O Uso Abusico de Drogas e Suas consequências no Sistema Neurológico

Para compreender as drogas psicotrópicas, precisamos conhecer sobre as funções do sistema nervoso central (SNC), é importante ter fundamentos sobre o funcionamento desse sistema, pois as drogas modificame danificameste sistema de maneira drástica.

As drogas agem alterando as comunicações neurais, podendo produzir efeitosde acordo com o tipo de droga e a sua ação com o neurotransmissor envolvido. E muitas dessas drogas causam dependência como o álcool; os estimulantes; os opiáceos; os inalantes; a nicotina; a maconha. E a retirada brusca pode levar ao aparecimento de uma gama de sinais e sintomas que constituem a síndrome de abstinência.

Neste trabalho, utilizou-se dos recursos bibliográficos incluindo vários referenciais teóricos com publicações recentes, com o objetivo de conhecer as drogas e descobrir o seu potencial de ação no Sistema Nervoso Central (SNC) e suas consequências neurológicas.

ASPECTOS GERAIS

A presença de drogas na humanidade vem desde os primórdios, inseridas em diversos contextos: social, econômico, medicinal, religioso, cultural, psicológico, estéticos e ritualistas. Sendo considerado um consumo cultural, pois tem finalidades diferentes nas atividades inseridas nestes contextos. O uso das drogas pode designar provocações nas alterações no Sistema Nervoso Central, com perturbações da consciência; a busca de experiências inéditas e globalmente a experiência de prazer.  É evidente que, no entanto, o sentido do uso das drogas requer diversas finalidades como: escapar dos problemas; das angústias e da transitoriedade ou mortalidade da existência. Outra procura está relacionada aos rituais, no contato com as forças sobrenaturais; e por último a busca do prazer, que relaciona-se com a toxicomania moderna. As alterações do estado da consciência e a busca de prazer, felicidade e beleza, são três sentidosque alcançam as alterações desejadas da consciência, sendo uma procura constante e universal, que faz parte da procura e  modificações realizadas pelo homem (BUCHER, 1989).

Quanto aos efeitos farmacológicos dos psicotrópicos as principais são: os Opiáceos, que são substâncias derivadas do ópio e tem como efeito o alivio da dor, mas aprofundaremos adiante seus efeitos isoladamente como as demais substâncias; Os benzodiazepínicos atinge um nível desagradável na redução  da insônia, nervosismo, hiperestimulação, ansiedade; podendo provocar riscos dependendo da droga que está em  tratamento e o nível deste medicamento no organismo tratado; Os estimulantes são classificados como a cafeína, anfetaminas, cocaínas entre outras, possuindo como finalidade o aumento da energia e potência, ou na redução do cansaço, da depressão, da sonolência no Sistema Nervoso Central (SNC); Os esteróides são drogas modificação a percepção habitual do indivíduo frente ao seu próprio meio físico, social e biológico; E por último ás drogas que atingem diversos graus  de atordoamento como: o álcool, os barbitúricos, o haxixe, a maconha, os inalantes e solventes. Dependendo da substância química empregada os efeitos podem ser diversos nos SNC (BUCHER, 1989).O consumo de droga faz parte da nossa realidade social, dos fenômenos políticos e culturais, sendo vinculado desde os tempos antigos ao uso medicinal e aos ritos religiosos, mas que de uma dádiva divina tornou-se uma maldição que vem evoluindo a cada momento que passa e fazendo parte do processo de marginalização.

ELEMENTOS ESSENCIAS DA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO CÉREBRO

O Sistema Nervoso Central (SNC) é uma rede complexa de comunicação, no qual sinais estão sendo constantemente recebidos, integrados e transmitidos, por células denominadas de Neurônios, possuindo como função perceber e identificar as condições ambientais externas como as internas elaborando e adaptando respostas para suas condições biopsicossociais. O neurônio está sendo fundamentalmente composto de um corpo celular de onde partem prolongamentos, onde os pequenos e geralmente em grande número são denominados de Dendritos. O prolongamento grande e único é denominado de Axônio. Toda vez que um neurônio é estimulado, isto é, recebe uma forma de energia (luz, calor, som, etc) emite um sinal ou mensagem elétrica denominada impulso nervos (ANDRADE, Org.2004).

