Relacionamentos amorosos: "Prevenir é melhor do que remediar"?

Segundo Skinner (1953/2003), comportamento social é a interação de duas ou mais pessoas que se comportam de maneira a influenciar o comportamento da outra e juntas modificam o ambiente no qual estão inseridas. Então, segundo essa definição, a relação conjugal é comportamento social. Por exemplo, se o namorado manda mensagens para o celular da namorada dizendo que a ama, aumenta a chance desta responder a mensagem de forma carinhosa e de sentir felicidade, sentimento produzido pelo comportamento do namorado. A partir dessa ação recíproca, na qual cada parceiro tem sua parcela de responsabilidade, o relacionamento se constrói. No entanto, toda relação é composta tanto de eventos “bons” e “ruins” e a freqüência de cada um desses episódios se dará, em grande parte, devido à interação do casal.

Tomemos como exemplo, um casal fictício, João e Maria. Em alguns momentos, pode ocorrer de João se comportar de modo semelhante a alguma situação que, no passado, gerou uma conseqüência ruim para Maria e esta pode passar a atentar apenas para esse comportamento não desejado de João. Então, se ele costumava mandar mensagem para o celular de Maria todos os dias e há um dia ele não manda e não se falam, ela pode interpretar esse comportamento como o “começo do fim” do seu relacionamento. Essa ação de João poderia não ter qualquer significado dentro do relacionamento se Maria não tivesse vivido algo semelhante que teve como conseqüência o fim de um namoro e sentimentos ruins. “Viver na pele” uma situação, ou seja, experiencia-la, faz com que todos os estímulos ambientais, presentes no momento em que a resposta ocorreu, adquiram valores e significados que influenciarão nas próximas interações de Maria com seu ambiente.

O fim de um relacionamento amoroso geralmente é dolorido porque a pessoa deixa de entrar em contato com todas as coisas boas que o outro lhe fornecia e agora experiencia os sentimentos aversivos de “raiva”, de “tristeza” e de “baixa auto-estima”, oriundos da perda de um reforçador. Como os sentimentos produzidos pelo fim de um relacionamento são aversivos, a pessoa pode aprender a se comportar de modo a evitá-los ou eliminá-los a qualquer custo. E, se ela consegue se esquivar de maneira eficaz de uma situação, poderá adquirir esse padrão de comportamento e evitar qualquer tipo de relacionamento.

Skinner (1953/2003) argumenta que fugir de uma situação aversiva é diferente de evitá-la. O comportamento de fuga é toda resposta emitida com o objetivo de eliminar um estímulo aversivo presente no ambiente. Já no comportamento de esquiva, o indivíduo não é afetado diretamente pelo estímulo aversivo, pois a resposta emitida tem a função de evitá-lo. Mas se o estímulo aversivo não está presente no ambiente, como o indivíduo sabe que ele virá a ponto de evitá-lo? Skinner discorre que essa evitação pode ser explicada através do conceito de reforço negativo condicionado, o qual um estímulo ambiental que precedeu o evento aversivo adquire a função sinalizadora que este (o evento aversivo) ocorrerá. O estímulo sinalizador na contingência de esquiva recebe o nome de estímulo pré-aversivo.

Então, no exemplo acima, a resposta de não mandar mensagem para a namorada pode funcionar como um estímulo pré-aversivo de que “algo mudou no relacionamento”, sinalizando um possível fim do namoro. Diante disso, Maria pode reagir de diversas maneiras, dentre elas, ligar para o namorado e terminar o relacionamento, antes mesmo de ouvir qualquer explicação de João. Apesar de ter reagido provocando uma conseqüência ruim – a perda do namorado; a sensação de alívio, advinda da retirada dos sentimentos aversivos produzidos pelo pensamento que o namorado iria terminar, é uma conseqüência reforçadora, por isso tem sua probabilidade aumentada. Também, nesse caso, diz-se que Maria se comportou por esquiva porque a função da sua resposta foi evitar algo ruim (os sentimentos aversivos de ter sido “abandonada” pelo namorado). Se questionada por que se comportou desse modo responderá: “É melhor prevenir que remediar. Fiz antes que ele fizesse o mesmo comigo”.

