Orientações práticas para o facilitador de dinâmicas de Grupo

Introdução ao roteiro

As dinâmicas de grupo embora não sejam ferramentas únicas e exclusivas do profissional da psicologia, são com freqüência utilizadas por eles, seja em recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, clinica, educação, esporte ou afins. Muitas pessoas discorrem sobre a teoria das dinâmicas de grupo, outras discorrem apenas ao repasse de dinâmicas (As famosas dinâmicas "batidas" que rodaram a internet toda), porém poucos sobre a prática orientada.

 

Nesta coluna, tentei organizar alguns cuidados, observações e orientações práticas direcionadas ao profissional dito como "Facilitador" de grupos. Porém, frente a ineficácia de uma possível neutralidade, este "resumo" está enviesado pela minha prática: Seleção e Treinamento de Pessoal em Organizações do Trabalho.

 

Variáveis do facilitador que impactam na observação, aplicação e análise dos resultados em dinâmica de grupo

 

  • Referencial teórico do facilitador (psicólogo ou não);
  • Repertório comportamental (o quanto deixa-se influenciar pelos sentimentos, se faz algum tipo de preferencialismo, conduta ética, empática, extroversão, introversão, ou seja, conjunto de padrões comportamentais presentes no facilitador que terão diferentes conseqüências nos processos de dinâmicas e em seus membros);
  • Disposição de Tempo e recursos;
  • Tempo de Experiência;
  • Dedicação a leitura temática;
  • Variação Comportamental (Criatividade);
  • Etc.

 

Etapas de uma dinâmica

 

    1. Planejamento do Ambiente da dinâmica conforme necessidades do facilitador e objetivos das avaliações;
    2. Rapport (Singelamente definido como "interação verbal" do facilitador para com sujeitos a serem avaliados no time entre a chegada deles x start da avaliação) e alocação dos sujeitos no ambiente da dinâmica;
    3. Apresentação da Empresa e / ou Objetivos daquela avaliação;
    4. Dinâmica de Quebra – Gelo ou Aquecimento;
    5. Dinâmica de Apresentação;
    6. Dinâmica de Avaliação de Competências;
    7. Dinâmica de Fechamento;
    8. Feedback;

 

Planejamento, Rapport e Apresentação de Objetivos

 
Sem o adequado preparo do ambiente em que os sujeitos serão submetidos a testagem, o facilitador corre o risco de estar conduzindo atividades desconexas em termos de variáveis funcionais que possam estar controlando o comportamento dos sujeitos em observação. Preparar o ambiente engloba: check list de estimulação visual, auditiva, olfativa, física, mista necessária ou desnecessária presente no ambiente, organização do material da dinâmica, quantidade de cadeiras, coffee breack, etc.

Já o Rapport e Apresentação da empresa, condições de trabalho, objetivos da dinâmica estão muito além do que simples cortesia. Elas fazem parte de importantes características do facilitador: repertório de empatia, repertório de respeito ao outro, respeito a sua prática profissional, respeito a diversidade comportamental, etc.

 

Dinâmicas de Quebra Gelo ou Aquecimento

Compreendem atividades ou dinâmicas que objetivem, facilitem e/ou propiciem a baixa das defesas psicológicas, ansiedade, ou ainda, que de alguma forma, "aqueça" um determinado grupo de pessoas a entrarem em dinâmicas de avaliação comportamental com maior naturalidade, desenvoltura e performance acerca de si mesmos ou seja, partem da premissa que estando o sujeito com defesas e ansiedade controlada, eleva-se a probabilidade de que este emita comportamentos conscientes / inconscientes com maior fidedignidade, podendo o facilitador analisar com maior propriedade as situações em dinâmicas que possam ser análogas ao dia – a – dia do avaliado.

 

Exemplo de dinâmica Quebra – Gelo:

 
Título: Gincana dos Cadeados

Fonte: Desconhecida

Tipo de Dinâmica: Aquecimento / Quebra – gelo

Material: 1 Cadeado com sua respectiva chave por participante.

Competências e Aspectos Avaliados: Repertórios de agressividade, dinamismo, agilidade, energia, observação de si e do outro, seguimento de regras, etc.

Aplicação: O Facilitador coloca em uma mesa os cadeados fechados e em outro canto da sala as chaves que abrem os cadeados. A atividade tem início com todos sentados, quando o facilitador der o sinal, cada um tem que correr, pegar o seu cadeado e sua chave e tentar abrir. Quem conseguir abrir o seu cadeado senta e aguarda o término da dinâmica. O objetivo é que tentem não ficar por ultimo.

