, o homem é ser-para-a-morte (sein zum Tode); o homem se encontra, vem a si, é si-mesmo, na medida em que se temporaliza, ou seja, em que, movido pela angústia e cônscio de sua finitude, situa-se com lucidez e lealdade, no tempo finito do existir humano, entre as fronteiras extremas do nascimento e da morte, para além das quais estende-se o silêncio e projeta-se a sombra do nada; não é o tempo, contudo, mera sucessão digital de presentes interligados, mas, uma estrutura dinâmica e analógica, unificada e homogênea, em permanente fluir. Por isso, na existência autêntica, o homem se temporaliza a si mesmo, como um constante antecipar-se. Não sendo apenas natureza, e sim, consciência e liberdade, o homem projeta no futuro as suas possibilidades existenciais, avançando assim em direção a um porvir, onde sabe que se encontrará, finalmente, a sós consigo mesmo, solitário e único, diante do nada – o nada, de onde provém e para onde vai;

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra – Pós-doc em Filosofia
Membro do Viktor Frankl Institute Vienna
Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.