Sidman (1989/2001) argumenta que a desvantagem do comportamento de esquiva é que ele empobrece o repertório comportamental do indivíduo, uma vez que este não se expõe às contingências para verificar se passará pela situação semelhante à passada. Além disso, contingências de esquiva são coercitivas e se caracterizam pela presença de fortes respostas emocionais como raiva, tensão, medo e ansiedade. Em contrapartida, defende que em algumas situações de proteção e de sobrevivência é importante que comportamentos de esquiva sejam ensinados e emitidos, como por exemplo, se agasalhar quando o tempo está frio.

Na nossa sociedade, muitas pessoas levam a vida se esquivando do que as amedrontam e por isso preferem agir da forma segura, onde os “fantasmas do medo” não habitam. O comportamento de esquiva pode se dá apenas em um determinado contexto, por exemplo, no amoroso, mas a depender de como o indivíduo interage com seu ambiente, ele pode se estender para todos os outros contextos de relacionamento, como familiar, profissional e de amizade. Com isso, a pessoa adquire uma vida pobre de afeto e de comportamentos para lidar com novas situações e procura terapia com a queixa: “Sou desconfiado. Tenho medo de ser abandonado e por isso, não consigo me relacionar com ninguém. As pessoas mais próximas a mim dizem que eu sou superficial e frio”.

Diante dessa queixa, o psicólogo analítico-comportamental, buscará informações sobre a história do cliente com o objetivo de conhecer quais variáveis ambientais são responsáveis pela instalação e manutenção do comportamento-queixa. Através da análise de contingência, o terapeuta compreenderá a função, ou seja, o porquê seu cliente se comporta como faz. Histórias de abandono em relacionamentos, geralmente, produzem sentimentos aversivos de “baixa auto-estima” ou de “inferioridade”. Então ao ouvir um relato de abandono, dos sofrimentos por ele produzidos e do significado que todo esse evento possui para o cliente, o terapeuta começará a entender porque é tão difícil para esse cliente se envolver com alguém.

Um dos maiores objetivos do terapeuta, nesse caso, será se estabelece como uma pessoa de confiança para o cliente para depois ensiná-lo a se relacionar. Delitti (2005) argumenta que uma sólida relação terapêutica é fundamental para fortalecer o vínculo entre terapeuta-cliente, pois quando o cliente se sente apoiado e sabe que pode confiar no terapeuta, ele começa a revelar informações que são punidas em outros ambientes. Por isso, é importante que o terapeuta seja um ouvinte não punitivo e que o contexto terapêutico seja de acolhimento e de empatia. Como conseqüência, as novas respostas que serão aprendidas e reforçadas durante o processo de terapia têm maior probabilidade de se generalizarem, ficando sob controle das contingências naturais.

À medida que a relação terapêutica vai se estabelecendo, o terapeuta pode ensinar o seu cliente a se auto-observar com o intuito deste expressar seus sentimentos e emoções no processo clínico. Meyer (1997) defende que um dos papéis do terapeuta é facilitar a ocorrência das emoções e discriminar qual o momento adequado para responder aos sentimentos expressos do cliente. Para isso, o terapeuta deve atentar para os comportamentos não-verbais, para os aspectos da verbalização, como entonação, volume da voz e cadência do cliente.

Além de trabalhar com os sentimentos, o terapeuta analítico-comportamental buscará alterar as contingências que mantêm o problema, pois acredita que modificando as relações entre o organismo e seu meio, modifica-se também a maneira de se comportar, bem como os sentimentos aversivos antes gerados. De acordo com Sidman (1989/2001), em relação à modificar o comportamento de esquiva: “tentar lidar com sentimentos sem alterar as contingências é infrutífero” (p.142).

