controle

Em psicopatologia clínica, controle refere-se geralmente à limitação consciente de impulsos, desejos, tendências etc., isto é, à supressão de instintos, emoções e afetos.

Em psicopatologia experimental, o controle refe­re-se à regulação de todas as variáveis conheci­das na situação experimental, exceto a variável que está sob investigação. Trata-se, pois, da ten­tativa de assegurar que, sejam quais forem os efeitos produzidos, estes serão uma função da variável experimental e não se devem a quais­quer fatores estranhos. Ao se avaliar o valor de uma determinada droga no tratamento da de­pressão, por exemplo, pode ser formado um "grupo de controle" por pacientes equiparados em idade, condições clínicas e condições de tra­tamento aos pacientes de um "grupo experi­mental", com a única diferença de que o grupo de controle não recebe a droga, ao passo que o grupo experimental a recebe. Num experimento desse tipo, pode ser usado um placebo no lugar da droga sob investigação, para imitar mais fielmente todos os fatores estranhos que poderiam influenciar a resposta do grupo expe­rimental à droga experimental.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra – Pós-doc em Filosofia
Membro do Viktor Frankl Institute Vienna
Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.