Comportamentos à serem observados para realização do fechamento: agressividade para com os outros quando estamos em busca de nossas realizações, que é possível alcançá-las sem passar por cima dos outros, o quanto seguiram as regras de não agarrar, empurrar, auto – observação, percepção de si e dos outros, etc.

Considerações gerais: Toda dinâmica está a mercês de contato físico. Esta é uma que propicia em grande probabilidade o contato entre os participantes. Além de quebrar o gelo, minimizar comportamentos e mecanismos de defesa, ela serve para observação de postura, de agressividade, de extroversão, etc.

 

Dinâmicas de Apresentação

Compreendem atividades ou dinâmicas que objetivem, facilitem e/ou propiciem a apresentação dos sujeitos imersos em atividades em equipe. É natural que as dinâmicas de grupo evidenciem e/ou inibam determinadas pessoas e comportamentos mais do que outras, neste sentido, uma dinâmica de apresentação dá a cada sujeito a oportunidade de falar de si mesmo, de expor verbalmente e gestualmente seus pontos fortes, pontos à melhorar, características pessoais de sua personalidade, etc.

 
Exemplo de dinâmica de Apresentação:

 
Título: Apresentando o Outro

Fonte: Desconhecido

Tipo de Dinâmica: Apresentação

Material: Nenhum

Competências e Aspectos Avaliados: Repertório de Comunicação, memória, síntese, clareza, objetividade, etc.

Aplicação: O Facilitador divide as pessoas em duplas e dá a elas cerca de 10 minutos pedindo para que apresente-se umas as outras, divulgando suas experiências, suas qualidades, seus comportamentos a melhorar, seus cursos, idade, local de moradia e demais dados que o facilitador julgar necessário em ambiente de apresentação. Depois, cada um apresenta o seu colega para o facilitador.

Considerações gerais: Apresentar o outro remete a necessidade de saber ouvir, de empatizar-se pelo próximo, memorizar, analisar e sintetizar informações, o que torna esta atividade rica a avaliação não apenas de apresentação, mas de performance. O requisitante da vaga e / ou o facilitador podem interromper o candidato com perguntas conforme dúvidas de temas não esclarecidos ou ocultados na apresentação.

 

Dinâmicas de Avaliação de Competências

 
Compreende em atividades ou dinâmicas que objetivem, facilitem e/ou propiciem a observação dirigida de competências (Repertórios comportamentais), ou seja, compreendem a gama de atividades planejadas previamente pelo facilitador na tentativa assertiva de coletar informações concretas e observáveis acerca das características comportamentais topográficas e / ou funcionais ditas e compreendidas como "competência". É o caso: Liderança, Iniciativa, Motivação, Agressividade, Trabalho em equipe, Persuasão, Criatividade, Controle Emocional, Flexibilidade, Planejamento, Raciocínio Lógico, Abstrato, Espacial, Numérico, Verbal, etc.

Exemplo de dinâmica de Apresentação:

 

Título: Que país é este?

Fonte: Desconhecido

Tipo de Dinâmica: Avaliação de competências

Material: 1 Texto com o problema para cada grupo.

Competências e Aspectos Avaliados: Repertório de criatividade, Trabalho em Equipe, Liderança, Dinamismo, Agressividade, flexibilidade, Iniciativa, Comunicação, Persuasão, administração do tempo, raciocínio lógico, empatia, gestão de conflitos, etc.

Aplicação: O Facilitador divide o grupo em sub-grupos, dá 1 cópia do problema para cada equipe, e estes terão 10 minutos para advinhar o nome deste país.

Comportamentos à serem Observados para realização do fechamento: Após ouvir como foi a realização da tarefa para eles, discutir e pontuar os comportamentos observados sem citar nomes ou expor sujeitos específicos, parafrasear relatos obtidos, dismistificar comportamentos cristalizados, valorizar espírito competitivo mesmo que nem todos os grupos saiam vencedores, observar meios que utilizaram para chegar no final da tarefa, etc.

Problema:

A letra L está oposta ao N e também está à esquerda do E e à direita do A. A letra N está entre o H e o A.

A letra M é oposta ao A e também está entre o E e o ª Se forem colocadas as letras nos lugares indicados, encontraremos o nome de uma grande potência. Que país é este?