O impulso nervoso caminha sempre no mesmo sentido: Dendrito – Corpo Celular – Axônio. Os neurônios cujos dendritos estão conectados a um órgão do sentido (pele, orelha, ouvido, etc) denominam-se Sensórias ou sensitivos.Os neurônios cujos axônios terminam num músculo ou numa glândula são chamados Motores. Há neurônios que estabelecem relações entre os neurônios sensitivos e motores. Nesse caso são os Associativos (ANDRADE, Org.2004).

A NEUROPSICOLOGIA DAS DROGAS

1 – O Álcool

As bebidas alcoólicas representam as drogas mais antigas, que foramobtidas pela fermentação de diversos vegetais com os procedimentos primitivos e sofisticadas do Oriente Médio, sendo também, costumes herdadospela sociedade atual. O uso abusivo de álcool é caracterizado pelo vínculo das relações intra e interpessoais na sociedade. Este uso abusivo vem aumentando assustadoramente, em um estudo pela Secretária Nacional de Antidrogas (SENAD), que realizou no ano de 2001 o levantamento domiciliar sobre Drogas Psicotrópicas no Brasil abrangendo 107 cidades com população superior a 200.000 habitantes, dentre os resultados mencionados o álcool e o tabaco é superior ao uso das drogas ilícitas.

Os adolescentes que abusam do consumo do álcool enfrentam uma serie de risco, que variam de ferimentos por acidentes e morte através deenvenenamento, também enfrentam problemas de saúde como gastrite, hipertensão arterial, cirrose hepática e distúrbios neurológicos. De grande relevância são os comportamentos agressivos e danos sócios que ocorrem em virtudes do alcoolismo como as vítimas do transito devido a irresponsabilidade dos adolescentes que dirigem embriagado e uma rígida fiscalização nos finais de semanas, não somente dos dias festivos.

O álcool pode causar em curto prazo, perturbações no funcionamento cerebral, sendo uma droga depressora que quando metabolizados no Sistema Nervoso Central, que transforma o álcool em acetaldeído, que tem forte ação sobre os neurotransmissores, que em pequenas doses podem ocasionar dificuldades motoras e em tempo maior decréscimos na memória, fazendo com que oindivíduo experimenta vários graus de comprometimentodas habilidades cognitivas, perceptuais, verbais e motoras. No aumento da concentração de álcool na corrente sanguíneaos efeitos de intoxicação são mais intensos, podendo afetar a função do cerebelo, provocando desequilíbrio, dificuldades de coordenação e articulação da fala (KOLLING, 2007).

O uso crônico do álcool pode produzir danos cerebrais principalmente no hipocampo que é o local de formação e armazenamento da memória, também a Síndrome de Wernicke – Korsakoff, caracterizada pelo comprometimento da memória, estado amnésico, déficits motores e sensoriais e desorientações temporais e espaciais (KOLLING, 2007).Acredita-se que o uso de drogas pelos adolescentes se caracteriza por pressões externas, ironias do grupo, ameaças ou através de olhares reprovadores.

2 – Os Estimulantes

São aquelas drogas que estimulam as atividades do Sistema Nervoso Central fazendo com que aumente o estado de vigília, neste caso, diminui o sono e no aumento das atividades motoras. Exemplos de drogas estimulantes, as mais fortes são: Cocaína, feita da folha da planta da coca, essa droga várias em forma de pó branco que algumas pessoas consomem por diversas vias oral, intravenosa e respiratória (Crack), que é algo devastador ao organismo. O uso abusivo é um problema que vem aumentando na sociedade, as complicações neuropsiquiátricas e cardiocirculatórias, bem como os transtornos sociocupacionais são fenômenos que necessitam de mais atenção e estudos, pois este uso acarreta inúmeras complicações ao organismo do usuário, destacando arritmias, angina, deficiências vitamínicas e convulsões. Também, complicações psiquiátricas como transtornos psicóticos e os transtornos associados ao consumo. Aos problemas neurológicos encontram-se acidentes vasculares cerebrais e medulares, isquemias, cefaléias, convulsões e desordens motoras como os tiques (KOLLING,2007).

A cocaína e as anfetaminas mudam a maneira de comunicação das células nervosas do cérebro. Um dos neurotransmissores afetados pela cocaína é a dopamina, que é liberada pelos neurônios no sistema límbico, sendo está parte cerebral que controla o prazer. A cocaína bloqueia o transporte da dopamina, anexando a um receptor de um neurônio e causando uma mudança celular.