Uma das alternativas de modificar a contingência é alterar o controle de estímulo do cliente. Para isso, o terapeuta pode solicitar que o cliente observe seu ambiente e o descreva. Desse modo, espera-se que o cliente fique sob controle de outras propriedades do estímulo. No caso de Maria, ela poderia lembrar que João falou que ia ter uma reunião muito importante no trabalho e que por isso, não teve tempo de ligar ou mandar mensagem. Ou então, descrever: “ele não me mandou mensagem hoje, mas ontem à noite nos falamos e ele me tratou bem”. Ao perceber a situação “com outros olhos”, a aversividade da situação pode diminuir e o cliente passa a atentar também para outras possíveis possibilidades que explicam o comportamento do seu parceiro.

Outra intervenção terapêutica é ensinar comportamentos alternativos ao cliente. Portanto, o terapeuta deve reforçar positivamente qualquer outro comportamento adequado, de modo que o cliente conheça outras formas de se relacionar, diferente da esquiva. Através de relacionamentos baseados no reforçamento positivo, o cliente experiencia sentimentos de confiança, de amor, de auto-estima. Ao generalizar, para os ambientes naturais, os novos comportamentos aprendidos em terapia, o cliente aumenta a chance de experienciar contingências reforçadoras positivas e de se envolver em novos relacionamentos de maneira confiável.

Referências
 
DELITTI, A.M.C. (2005). A relação terapêutica na terapia comportamental. In: GUILHARDI, H. (Org.). Sobre Comportamento e Cognição. V.15. Santo André: ESETec Editores Associados.

MEYER, S.B. (1997). Sentimentos e emoções no processo clínico. In: DELITTI, M. (Org.) Sobre o Comportamento e Cognição. Vol. 2. (p.188-194). São Paulo: ARBytes Ed.

SIDMAN, M. (2001). Coerção e suas implicações. Tradução de (M. A. P. A. Andery e T. M. A. P. Sério, Trad.). Campinas: Editorial Psy. (Obra original publicada em 1989).

SKINNER, B.F. (2003). Ciência e comportamento humano. (J.C. Todorov & R. Azzi, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1953).

Eugênia Marques de Oliveira Melo – é Terapeuta Analítico-Comportamental em São Paulo, Graduada em Psicologia pela UFC e Especializanda em Clínica Analítico-Comportamental no Paradigma – Núcleo de Análise do Comportamento. Contato: eugenia_marques@yahoo.com.br

About Paradigma Núcleo de Análise do Comportamento

O Núcleo Paradigma é um centro de atendimento clínico, ensino e pesquisa em Terapia Analítico-Comportamental, localizado em São Paulo.
A Coluna divulga temas teóricos e práticos da Análise do Comportamento. Coordenação: Giovana Del Prette.

One Response to Relacionamentos amorosos: "Prevenir é melhor do que remediar"?

  1. Vargas Cynthia Maye 12 de Abril de 2016 at 14:56 #

    Estou realmente muito feliz por minha vida; Meu nome é Cynthia Vargas Eu nunca pensei que eu vou viver na Terra antes do ano acabar. Eu tenho sido vítima de uma doença mortal (HIV) nos últimos 5 anos; Eu tinha passado um monte de dinheiro indo de um lugar para outro, de igrejas para as igrejas, os hospitais têm sido cada minha residência dia. verificações constantes até ter sido meu hobby não até o mês passado, eu estava procurando através da internet, eu vi um testemunho de como DR. Ben ajudou alguém na cura de sua doença HIV, rapidamente eu copiei o seu e-mail que é (drbenharbalhome@gmail.com) .Eu falei com ele, ele me pediu para fazer algumas certas coisas que eu fiz, ele me disse que ele está indo para fornecer o ervas para mim, o que ele fez, então ele me pediu para ir para exame médico depois de alguns dias após o uso do remédio herbal, eu estava livre da doença mortal, ele só me pediu para deixar o testemunho por todo o mundo, fielmente am fazê-lo agora, irmãos e irmãs por favor, ele é grande, eu devo a ele na minha vida. se você está tendo um problemas semelhantes apenas e-mail ele em (drbenharbalhome@gmail.com) ou simplesmente WhatsApp-lo em: + 2348144631509.He também pode curar doenças como câncer, diabeties, Herpes. Etc. Você pode alcançar-me no e-mail: vargascynthiamaye1995@gmail.com