A noção de foco em psicoterapia breve

Entendemos que cada vez mais por fatores econômico-sociais, além da questão do 'tempo' a ser investido numa psicoterapia, vem crescendo a necessidade de podermos contar com profissionais capacitados para prestarem ajuda àqueles que sofrem, de uma maneira mais circunscrita e objetiva. Daí deriva a inclusão da psicoterapia focal de orientação psicanalítica. Trata-se de um dos principais elementos, senão o mais importante, da psicoterapia breve sobre o qual passaremos a discorrer.

Encontramos essa citação em vários autores como por exemplo: Malan, Bellak, Small, Stekel e F. Deutsch, os quais assinalam a importância de focalizar, ou seja, de concentrar a tarefa terapêutica em determinado sintoma, temática ou setor da psicopatologia do paciente. Devemos fazer justiça e atribuir a terminologia de foco aos autores Malan e Balint, os quais deram a devida relevância à terapia focal. Citaremos também Héctor Fiorini, a quem devemos o desenvolvimento de um modelo conceitual de foco.

Retomando o que foi citado em nosso outro artigo sobre Psicoterapia breve, o terapeuta pode circunscrever-se a uma abordagem interpretativa setorial.

Queremos ressaltar que numa terapia focal, existe uma contraposição ao desenvolvimento da neurose de transferência, fenômeno que num tratamento psicanalítico tradicional seria amplamente desejável a sua ocorrência, como uma modalidade intermediária entre a neurose e a sua cura.

É muito difícil ser encontrado um consenso sobre a definição de foco. Malan coloca o foco como sendo "a interpretação essencial sobre a qual se funda toda a psicoterapia". Encontramos em H. Fiorini: "Sem um esforço de precisão e delimitação rigoroso de seus conceitos básicos não é possível construir uma teoria com certo grau de verificabilidade".

Entendemos que o foco deve ser estruturado como uma perspectiva que se verifica a partir de uma perspectiva psicopatológica. Segundo E.A. Braier: "trata-se de uma situação que se torna presente na vida do sujeito, diante da qual e por motivo de cuja ação descompensadora surgem ou podem surgir nele dificuldades de índole psíquica que operam como obstáculo para alcançar um desenvolvimento adequado".

Estaríamos então diante de uma situação-problema, situação-crítica, situação-obstáculo, situação-desencadeante, etc., as quais podem ser representadas por situações da vida do sujeito como um exame, uma cirurgia pré-agendada(eletiva), a perda de um parente querido, uma crise evolutiva como a adolescência, etc. Tratamos então de fatos que são manifestos e objetiváveis. A presença destes podem levar o paciente a inibições, bem como a uma diversa sintomatologia (ansiedade, medo, depressão, distúrbios corporais,etc.).

Segundo o modelo teórico proposto por Fiorini, onde na prática terapêutica: todo o foco tem um eixo central, que geralmente é definido como sendo o motivo da consulta. Ainda segundo esse autor, subjacente e ligado ao motivo da consulta, existe um conflito nuclear exacerbado, o qual se insere em uma situação grupal específica. Dessa forma, podemos entender que: motivo da consulta+conflito nuclear subjacente+situação grupal são aspectos de uma situação que condensa um conjunto de determinações. Através de uma análise criteriosa, estaremos aptos a identificar a existência de zonas com diversos componentes: aspectos caracterológicos do paciente, aspectos histórico-genéticos individuais e grupais reativados, além de uma zona relativa ao 'momento evolutivo' individual e grupal e outra de determinantes do contexto social mais amplo à qual também se vinculam todos os componentes citados.

Ainda citando Braier: "O foco, organizado sempre em torno de uma situação-problema, bem como dos sintomas correlatos, compreende em sua formulação uma conflitiva subjacente mais ou menos ampla e complexa, que podemos chamar de conflitiva focal, com um conflito infantil e primário, edípico ou pré-edípico ao qual se remete tal conflitiva e que vem a constituir o nó da estrutura focal".

Gostaria, como uma consideração final a este trabalho, de tecer uma consideração de ordem pessoal. Falo aqui da posição de psicanalista com vinte e seis anos de experiência clínica. Enquanto escrevia esses dois trabalhos sobre a psicoterapia breve, fui automaticamene me colocando na posição hipotética do analista que conduziria um processo deste tipo e, devo confessar que essa hipótese foi propiciadora de uma certa angústia de minha parte, tendo eu mesmo me questionado quanto à minha possibilidade de realizar um trabalho dessa natureza. Entendo que a maioria de nós que optou pela psicanálise, estamos acostumados a receber nossos pacientes com suas queixas manifestas, mas frente às quais nos colocamos a priori dentro de um relativo 'conforto' de podermos trabalhar sem tempo previamente determinado. Entendemos, é claro que quando alguém nos procura em decorrência de uma situação de luto, por exemplo, essa será a temática exclusiva ou pelo menos prioritarimente tratada na análise até que possa ocorrer a elaboração do mesmo. Freud já nos chamava a atenção, numa metáfora a meu ver muito bem construída, de que em situações agudas, isso funcionaria como uma grande pedra que obstaculizaria o livre fluxo de água, uma espécie de estreitamento que deverá ser removido para que seja restabelecido o fluxo associativo natural. Assim, para alguém que se encontre sofrendo muito em virtude de um luto recente, de nada adiantará lhe perguntarmos como foi sua infância, uma vez que nos defrontaremos com um desinteresse egóico essencial diante das coisas que não têm a ver com a sua dor. Entendo também que, por via de conseqüência, muitas vezes numa psicanálise tradicional, acabamos até trabalhando de forma focal, mas ressalto que de forma marginal, e não como um objetivo técnico precípuo. Repetimos que numa psicanálise, temos como objetivo técnico o desenvolvimento da neurose de transferência, o que não ocorre numa abordagem em psicoterapia breve. Em suma, entendo que não é qualquer analista que pode desenvolver um trabalho dessa espécie, resultando na necessecidade de todo um preparo teórico-técnico, além de que presumo que também uma experiência pessoal, na condição de paciente numa abordagem desse tipo de psicoterapia, podendo assim obter uma capacitação para o desenvolvimento da mesma.

Citando um pensamento de Ronald Laing: "Quem quer ser tudo prá todos, acaba por não ser nada para si próprio".

Bibliografia

"Psicoterapia Breve de Orientação Psicanalítica" – Eduardo Alberto Braier === Ed. Martins Fontes
(info@martinsfontes.com).

About TOVAR TOMASELLI

SUPERVISOR CLÍNICO E CONDUTOR DE GRUPOS DE ESTUDO SOBRE PSICANÁLISE, ESPECIALMENTE SOBRE AS OBRAS DE FREUD E LACAN.
Comments are closed.