C.G. Jung e sua “Opus Magna”

No ano de comemoração dos 50 anos da morte de Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço e criador da Psicologia Analítica, está sendo re-lançada suas Obras Completas pela Editora Vozes, contendo 18 volumes distribuídos ao longo de 35 livros.

No ano de comemoração dos 50 anos da morte de Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço e criador da Psicologia Analítica, está sendo re-lançada suas Obras Completas pela Editora Vozes, contendo 18 volumes distribuídos ao longo de 35 livros.

Como novidades neste re-lançamento da Vozes, há uma diagramação e projeto gráfico geral renovados, com cores mais discretas e elegantes, e o volume "Índices Gerais: Onomástico e analítico", único livro anunciado como "inédito" na coleção, mas que, na verdade, agrupa todos os verbetes presentes nos volumes individuais. O ineditismo é apenas que esse volume faz parte das obras originais e ainda não havia sido visto por aqui neste formato mas, com certeza, vem para favorecer a pesquisa e a leitura da obra de Jung.

A editora também lança os volumes já com os textos adequados às novas normas ortográficas recentemente acordadas entre os países de língua portuguesa, e um volume com nova tradução: "8/1 – A energia psíquica".

Os livros continuam com sua típica numeração por parágrafos, contínuos ao longo de cada volume, o que favorece a consulta a partir do índice geral. Cada livro, que pode ser comprado separadamente, oferece informações mais claras sobre sua relação com o volume original, e agora possui orelhas com explicações mínimas sobre os textos que o contém e sobre o autor. Divulgação mais direta e sedução interessante para os "desavisados"…

Os livros da obra completa de Jung foram lançados no Brasil ao longo de muitos anos (de 1978 a 2003), em formato brochura e encadernado (com capa dura), sendo que, no formato brochura é que os volumes foram subdividos em 35 livros independentes e vendidos separadamente. O número de livros, próprio da edição brasileira, assim como os lançamentos irregulares, é justificado pela editora pela concentração da tradução dos originais – em alemão – nos volumes de maior interesse do público brasileiro e na disponibilidade dos tradutores.

A primeira versão em alemão das obras completas foi composta por 18 volumes, publicados de 1958 a 1981, sendo posteriormente acrescentados o volume 19 (em 1983) com a Bibliografia de Jung e o volume 20 (em 1994) com o Índice Geral.

A constituição original de seus volumes não foi idealizada para seguir a ordem cronológica pela qual os textos foram produzidos, mas sim obedecendo uma ordem temática (até onde isso é possível, considerando o estilo circular de Jung na construção de seus conceitos).

Os livros que compõe as obras completas foram escritos por Jung ao longo de mais de 60 anos. Estão presentes textos realizados desde que era ainda um estudante de medicina, no final do século XIX, e fazia parte do clube universitário suíço Zofingia, no qual os alunos apresentavam suas conferências, até seus últimos escritos realizados pouco antes de falecer, aos 85 anos, em 1961.

A Editora Vozes tem o imenso mérito de ter levado à frente a tarefa complexa e fundamental de traduzir as obras completas de C.G.Jung e, assim, facilitar o acesso de suas idéias para o nosso meio acadêmico e para o público brasileiro. Porém, não se pode deixar de comentar que, infelizmente, existe uma questão freqüentemente levantada nos meios de pesquisadores e estudantes da obra, que é a existência de falhas de tradução em alguns livros, que vão desde aparentes erros de digitação até divergências sobre o conteúdo conceitual em si. Infelizmente esse aspecto não parece ter sido contemplado por uma revisão nesse re-lançamento, o que não contribui para entusiasmar tanto ao público especializado.    

Lembrando ainda que não faz parte da lista dessas obras completas os livros: "O Homem e seus Símbolos" (reunião de artigos de vários autores, inclusive Jung, escrito para o público leigo, Ed. Cultrix), "Memórias, Sonhos e Reflexões" (sua "quase" auto-biografia, Ed. Nova Fronteira), "O segredo da flor de ouro" (escrito juntamente com Richard Wilhelm, Ed. Vozes), "Sobre o amor" (Ed. Idéias e Letras), "Cartas" vol. I, II e III (seleção de Aniela Jaffé e G.Adler, Ed. Vozes), "Correspondência completa de S.Freud e C.G.Jung" (seleção de William Mcguire, Ed. Imago), "C.G.Jung: entrevistas e encontros" (de W.Mcguire e R.F.C.Hull, Ed. Cultrix), "C.G.Jung: chaves resumo das obras completas" (Ed. Atheneu) e ainda  a última grande novidade no campo junguiano lançada no Brasil em 2010, que foi "O Livro Vermelho" (pela Ed. Vozes).

O Livro Vermelho era uma obra ansiosamente aguardada pelos interessados na psicologia analítica e na pessoa de C.G.Jung. Trata-se dos registros de seu processo interior, realizados entre os anos de 1914 (logo após o rompimento com Freud) e 1930, nunca antes publicada integralmente. Ao grande público foi permitido apenas alguns pouquíssimos vislumbres de seu conteúdo ao longo desses 80 anos. O lançamento brasileiro foi quase simultâneo ao lançamento da edição americana, seguindo fielmente seu formato original.

Também chamado de "O Grande Livro", já que tem formato de 30 X 40 cm, com 10,5 cm de lombada e pesando mais de 4 kg, traz fac-símiles das páginas originais do livro feito por Jung, com textos redigidos e ilustrados de próprio punho, nos quais ele expressou de forma elaborada as imagens e diálogos interiores que vinham de seu inconsciente.

Considerado por ele mesmo como um auto-experimento e "a matéria-prima para a obra de uma vida inteira", possui valor inestimável para o aprofundamento do entendimento de sua personalidade e da constituição dos conceitos da psicologia analítica. Embora o próprio Jung se recusasse a considerar seus trabalhos plásticos como arte, o Livro Vermelho possui tamanha beleza estética pela qualidade das pinturas, das letras manuscritas e da formatação geral que ele deu ao livro, que ficamos tentados a considerá-lo uma obra de arte em si.

O livro é composto por um pequeno prefácio no qual o seu editor, o indiano Sonu Shamdasani, explica o processo pelo qual esse material chegou ao público, seguido pelos fac-símiles do material original (em alemão), acompanhados por uma grande e fundamental introdução/ensaio também escrita pelo seu editor, no qual ele nos localiza sobre o momento cultural e de vida pelo qual passava Jung durante a realização do livro, e pela tradução dos manuscritos em português.

Sem dúvida, com os últimos lançamentos, a Editora Vozes reforça a demonstração de sua confiança e respeito pela importância da Abordagem Junguiana para a psicologia e para a cultura.

Comments are closed.