Aparência Física e Psicologia

É muito comum que pessoas insatisfeitas com sua “aparência física” busquem os consultórios de Psicologia. Isso acontece pelo fato de se encontrar instituído na sociedade, estereótipos que definem os padrões, mais aceitos, da aparência física.
Padrões tais como: peso, estatura, cor de pele, tamanho de busto, nº de calçado, entre outros, acabam por deixar algumas pessoas fora dessas especificações. Por não apresentarem tais características, estas pessoas tornam-se insatisfeitas consigo mesmas e desenvolvem uma série de dificuldades e bloqueios que acabam por interferir sobremaneira na sua vida pessoal (emocional, escolar, sexual, profissional). Acabam por adoecer psicologicamente.

É na psicoterapia que a maioria encontra o apoio e resgata o equilíbrio necessário para a auto-aceitação. Uma vez que elas sentem a “diferença” que apresentam como uma coisa extremamente negativa, passam a não acreditar no seu potencial geral. Julgam-se, desvalorizam-se e impedem o desenvolvimento de talentos ou qualidades que, por certo, possuem e, devido a uma preocupação da sociedade com a aparência externa, tendem a inibir outros aspectos importantes que fazem parte de sua pessoa.

Muitas vezes a desejo desenfreado por uma aceitação social gera problemas tão importantes que levam essas pessoas ao total desequilíbrio, como em casos da busca pela magreza, que traz como conseqüências drásticas, a bulimia e a anorexia, as cirurgias plásticas e lipoaspirações desnecessárias que levam à morte prematura.

Nesse sentido, o apoio da Psicologia, através da psicoterapia, é fundamental para que tais pessoas possam obter a reestruturação da personalidade passando a se reconhecerem, não somente por seus aspectos exteriores, mas valorizarem-se quanto a outros que são mais importantes do que aqueles cultuados por uma sociedade mutante, e desta forma, buscarem o seu lugar no mundo real.

Maria de Fátima Campany
Psicóloga – CRP:5309-5ª R

One Response to Aparência Física e Psicologia

  1. Ilma Soares Vieira 23 de abril de 2016 at 17:49 #

    Essa pessoas tinham que fazer yoga e tratamento espiritual.