A dependência pode levar a prejuízos na tomada de decisões, nas funções executivas, no processo de inibição do comportamento, na coordenação de informações armazenadas na memóriae produção de anormalidades  persistentes  no funcionamento do córtex pré-frontal, podendo observar  alterações na morfologia dos dendritos e nos espinhos dendríticos de neurônios que se estende por muitos meses após o início da abstinência e encontra-se associado aos mecanismos de motivação, recompensa e aprendizado (KOLLING, 2007).

3- Os Opiáceos

A papoula é uma planta derivada do Mediterrâneo e do Oriente Médio, sendo cultivada com facilidade em muitas regiões subtropicais e montanhosas. Sendo conhecida como narcótico, pois desta planta se extrai o ópio que dele faz a heroína, morfina ou codeína. Podem produzir sensação rápida e intensa de prazer, seguida por uma sensação de bem-estar e uma calma sonolência, podendo provocar dependência.

Dentro do sistema límbico, na base central e da espinha dorsal, existem lugares em que alguns neurôniosque são estimulados pelos opiáceos desencadeiam receptação destes opiáceos desencadeado reações no cérebro e no corpo. O sistema límbico controla as emoções e a produção do prazer, do relaxamento e da alegria; A base cerebralcontrola as funções da respiração fazendo com que fique mais lenta e impedindo a tosse; e a espinha dorsal reage no bloqueio das mensagens de dor e permitem que as pessoas suportem os ferimentos graves.

4 -Os Alucinógenos

Faz com que as pessoas tenham alucinações e experiências imaginárias que parecem reais, pois isso recebe-se o nome de alucinógenos, podem durar  horas e algumas sensações podem ser terríveis.  Os alucinógenos afetam o cérebro fortemente, distorcendo a maneira como funcionam os cinco sentidos e distorcendo as impressões temporais e espaciais. São substâncias químicas que não se encontram na natureza como: LSD, também chamado de ácido; MDA, uma anfetamina estimulante, também conhecida como ice, que pode gerar quadros de euforia, provocando vigília e atuando como anorexígenas e aumentando as atividades autônomas dos indivíduos; o MDMA é drogas similares ao ecstasy, são cristais de metanfetamina com grandes afinidades serotoninérgicas, são fumadas em cachimbos, podendo ser injetadas ou inaladas com efeitos prolongados de 2 a 24 horas, as complicações são anorexia, taquicardia, tensão maxilar, bruxismo e sudorese e a duração dos efeitos são de 4 a 6 horas de compulsão aditiva; e o PCP que é a feniciclidina.

O uso endovenosodas anfetaminas é pouco freqüente no Brasil, produz um quadro intenso de prazer, sensação de poder, euforia, aumento da libido e hiperexcitabilidade. Os sintomas paranóide no surgimento da intoxicação no quadro agudo são: infecções, endocardites e abscessos. Enquanto, em situações crônicas leva a desnutriçãoe a complicações comoinfarto agudo do miocárdio, cegueira cortical transitória, cardiopatias irreversíveis, vasoespasmos sistêmicos e edema pulmonar (RIBEIRO, 2002, pag.6).

5 – Os Inalantes

Possuem um cheiro forte, essa é a razão pela qual tem este nome, e algumas pessoas inalam os vapores de propósitos ocasionando problemas no organismo, sendo nocivos. São compostos de hidrocarbonetos alifáticos e aromáticos, facilmente voláteis, presentes em uma seriem de produtos (éter, vernizes, tintas, esmaltes, sprays, cola, gasolina, entre outros), após a inalação,os solventes alcançam os alvéolos e capilares pulmonares e são distribuídos pelas membranas lipídicas do organismo. Este pico plasmático é atingido de 15 a 30 minutos no cérebro. Alguns saem pelo corpo, outros são absorvidospelo tecido gorduroso nosistema nervoso e podem ficar por um período indeterminado. As mortes durante intoxicações são raras, podendo acontecer por asfixia ou arritmias cardíacas. Possivelmente o surgimento desíndromes neurológicas como as neuropatia periférica, ototoxicicidade e encefalopatia, que também pode ocorrer lesões renais, pulmonares, hepáticas, cardíacas e no sistema hematopoiético (RIBEIRO, 2002).

