fantasia forçada

Uma técnica criada por Ferenczi, baseada em sua descoberta de que existe um tipo de pessoa que, "tanto na análise como na vida, é particularmente pobre em fantasias, quando não é, realmente, desprovido delas, e em quem as experiências mais impressionantes não deixam qualquer vestígio evidente". Tais pessoas podem reproduzir experiências, mas fazem-no de um modo inteiramente despido de afetos ou emoções adequadas ou significativas. Ferenczi defendia a inclusão forçada de um afeto nas recordações, quer solicitando ao pa­ciente que imaginasse ou elaborasse algo a respeito de suas recordações, quer dizendo-lhe o que ele deveria ter sentido e fantasiado.

Ferenczi acreditava que as fantasias só devem ser forçadas no final da psicanálise. Além disso, acreditava existirem principalmente três tópicos que se prestam às fantasias forçadas. São eles: (1) as fantasias positivas e negativas da trans­ferência, (2) as fantasias referentes à infância, e (3) as fantasias onanísticas.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.