 
Resposta do Problema:

Alemanha

 

Dinâmica de Fechamento

 
Compreende em atividades ou dinâmicas que objetivem, facilitem e/ou propiciem o fechamento de gestalt, de possíveis demandas clínicas que não desrespeitam ser tratadas pelo psicólogo organizacional em posição de recrutamento e seleção (frustração, complexo de inferioridade, personalidades de risco, etc). As atividades de fechamento promovem através de lições de moral, sensibilizações, reflexões, e afins um reforço à estrutura psíquica e comportamental do sujeito ao saírem de uma bateria de testagem cuja finalidade aproxima-se da seleção natural, cuja possibilidade obscura é a rejeição, a reprovação, ela prepara o sujeito para utilizar estas possibilidades ao seu favor e desenvolvimento.

 
Exemplo de dinâmica de Fechamento:

 

Título: Fábula do Monge

Fonte: http://recolocacaoprofissional.blogspot.com/

Tipo de Dinâmica: Fechamento

Material: História do Monge

Competências e Aspectos Avaliados: Esquemas cognitivos, reflexões sobre valores, moral, religiosidade, diferenças, etc.

Aplicação: O Facilitador acomoda as pessoas sentadas em círculo e lê a história do Monge.

Considerações gerais: Esta é uma Dinâmica utilizada para o fechamento de atividades em grupo, ou seja, atividade cujo objetivo é o levantamento de lições de moral, pontos positivos da equipe naquele dia, naquele grupo, auto – reflexão, fechamento de gestalt, fechamento de possíveis sentimentos pejorativos, bem como: inferioridade, desmotivação, etc.

História:

Na Suíça, há um cemitério exclusivo para enterrar pessoas que não são naturalizadas no país, ou seja, todo e qualquer estrangeiro que venha a falecer no país. Um dia, um Suíço cristão foi visitar um parente e levou uma belo arranjo de flores ao túmulo de seu ente querido. Ao olhar para o lado, um oriental estava organizando no túmulo de sua falecida esposa um prato de arroz branco, de maçãs caramelizadas, incenso, velas, cartas e alguns doces.

O Cristão pensou, lá está uma ótima oportunidade de levar Deus ao coração deste pobre homem. Se aproximou do oriental e disse: "Meu amigo, que horas você acha que este falecido vai levantar e comer estas coisas?". O Oriental respirou fundo e com voz apaziguada respondeu: "Meu caro, este falecido levantará para comer estas coisas no mesmo dia em que o seu parente falecido levantar para sentir o perfume do arranjo de flores que você trouxe."

Moral da Fábula: Em diversos momentos nos pegamos invadindo o espaço dos outros, exigindo que sua cultura, que suas condutas sejam iguais as nossas…mas as pessoas são diferentes, não somos donos da verdade absoluta! Respeitá-las é sinônimo de recolher nossos pré – conceitos e olhar mais vezes para nosso próprio comportamento antes de julgá-las.

Comportamentos à serem Observados para realização do fechamento: Expressões faciais, comentários do grupo à respeito do texto, comportamento verbal, etc.

 
Feedback e Conclusão

É uma pena que o Feedback esteja cada vez menos presente na rotina dos psicólogos de recrutamento e seleção e mais presentes em profissionais de treinamento e avaliação de performance. Esta ferramenta também não exclusiva aos psicólogos que tem grande efeito antecedente na evocação de comportamentos alvos a serem melhorados, a exemplos de: desenvolvimento assertivo e controle de agressividade, observação e controle de ansiedade, etc.

Fiz questão de deixar o feedback como parte do script de dinâmica de grupo, e friso que é possível de ser realizada, nem que seja de forma generalista sem citações ou exposições de candidatos no final da dinâmica de avaliação de competências antes da dinâmica do fechamento.

Fica a critério de cada facilitador e sua realidade a estruturação, adesão ou modelagem destas etapas, bem como a escolha e criação de novas dinâmicas de grupos, pois as citadas neste artigo tem o mero objetivo de ilustrar o raciocínio do colunista e incentivar o do leitor.

 
Indicação de Sites e Leitura

 
www.rh.com.br

www.administradores.com.br

www.formador.com.br/

www.cdof.com.br

www.umtoquedemotivacao.com/

www.estantevirtual.com.br/

www.casadopsicologo.com.br

www.scielo.br

www.cdof.com.br/

www.traca.com.br/

http://videosparaensino.blogspot.com

http://dicionarioderh.blogspot.com.br

http://recolocacaoprofissional.blogspot.com

About Eduardo Alencar

Psicólogo comportamental do Cais/USP (2009), pós graduado em Psicologia Comportamental e cognitiva pela USP, com formação técnica em administração de empresas, extensão universitária em OBM e em Acompanhamento Terapêutico pelo Núcleo Paradigma, especializ

Comments are closed.