Uma sistematização da prática do terapeuta analítico-comportamental: subsídios para a formação

Autora: Ana Lúcia Alcântara de Oliveira Ulian

Resumo

A análise funcional tem sido considerada o instrumento básico do analista de comportamento. Entretanto, a literatura denuncia a escassez de pesquisas sobre o processo de desenvolver e usar a análise funcional em clínica dificultando a tarefa dos supervisores de estágio ao ensinar seus alunos a se tornarem terapeutas, justamente por não terem disponíveis os métodos que eles usam e como determinam em que ordem usá-los. Com o objetivo de preencher essa lacuna foi feito um levantamento dos relatos de casos publicados pelos terapeutas analítico- comportamentais para identificar o que fazem quando atendem seus clientes. Parece que o consenso entre eles é que sua atividade básica é a análise funcional, embora haja muitas controvérsias sobre tal termo, que é discutido neste trabalho concluindo- se por sua substituição pelo termo análise de contingências. Com base no levantamento feito, elaborou-se um programa de ensino dessa prática, do qual participaram oito estagiários que foram treinados a elaborar análises de contingências. O programa foi constituído de três módulos: revisão de princípios básicos do Behaviorismo Radical, elaboração de análises por escrito de casos relatados na literatura, de acordo com critérios elaborados por Sturmey (1996) e análise de pelo menos um caso atendido pelo terapeuta estagiário que foi gravado em vídeo e assistido pela supervisora e pelos colegas. Os procedimentos utilizados foram modelagem (reforçamento diferencial logo após a elaboração das análises por escrito e das sessões de atendimento) e modelação (observação das sessões de atendimentos dos colegas e da supervisora, observação do próprio comportamento de atender o cliente pela fita de vídeo e vivência da própria análise do seu comportamento de analista durante as sessões de supervisão). Os resultados demonstraram a eficácia do programa pela diferença significativa das notas dadas às análises por escrito antes e depois do treino. Para avaliar a efetividade do programa, as sessões de quatro dos oito participantes foram novamente observadas e as ações ao vivo durante o processo da análise de contingências puderam ser categorizadas. Foi possível definir treze categorias de falas dos terapeutas e analisar as porcentagens de freqüências delas, descrevendo os comportamentos dos terapeutas quando atendiam seus clientes, culminando numa proposta de sistematização da tarefa do terapeuta analítico- comportamental, que poderá ser usada como um dos critérios orientadores para a formação desse profissional.

Palavras-chave: Análise funcional. Análise de contingências. Supervisão clínica. Formação do psicólogo. Terapia comportamental.

About RedePsi

Portal de Psicologia com Notícias, Artigos, Links e Serviços de Divulgação de Cursos, Eventos e Produtos da Área.
Comments are closed.