6- Os Esteróides

Os esteróides anabolizantes são versões artificiais de um hormônio que é a testosterona, que é aplicado tanto em meninas como em rapazes, para a aceleração e formação dos músculos, provocando mudanças no cérebro, no corpo e comportamento nas mudanças de humores. Enquanto, por fora pode deixar o ser humano com uma característica forte, por dentro os esteróides fazem com que o sistema imunológico, a defesa corporal contra os germes e doenças fiquem enfraquecidas, podendo danificar o fígado ou provocar câncer, mesmo em pessoas jovens.  Mudando as mensagens que o hipotálamo envia para o corpo, pois o hipotálamo exerce várias funções no controle do apetite, na pressão sanguínea, dos humores e, da habilidade reprodutiva,além da função hormonal. Não existe tratamento para essa droga, pois é irreversívelsuas consequências no organismo. Nos rapazes pode interferir na produção da testosterona, causando diminuição de esperma; perdade cabelos e habilidade reprodutiva. Nas garotas provoca queda de cabelo, crescimento de pêlos pelo corpo e rosto e engrossamento da voz.

7- A Nicotina

 O tabagismo está associadoà alta mortalidade, e a sua abordagem aos tabagistas é um desafio muito grande para os profissionais de saúde, devido a  abstinência. Quando o tabaco é fumado, a nicotina é absorvida pelos pulmões e rapidamente movida para a corrente sanguíneae circula até o cérebro, chegando  em 8 segundos após a fumaça inalada. A nicotina afeta o corpo inteiro, atuando diretamente no coração mudando a velocidade das batidas e também, a pressão sanguínea e mudando os padrões da respiração.

A atuação da nicotina no cérebro se destaca na comunicação entre os mensageiros químicoschamados de neurotransmissores que encontra-se ao seu receptor e ativa o neurônio do receptor. Já nas moléculas da nicotina o neurotransmissor encontra-se com a acetilcolina que está envolvido em várias funções, incluindo os movimentos musculares, a respiração,  o batimento cardíaco, o aprendizado e a memória, também causam a liberação de outros neurotransmissores e hormônios que afetam o humor, apetite, memória etc. E quando a nicotina alcança o cérebro, ela se liga aos receptores da acetilcolina ele repete as funções da acetilcolina. Também, a nicotina faz elevar os níveis do neurotransmissor chamado dopamina, nas partes do cérebro que produzem sensações de prazer e recompensa (CASTRO, 2007). Quando os dependentes da nicotina param de fumar, eles podem passar por períodos de agitação, fome, depressão, dores de cabeça e outras sensações desagradáveis, isto acontece devido à falta da nicotina no organismo.

8 – A Maconha

É um conjunto de folhas e flores secas da planta do cânhamo (Cannabis sativa). Como todas as plantas, ela é sensível ao ambiente onde é cultivada. O uso da maconha propicia prazeres como as demais drogas citadas acima, apesar das consequências elas trazem os efeitos desejados e esperados pelos seus usuários, nesta droga as: sensações são de relaxamento, os sentidos mais aguçados, alegria, euforia, aumento do prazer sexual. As consequências ao seu uso com o passar dos tempos são: ansiedade, pânico, paranóia, diminuição das habilidades mentais – especialmente a atenção, memória e diminuição da capacidade motora e os aumentos ocorrem com os sintomas psicóticos. Seu uso crônico traz, déficits de aprendizagem e memória e diminuição progressiva da apatia (RIGONI e cols., 2007).

 A substância química da maconha que tem um grande impacto no cérebro é a THC (tetrahidrocanabinol), essa substância viaja através da corrente sanguínea e anexam-se rapidamente aos neurônios do cérebro, e o resultado é a mudança químicado neurônio.

AS DEPENDÊNCIAS QUÍMICAS E SEUS TRATAMENTOS

Atualmente conceituada como uma doença, pois causa alterações no funcionamento cerebral por meio de manifestações de sinais e sintomas específicos que consiste na presença de um agrupamento de sintomas cognitivos, comportamentais e fisiológicos indicando a utilização da substância, apesar das conseqüências relacionadas a ela.

