Logoterapia: estratégias diretivas

A logoterapia prescinde de técnicas, pois o que pretende, de fato, é alcançar uma imagem correta do homem, dotada de plasticidade e de relevo, um ser em busca da dimensão específica de sua espiritualidade, liberdade e responsabilidade, o ser cujo espírito luta por descobrir o sentido concreto de sua vida, ampliando ao máximo a gama de possibilidades de valores.

Nesse sentido, o que define o logoterapeuta é mais a sua atitude, "a qual pode ser complementada por qualquer escola psicoterápica". No entanto, em contraste com outras linhas de análise existencial, a logoterapia oferece algumas práticas para aliviar os sintomas dos pacientes. Não chegam a ser técnicas sistematizadas, mas algumas estratégias diretivas. São elas basicamente cinco manobras:

1. A intenção paradoxal

Trata-se de propor ao paciente que alimente o seu sintoma, que fantasie da maneira mais dramática possível e até fazendo certo deboche de si mesmo, que esteja apresentando uma crise nunca vista por ninguém. Se, por exemplo, o paciente for um fóbico, que esteja diante de seu objeto de medo irracional, numa situação de morte iminente; se for medo de avião e, estando em vôo, imaginar que o avião está em chamas, que terá de usar para-quedas sem nunca tê-lo feito na vida, que irá cair em alto mar cheio de tubarões etc. Se for um hipocondríaco, que está tendo um infarto fulminante, e que nem adianta avisar os outros, não há nada a se fazer para salvá-lo.

Se for um caso de disfunção erétil, o terapeuta poderá proibir terminantemente, como início de tratamento, que o paciente tenha relações amorosas por cinco ou dez dias, sob pena de pôr tudo a perder. Ou, se for um insone, proibir duramente de dormir por uma semana, e mesmo que ele tenha sonolência, que use de qualquer estratagema para não dormir, saindo, tomando estimulantes, banho frio etc. Nestes casos, que são os mais freqüentes, o paciente não consegue seguir a orientação terapêutica e acaba transgredindo as regras no sentido de sua cura. O remédio é o próprio sintoma, uma espécie de psicohomeopatia.

2. A derreflexão

Ela pode ser descrita como uma tentativa de distrair a atenção do analisando, deslocando-a do foco de seu sintoma para algo mais importante no contexto de sua vida futura. Comumente são dificuldades para vivenciar o prazer da esfera da sexualidade. A derreflexão atua rompendo o círculo retroalimentado formado pela hiperintenção (a busca exagerada) de conseguir o prazer que desencadeia uma hiperreflexão (a atenção exagerada) no mesmo sentido, fechando-se um ciclo obsessivo que anula toda e qualquer espontaneidade impedindo o evento tão desejado. Com a derreflexão, mobiliza-se a atenção do paciente, que está rigidamente presa ao alvo do sintoma, deslocando-a para algo pleno de significado em sua existência, minimizando assim a importância do evento em si, naquele aqui e agora, e quebrando-se o circuito fechado descrito.

(3) A apelação

Consiste em apelar-se para a porção sadia do paciente, a qual sempre existe, pois nunca um mal psíquico nos atinge totalmente. Assim, é um recurso técnico pelo qual reavivamos, como um fole na lareira, as emoções e sentimentos do cliente em estado de transtorno psíquico, resgatando-lhe sua capacidade de sentir, sua humanidade oculta pela mal-estar, seu estrato noético, o mais elevado de todos da personalidade. Se o paciente chorar ou sorrir, enaltecemos estas demonstrações como sendo as mais adequadas possíveis àquela sua situação existencial, que por si já mostram sua coragem diante de todo o sofrimento vivido.

(4) O diálogo socrático

É oferecer condições ao analisando de ampliar seu autoconhecimento, permitindo-lhe que entre em contato com sua mais pura humanidade, seu estrato noético, resgatando seu potencial no sentido de atingir a direção que pretenda dar à sua existência.

Essa é a essência substancial da logoterapia, que afasta o cliente de seus sintomas, fortalece-o para criar e assumir novas posturas diante de sua existência, denuncia o fato de que ele está superando suas queixas, e permite que o ato terapêutico promova o reencontro do sentido de vida daquele paciente.

(5) A técnica de ganhos e perdas

Em cada situação-limite do cliente, situações estas que são irremediáveis e inadiáveis, e que em geral o deixam paralisado, como no caso de um divórcio, um aborto, abrir uma falência, romper uma amizade antiga, confessar uma falta cometida, abandonar os estudos, mudança de cidade, de país, de profissão, de preferência sexual etc., enfim, situações que exigem decisões de grande porte, esta técnica pede ao terapeuta que examine cada situação, fazendo, junto com o analisando, um criterioso balanço de livro-caixa existencial, em termos de perdas e ganhos, para promover ao cliente condições de tomada de decisão consciente quanto às possíveis conseqüências, a menos nociva a si e aos outros, e, acima de tudo, com total compromisso de responsabilidade.

Perpassa pela obra de Frankl um matiz de religiosidade, como em muitos outros autores, terapeutas ou não, que adotam postura existencial em seus trabalhos, como Karl Jaspers, Paul Tillich, Igor Caruso, Emmanuel Levinas, Martin Buber, van den Berg e outros. Para os clientes teístas será um feliz encontro de fé. Para os que não o forem, caberá ao analista exigir-se o maior cuidado ético e técnico, em não fazer transparecer o mais leve proselitismo de sua fé, fato que, se ocorrer, seguramente, será contra-producente para o bom êxito do tratamento. Por outro lado, sabe-se que quem não tem Deus tem ídolos, e a figura do analista se presta muito para este papel.

Até certo ponto, todo tratamento, seja ele químico (alopático), físico (homeopático, acupuntura, vibracional) ou psíquico, carrega sempre consigo uma dose ponderável de efeito placebo. É inegável que a confiança (ou fé?) no profissional contribui para este efeito. O mesmo fármaco dado por médicos diferentes, ao mesmo paciente, tem efeitos diferentes. Portanto, não estamos desqualificando a fé de um modo geral, mas, pelo contrário, ela tem de existir. Apenas, não é necessário que seja uma fé ligada a alguma religião que conste nos catálogos.

Em nosso ofício podemos considerar como sinônimos as palavras: fé, crença, esperança, confiança, segurança, seja para com os deuses, para com os homens, ou para com os remédios.

Observação

O berço da logoterapia no Brasil foi Porto Alegre-RS. Lá se realizou o I Encontro Latino-Americano Humanístico-Existencial, com a presença de Viktor Frankl, promovido pela Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre, em abril de 1984. Esta Universidade é ainda a primeira da América Latina a criar um curso de pós-graduação em Logoterapia. Também em Porto Alegre foi criado um Curso de Formação em Logoterapia com etapas de uma semana de duração a cada semestre. O Curso de Formação e o de pós-graduação são ministrados por professores argentinos e brasileiros sob a coordenação da Sociedade Brasileira de Logoterapia e Sociedade Latino-Americana de Logoterapia, com sede em Buenos Aires.

About Adalberto Tripicchio

Psiquiatra - Pós-doc em Filosofia Membro do Viktor Frankl Institute Vienna Docente da BI Foundation FGV/Berkeley
Comments are closed.