complementar

Suprimento de necessidades ou ca­rências mútuas; o termo é usado mais freqüen­temente em referência a um tipo de relaciona­mento na família, ou entre marido e mulher. "Numa relação complementar, o comportamen­to de um tipo por um dos cônjuges – como, por exemplo, o de dominação – encontra o comportamento de um outro tipo – no caso, o de submissão – por parte do outro cônjuge. Numa relação simétrica, ambos os parceiros manifestam a mesma espécie de comportamen­to – ambos são transigentes ou ambos prepo­tentes, por exemplo. Nos USA, atual­mente, o marido freqüentemente tem de lidar com uma esposa que exige um relacionamento simétrico, por um lado, e insiste em ser tratada como igual mas, ao mesmo tempo, exige que seu marido a domine numa relação complemen­tar. Tal incompatibilidade de mensagens consti­tui a comunicação paradoxal, ou o que foi designado por G. Bateson, D. Jackson e seus colaboradores como um 'duplo vínculo'." complementaridade

Estado de harmonia ou equi­líbrio entre as necessidades emocionais dos membros interatuantes de um grupo, ou o grau em que tal equilíbrio foi realizado. N. V. Acker­man descreve uma minus form de complementarida­de nas relações de papéis de família que está limitada à neutralização dos efeitos desintegra­dores de conflito e ansiedade. A plus form, além dessa neutralização, promove um maior cres­cimento e desenvolvimento criativo na unida­de familiar e em cada membro dessa unidade.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.