Sentido comparativo das estratégias evolutivas associadas à inveja do pénis e à inveja do clitóris

Neste artigo, comparam-se as estratégias evolutivas de homem e mulher, quanto às suas caracterizações relativamente à inveja do pénis e à inveja do clitóris, no sentido do estabelecimento evolutivo de relacionamentos amorosos e sexuais entre homem e mulher.

Tenha-se, antes de tudo, presente, que, fundamentalmente, a mulher caracteriza-se mais pela inveja do pénis, com sobrecompensação narcísica associada, derivada do sentimento de perda do pénis, e o homem caracteriza-se mais pela inveja do clitóris, com subcompensação narcísica associada, derivada do sentimento de superioridade narcísica, advinda da comparação pénis-clitóris, como se pode ver descrito em A inveja do pénis e a inveja do clitóris e suas implicações políticas ( Resende, 2010 ).

Mas especifique-se a complexidade destas noções. Por exemplo, em Influência da inveja do clitóris na sistematização política por género ( Resende, 2010 ), esclarece-se que a mulher se caracteriza tanto pela inveja do pénis como pela inveja do clitóris.  Esta última baseará o sistema histérico de relacionamento tipicamente feminino, em que cada mulher sentirá inveja da excitação sexual que o clitóris, de outra mulher, proporciona a essa mulher, nos relacionamentos sociais, particularmente com outras mulheres. Estas duas invejas na mulher terão importante sentido evolutivo, em que cada uma delas se constituirá como facilitadora psíquica da maternidade, no sentido de ter um filho ou uma filha. Em Aspectos criativos e evolutivos da inveja do clitóris   ( Resende, 2010 ), indica-se, porventura de uma maneira não devidamente realçada, que as características subcompensatórias do homem, com tentativa de diminuição narcísica, e as características sobrecompensatórias da mulher, com tentativas de inflacção narcísica, terão uma crucial importância evolutiva no sentido do estabelecimento e manutenção de relações amorosas e sexuais, entre homens e mulheres.

Realça-se, aqui, que isto aponta para um sistema evolutivo de equilíbrio entre as subcompensações masculinas e as sobrecompensações femininas.

Em termos evolutivos, caracterize-se mais as tendências contemporâneas, relativamente ao histerismo do Capitalismo e à obsessão do Comunismo, naquilo que diz respeito às invejas do pénis e do clitóris. Assim, em Influência da inveja do clitóris na sistematização política por género ( Resende, 2010 ), caracteriza-se, particularmente, o homem capitalista e o homem comunista.
Desta maneira, o homem capitalista caracteriza-se tanto pela inveja do clitóris, enquanto homem, como pela inveja do pénis, numa tendência histérica. Ou seja, quanto a esta última inveja, para o homem capitalista com poder, contextualizando o capitalismo global contemporâneo, a insatisfação fálica lhe faz derivar o poder, com a ambição caracteristicamente associada, derivada da sobrecompensação fálica. Evolutivamente, e quanto ao sistema de equilíbrio referido anteriormente, o homem capitalista, ao acentuar a sua inveja do pénis, com insatisfação fálica e respectiva sobrecompensação, promoverá, por sua vez, o aumento da inveja do clitóris por parte da mulher, que como já vimos se caracteriza tanto pela inveja do pénis como pela inveja do clitóris. Como já vimos, esta inveja do clitóris é uma das bases do sistema histérico de relacionamento tipicamente feminino, que por sua vez constitui uma das grandes bases e um dos grandes promotores do sistema capitalista. Tem-se, deste modo, a estratégia evolutiva contemporânea capitalista.

Relativamente ao homem comunista, numa tendência obsessiva, o mesmo se caracterizará também pela inveja do clitóris, enquanto homem, e não tanto pela inveja do pénis, e procurará obter o poder através das massas.  Repare-se que o poder aqui referido se referirá mais ao poder criador e criativo, advindo da inveja do clitóris, como considerado em Aspectos criativos e evolutivos da inveja do clitóris ( Resende, 2010 ). Ora, deriva-se que o poder criador e criativo do homem comunista é diluído pela diluição da inveja do clitóris nas massas. Evolutivamente, no que diz respeito ao já mencionado sistema de equilíbrio, o homem comunista ao diminuir a sua inveja do clitóris, com diminuição do sentimento de superioridade narcísica, advinda da comparação pénis-clitóris, promoverá, por sua vez, o aumento da inveja do pénis por parte da mulher, cujas características sobrecompensatórias basearão também, em grande parte, o sistema capitalista. Assim temos a estratégia evolutiva contemporânea comunista.

Comparativamente, e quanto à relação homem-mulher, se a estratégia evolutiva capitalista parece estar a resultar, quer perspectivando a estratégia capitalista ou a estratégia comunista, se o homem capitalista quiser acentuar a sua estratégia, deverá realçar a sua própria diminuição falo-narcísica, enquanto que se o homem comunista quiser verdadeiramente acentuar a estratégia do ponto de vista comunista, deverá sentir-se verdadeiramente invejoso do clitóris, vivenciando o seu sentimento de superioridade narcísica, que equivale a elaborar mais ao nível do auto-narcisismo e não tanto ao nível do narcisismo relacional.

Bibliografia
Resende, S. ( 2010 ). A inveja do pénis e a inveja do clitóris e suas implicações políticas in www.redepsi.com.br, em secção Artigos/Teorias e Sistemas no Campo Psi em 15/10/2010
Resende, S. ( 2010 ). Aspectos criativos e evolutivos da inveja do clitóris in www.redepsi.com.br, em secção Artigos/Teorias e Sistemas no Campo Psi em 17/11/2010
Resende, S. ( 2010 ). Influência da inveja do clitóris na sistematização política por género in www.redepsi.com.br, em secção Artigos/Teorias e Sistemas no Campo Psi em 25/11/2010

About Sérgio Miguel Ramos Duarte Fortes Resende

Comments are closed.