Os critérios diagnósticos da síndrome de dependência são: a compulsão para o consumo, que é o desejo incontrolável de consumir uma substância; o aumento de tolerância, o aumento de doses crescentes; síndrome de abstinência são os sinais de desconforto físico e mental no cessamento e /ou redução da substância; relevância do consumo, a prioridade e valorização da substância pelo usuário;estreitamento e empobrecimento do repertório, e a perda de referências que norteiam o consumo;e reinstalação da síndrome da dependência, após o período de abstinência, o ressurgimento dos comportamentos relacionados ao consumo.

O tratamento clínico do etanol envolve a administração de vitaminas, dieta rica em carboidratos e calorias por uso de agentes sedativos para suprimir os sintomas e evitar as convulsões. Em termos químicos temos os medicamentos Acamprosato que ameniza as sensações desagradáveis decorrentes da abstinência da bebida, o Naltrexona que bloqueia os efeitos do prazer da bebida e facilita a adesão ao tratamento; o Benzodiazepínico de curta ação para o metabolismo hepático e a Carbamazepina que reduz a frequência das convulsões.  No caso dos Opiáceosé difícil e curto prazo o sucesso devido ao tratamento com a Metadona e a buprenorfina que são potentes anestésicos que agem sobre os receptores dos opióidesresponsáveis por ligar e desligar o sistema de recompensa e prazer que a heroína ativa. O problema está nos remédios que trata a dependência pode levar a síndrome de abstinência, então fica impossível estabelecer eficácia ao tratamento terapêutico. A síndrome de abstinência nos benzodiazepínicos, consiste em sintomas físicos e psicológicos como: ansiedade, sudorese, insônia, cefaléia, tremores, náuseas e sensação de percepção alterada, como pensamentos irreais, sensações anormais, dores, podendo ocorrer psicose e epilepsia, podendo durar de 1 a 2 semana, ou meses dependendo da gravidade do caso.  Na maconha os sintomas de abstinênciasão semelhantes ao etanol ou dos opiáceos, não há medicação específica contra este vício, mas o remédio antiobesidade, o rimonaleanto por exercer mecanismos de ação  nos receptores canabinóides, pode estabelecer eficácia neste tratamento. Na nicotina e tabaco o tratamento ao tabagismo com êxito faz o uso de cuidados psicológico e farmacológico e terapia de reposição de nicotina, e a bupropiona, que reduz os fatores de risco para crises convulsivas; tratamento com gomas de mascar contendo nicotina e os emplastros de nicotina podem auxiliar o indivíduo a abandonar o fumo e a vareniclina, age nos receptores de nicotina no cérebro, além de diminuir a vontade defumar (WANDERLEY, 2006).

A suspensão da droga deve ser feita com o acompanhamento de uma equipe médica como: psiquiatra, psicólogo, assistente social, nutricionista; que trabalhem na interdisciplinaridade, podendo auxiliar o paciente como um todo diante de suas necessidades em uma visão biopsicossocial.  

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As drogas e suas consequências neurológicas é um tema que deveria terum estudo aprofundado, pois faz parte da realidade de muitos cidadões dependentes tanto de drogas lícitas como ilícitas independente de qual seja, tem suas causas e consequências de forma holística na vida do ser humano.

 A família tem o papel de inserir seus membros na cultura e de relatar sobre os fatores bons e ruins que são oferecidos pela sociedade e prevenir do uso indevido de drogas e suas consequências neurológicas, psíquicas, físicas e sociais. A escola tem um papel fundamental como agente transformador para discussão e interação dos grupos de diversas idades para que juntos busquem novidades associados ao tema da drogas e suas dependências e recompensas (SCHENKER, 2005).

Concluo que a dependência química afeta o indivíduo como um todo, e que a diversidade de recursos para o tratamento é algo que deve ser combinado e estratégico visando uma reabilitaçãona qualidade de vida em todos os domínios que abrange o contexto de vida do paciente.

BIBLIOGRAFIA

BUCHER, Richard. Prevenção ao uso Indevido de Drogas / [pela] equipe do Cordato. – Brasília; Editora Universidade de Brasília, c. 1989.

CANESIN, R,MACHADO, JAC, OLIVEIRA, AC. Psicotrópricos: Revisão de Literatura.  Revista.inf.br. [online]. 2008, ano VI – n. 1. ISSN 1679-7353

CASTRO, Maria da Graça et al. Qualidade de vida e gravidade da dependência de tabaco. Rev. psiquiatr. clín.[online]. 2007, vol.34, n.2, pp. 61-67. ISSN 0101-6083.

