(1 de 3) Aprendizagem de Habilidades Salutares em Artes Marciais

Neste artigo, dividido em 3 partes, falarei sobre como a prática de Artes Marciais determina o aprendizado de habilidades salutares, tais como disciplina, autocontrole e assertividade.
A parte 1 oferece uma breve análise funcional da prática, enfocando as motivações possíveis dos alunos.

A parte 2 do artigo será sobre o aprendizado de dedicação e persistência simbolizado no sistema de graduação e faixas (que representado o estado de desnvolvimento do aluno).

A parte 3 concluirá abordando as competências comportamentais específicas, tais como assertividade e disciplina.

O objetivo deste artigo em 3 partes é responder a questão “Quais os benefícios da aprendizagem de uma Arte Marcial para o aluno?”

Comumente a prática de Artes Marciais está associada a conceitos como agressividade, violência e competição. Um dos objetivos deste artigo é demonstrar como se bem ensinadas as Artes Marciais funcionam como promotoras de saúde e bem-estar, trabalhando questões como agressividade e sentimentos como medo e insegurança através da aprendizagem de habilidades como o autocontrole, a aquisição de disciplina e assertividade.

Conhecimento Antigo Adaptado

A prática do que chamarei neste artigo genericamente de “Artes Marciais” tem sua origem histórica no período Antigo da Ásia, ligada a necessidades como preparar milícias ou mesmo disciplina espiritual. Trata-se de um conjunto de múltiplas habilidades muito distintas entre si, compreendendo desde o o Pa-Kua (originário da China), os diversos estilos de Karatê (Japão), os diversos estilos de Kung-Fu (China), o Muay-Thay (Tailândia), o Tae-Kwon-Dô (Coréia), etc. OBS: Vale destacar que há certas exceções modernas a orientalidade, como o Krav-Magah israelense e a Capoeira brasileira.

Esses diversos conhecimentos chegaram às sociedades industriais do Ocidente Moderno não sem alguma adaptação. O estudo puramente familiar e oral deu lugar a academias, ligas, campeonatos e demais aparelhos de comercialização. Da síntese da tradição antiga e das inovações modernas surge as atuais artes marciais tais como conhecemos.

Uma Breve Análise Funcional

A prática de Artes Marciais usualmente ocorre em ambientes especializado (tatames, dojôs, campos abertos, etc) e mediada por praticantes experientes (instrutores, monitores e mestres).

A freqüência dos treinos é de em média 2 ou 3 vezes por semana, sendo cada sessão em geral de 1 hora. As sessões de treino consistem, do ponto de vista físico, em aquecimentos, alongamentos e técnicas propriamente ditas de golpes, defesas, esquivas, etc.


Motivação: "Por que você pratica?"

Em sua maioria os praticantes de artes marciais começam na infância ou juventude. O senso de pertença social e a necessidade de encontrar modelos em termos de comportamento, na figura dos instrutores e mestres, explicam boa parte da motivação dessa grande parcela de praticantes.

Sendo a maioria dos artistas marciais do sexo masculino podemos podemos associar a prática ao incentivo que homens recebem desde cedo a expressar a agressividade e a necessidade de trabalhar a mesma.

Um outro grupo de reforçadores da prática de Artes Marciais está na busca de aprimoramento pessoal. Estão abarcados aí praticantes em geral de mais idade, interessados em obter saúde e vigor, aprender disciplina e outras habilidades como concentração. Inclui-se nesse grupo também os que obtém satisfação aumentando seu status, fama, reconhecimento social.

A lista de possíveis motivações não poderia estar completa sem falar da identificação do aluno para com a arte marcial em questão e a influência da mídia na divulgação de algumas modalidades sobre outras, o que costuma gerar modismos.

Comments are closed.