Real x Realidade

Quando eu era adolescente tive uma grave crise de identida. Eu duvidei de minha própria existência e do mundo em minha volta. Depois de passar por ela, e lendo Descartes na minha maturidade, cheguei à algumas conclusões interessantes que podem ajudar vocês.

Rene Descartes, famoso matemático e filósofo francês, viveu no período de abandono do modelo terracentrico (O sol gira em torno da terra) para o adotar do modelo heliocentrico (A terra gira em torno do sol). A Terra deixava de ser o centro do Universo e passava a ser mais um dos planetas em um gigantesco Universo. O Homem, de centro da criação, passava a ser uma poeira na imensidão cósmica.

A mudança de paradigma abalou os pilares da sociedade da época; levando o nosso amigo Rene, e o mundo ocidental, a maior crise de identidade da história. Era necessário descobrir o que era REAL e o que era ILUSÀO para depois re-construir a filosofia e a teologia que ruira estrondozamento perante as verdade levantadas por Galileu, Newton e Copérnico.

Duvidando da própria existência e do mundo em sua vida, Descartes se perguntava o que realmente existia. Em sua procura, o mesmo formulou a seguinte estrutura:
    
1) Eu penso sobre o objeto à minha frente.
    
2) O objeto e eu somos duas coisas diferentes; pois desaparecido o objeto, continu eu a pensar.
    
3) Ora, se existe alguém que pensa sobre um objeto é por que esse alguém existe; já que só alguém que existe é capaz de pensar.
    
4) Se existe um objeto e alguém que pensa sobre esse objeto; bem como esse alguém que pensa é diferente do objeto que é pensado; então existe o pensador e o objeto.
    
5) Assim, se PENSO, logo EXISTO.

Por esse processo, chegou Descartes a conclusão de sua própria existência e da existência das coisas a sua volta. Eu diria que o seu racicínio fora brilhante; no entanto, faço uma ressalva: Realmente Descartes tinha razão: Se existe um PENSADOR e um OBJETO sobre o qual esse pensador se debruça e PENSA, é por que tanto PENSADOR como OBJETO existem; no entanto, será que PENSADOR e OBJETO existem COMO SÃO PERSADOS. Eu vou explicar.

Quando criança, entrei muito rápido no meu quarto. Ao olhar para a janela, tive um susto. Vi alguém me olhando. Ao verificar melhor, percebi que ninguém estava alí. Era a minha prórpia roupa pendurada na janela, que no relance, me parecera alguém. Creio que isso já ocorreu com todos nós: Uma impressão cuja a realidade mostra diverso do percebido no primeiro instante. O piior é que o susto que eu tomei fora equivalente ao de ter percebido a ilusão como se real fosse. Isso por que, nós, seres humanos, não nos relacionamos com o MUNDO CONCRETO, mas com a REALIDADE criada em nossas mentes; que, na maior parte das vezes, difere do REAL CONCRETO do mundo exterior.

Antes de explicar; no entanto; faz-se necessário uma CONVENÇÃO. Gostaria de convencionar que a palavra CONCRETO, nesse artigo, irá significar a parte do REAL que existe fora da mente humana e que concerne aos objetos concretos; e REAL será TUDO O QUE EXISTE, seja ele CONCRETO ou ABSTRATO.
           
Isso convencionado; imaginemos agora um objeto concreto; de existência externa ao Homem; e um homem observando esse objeto.

Ao observar um objeto concreto, a mente, através dos sentidos, capta a imagem e as sensações obtidas por esse objeto, formando uma imagem desse objeto.
 
Em um segundo momento; a mesma mente adiciona idéias de valor à essa imagem; formando um modelo tridimensional sinestésico desse objeto, acrescido de idéia de valor, dentro da mente, que chamaremos de MODELO MENTAL.

Dessa feita, agora imaginemos essa processo se repetindo várias vezes; pois é o que acontece conosco no dia à dia, quando observamos o mundo à nossa volta.

Assim, no decorrer de nossas vidas, formamos vários modelos dos objetos em nossa volta. A SOMA de todos os modelos mentais dque formamos durante a nossa vida chamamos de REALIDADE.
           
A REALIDADE é o conjunto de todos os modelos tridimensionais sinestésicos (Com todas as sensações dos sentidos agrupados nele); acrescidos com os valores advindos do grupo cultural em que o indivíduo está inserido.
           
Note que, o Homem não se relaciona com o CONCRETO; mas com a sua própria REALIDADE. Fisicamente, por exemplo, uma cruz são dois pedaços de paus colocados em forma de "t"; no entanto, o modelo sinestésica desses dois pedaços de pau, acrescidos de valores advindos da cristandade, dão um outro significado a esses mesmos pedaços de pau; formando uma nova REALIDADE. Assim, o homem, se relaciona com a sua própria REALIDADE; criada por ele mesmo, e não com o CONCRETO; inserindo novos elemento no REAL.
           
Além de se relacionar com a sua própria REALIDADE, no lugar de se relacionar com o CONCRETO; o Homem povoa essa mesma REALIDADE não só com modelos mentais vindos de suas observações de objetos CONCRETOS; mas também de modelos criados a partir de seu imaginário, que, tomam forma e força, passando a ter existência na REALIDADE humana, existem nessa mesma REALIDADE com força identica do que os modelos formados que tiveram origem na apreensão de objetos advindos do concreto. Nessa categoria estão instituições como a DEMOCRACIA; que, apesar de não ter origem no concreto, faz parte da REALIDADE humana; tendo tanta força como os modelos vindos do concreto. Dessa feita; as instituições, e todas as outras coisas que não existem no concreto, através do Homem; se corporificando em sua REALIDADE, passam a ter existência REAL.
           
Agora vale a pena uma pausa para entendimento. Uma ILUSÃO é REAL; pois uma ILUSÃO EXISTE. Ela existe não como OBJETO CONCRETO; mas como ILUSÃO. Assim, uma ILUSÃO é REAL enquanto ILUSÃO; na CATEGORIA de ILUSÃO. O mesmo se dá com as INSTITUIÇÕES, que são REAIS na categoria de INSTITUIÇÕES.
           
Entendido tudo isso; entende-se que toda a REALIDADE faz parte do REAL; mas nem tudo que é REAL faz parte da REALIDADE; pois a REALIDADE é HUMANA; depende do homem; sendo que, o REAL transcendente ao HUMANO. Contém toda a nossa REALIDADE mais tudo o que e REAL que não faz parte dela.

Vale a pena destacar que, apesar de vindo do REAL CONCRETO, a REALIDADE criada depende dos grupos culturais onde o observador está inserido; havendo uma "REALIDADE MÉDIA" entre indivíduos do mesmo grupo espaço-tempo-cultural; podendo-se dizer que eles dividem uma MESMA REALIDADE, que é a "REALIDADE MÉDIA"; sendo "taxado" de "maluco" aqueles que não compartilham dessa realidade ou tem uma realidade que transcende ao do grupo onde está inserido.
           
Todas essas coisas colocadas; entendamos que o Homem não se relaciona com o REAL CONCRETO, mas com a REALIDADE criada em sua mente; e que a maior parte dos homens não conseguem distinguir a origem dos MODELOS MENTAIS com os quais se relaciona; confundindo as suas categorias. Ao tornar REAL a sua REALIDADE, passa a tomar decisões equivocadas gerando a confusão em que vivemos hoje. Assim, seria salutar que a humanidade passasse por uma grande crise de identidade para colocar essas coisas no lugar.

Comments are closed.