ESPERIDIAO-ANTONIO, Vandersonet al. Neurobiologia das emoções. Rev. psiquiatr. clín. [online]. 2008, vol.35, n.2, pp. 55-65. ISSN 0101-6083.

FERREIRA, Pedro Eugênio M  and  MARTINI, Rodrigo K. Cocaína: lendas, história e abuso. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2001, vol.23, n.2, pp. 96-99. ISSN 1516-4446.

GAZZANIGA, Michael S; IVRI, Richard B; MangonGeorge, R. Neurociência Cognitiva: A Biologia da Mente. Tradução Rosat, A. 2ª edicção. Porto Alegre: Editora Artmed. 2006.

GRAEF,Frederico Guilherme. Drogas Psicotrópicas e seu modo de ação. 2. Ed. Ver. E ampl. – São Paulo: EPU, 1989.

MACHADO, Angelo B. M. Neuroanatomia funcional. 2ª Ed. – São Paulo: Editora Atheneu, 2003.

MARQUES, Ana Cecília PettaRoselli  and  CRUZ, Marcelo S. O adolescente e o uso de drogas. Rev. Bras. Psiquiatr.[online]. 2000, vol.22, suppl.2, pp. 32-36. ISSN 1516-4446.

PELEGRINI, Marta Regueira Fonseca. O abuso de medicamentos psicotrópicos na contemporaneidade. Psicol. cienc. prof. [online]. 2003, vol.23, n.1, pp. 38-41. ISSN 1414-9893.

RIGONI, Maisa dos Santos; OLIVEIRA, Margareth da Silva; MORAES, João Feliz Duarte de  and  ZAMBOM, Luis Fernando. O consumo de maconha na adolescência e as conseqüências nas funções cognitivas. Psicol. estud. [online]. 2007, vol.12, n.2, pp. 267-275. ISSN 1413-7372.

SCHENKER, Miriam  and  MINAYO, Maria Cecília de Souza. Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2005, vol.10, n.3, pp. 707-717. ISSN 1413-8123.

 LINKS

LEPRE, R. M. Adolescência e UsoAbusivo de Álcool. São Paulo, fev. 2005. Revista de Pedagogia. Disponivel em: <http://www.adolescenza.org/lepre2.pdf>. Acesso em: 09 dez. 2010. 

RICARDO M, Marques ACPR. Abuso e Dependência da Anfetamina. 2002. Associação Brasileira de Psiquiatria. Disponível em: <http://www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/minusculo100_diretrizes/abusodaa.pdf> Acesso em: 09 dez. 2010.

 RICARDO M, Marques ACPR. Abuso e Dependência de Solventes. 2002. Associação Brasileira de Psiquiatria. Disponível em: <http://www.unimeds.com.br/projeto_diretrizes/julho/ABUSOED3.PDF> Acesso em: 09 dez. 2010.

WANDERLEY, Aline; Oliveira, Dayane. Dependêndia e Abuso de Drogas: Um Paradozo quanto os Prejuízos Causados ao Organismo; E o Impacto do Vício na Vida Social do Indivíduo. São Paulo, 2006.Disponível em:<http://artigos.netsaber.com.br/resumo_artigo_13809/artigo_sobre_depend%C3%8Ancia_e_abuso_de_drogas:_um_paradoxo_quanto_os_preju%C3%8Dzos_causados_ao_organismo;_e_o_impacto_do_v%C3%8Dcio_na_vida_social_do_indiv%C3%8Dduo.> Acesso em: 12 dez 2010.

3 Responses to O Uso Abusico de Drogas e Suas consequências no Sistema Neurológico

  1. Guilherme Ferreira 1 de abril de 2016 at 18:38 #

    nao achei o que eu queria

  2. Caroline Gomes da Silva 23 de março de 2014 at 21:38 #

    Adorei ! estou utilizando para o meu TCC

Trackbacks/Pingbacks

  1. O uso abusivo de drogas e suas consequências no Sistema Neurológico - 16 de junho de 2014

    […] qualidade de vida em todos os domínios que abrange o contexto de vida do paciente.Fonte: http://www.redepsi.com.br/2011/07/01/o-uso-abusico-de-drogas-e-suas-consequ-ncias-no-sistema-neurol-… This entry was posted in Artigos and tagged Sistema Neurológico by Eduardo. Bookmark the […]