fantasia

Um produto da imaginação que con­siste num grupo de símbolos sintetizados numa história unificada pelo processo secundário. A fantasia pode originar-se de conflitos resultan­tes de desejos instintivos insatisfeitos ou resul­tantes de frustração na realidade externa; pode ser um substitutivo da ação ou pode preparar o caminho para a ação subseqüente; pode per­mitir a satisfação de impulsos do id, servir ao ego como defesa ou coadjuvar as funções do superego ao fornecer as imagens em que se baseiam, por exemplo, os conceitos morais. "As fantasias podem ser conscientes ou inconscien­tes. Em ambos os casos, são manifestações das funções do ego. Creio que falar de 'fantasias do id' ou de 'repressão de fantasias no id' é um erro teórico. A formulação mais correta é que as fantasias inconscientes indicam uma função inconsciente do ego. Elas derivam, é claro, dos impulsos do id, e o poder motivador ou a fan­tasia inconsciente recebe sua energia das pul­sões do id."

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley

Comments are closed.