A articulação entre pensamento e linguagem

 

 O presente artigo tem como objetivo apontar as mais relevantes contribuições adotadas na literatura acerca das relações entre pensamento e linguagem. O objetivo deste é verificar e avaliar a maneira como as relações entre pensamento e linguagem tem sido postulado na discussão sobre esse tema.

Busca-se na referência a autores do campo da psicologia e da lingüística esclarecer se pensamento e fala provêm de origem comum, se seu desenvolvimento é paralelo, se a fala se constitui em verbalização do pensamento e se a estruturação lingüística que se processa no indivíduo é resultante da estruturação mental.

 

A linguagem é o modo de se comunicar com o sujeito, pois, corresponde às nossas palavras faladas, escritas ou gesticuladas e as maneiras como as combinamos à medida que pensamos e comunicamos. Portanto, assume grande parte do nosso pensamento, é constituída por vários elementos que afloram à medida que o sujeito amadurece.

*     Artigo apresentado à disciplina de Psicolingüística do curso de Psicologia do Uniceuma. Prof. Ms. Suely Simone Costa Lima.

*     Aluna Concludente – Turma 2008.1/ Aluna de Psicologia – Uniceuma.

Para Ernani Terra, 1997: “A linguagem é todo um sistema de sinais convencionais que nos permite realizar atos de comunicação”.

Portanto, a linguagem é uma característica eminentemente humana, capaz de tornar o ser humano político, social, munido de civilidade, assim como o homem, os demais animais possuem a voz, mas não a palavra, responsável por exprimir o bem e o mal, o justo e o injusto. A necessidade de comunicar-se, expressar-se, fez com que surgisse a linguagem humana através dela o homem tem força para cria e recria o mundo.

Nesse sentido, a linguagem pode ser considerada como o meio mais importante no desenvolvimento e formação dos processos cognitivos e da consciência do homem. É por isso que através da linguagem, podemos explicar todos os outros símbolos ou sistemas simbólicos.

Lev Semenovitch Vigotski, 1896, afirma: “a linguagem necessariamente não depende do som”.

Há por exemplo: a linguagem dos surdos-mudos, leitura dos lábios, linguagem das bandeiras em corridas de automóveis, sinais de trânsito e etc.

A origem da linguagem é resultado de um processo de socialização do ser humano, que é estimulado pelo meio em que se vive, no qual ocorre a adequação dele e a transformação, proporcionando associações das diferentes áreas sensitivas, perceptivas e motoras. É com a linguagem que pensamos e dela nasce à lógica com que deciframos o mundo. (VIGOTSKI, 2005, p.36)

Segundo Ferdinand de Saussure:

“A língua é um produto social da faculdade de linguagem e um conjunto de convenções necessárias, adotadas pelo corpo social para permitir o exercício dessa faculdade nos indivíduos”.

Então, entendemos que a língua é um conjunto de sinais baseados em palavras que possui um caráter social, pois, é um veiculo de comunicação das pessoas. É um bem comum, pertencente a toda comunidade falante.

*     Ernani Terra: Lingüístico, Autor de vários livros de Português dentre outros: Linguagem, Língua e Fala.

*     Lev Semenovitch, Teórico do Desenvolvimento Infantil, Criador da Teoria Histórico-Cultural.

*     Ferdinand de Saussure: Psicolingüístico, Autor do livro Curso de Lingüística Geral.  

A fala é um ato individual: cada falante tem domínio da língua que fala e, em decorrência disso, pode usá-la como bem aprouver dentro das regras preestabelecidas pelo contato coletivo com os demais falantes. (TERRA, 17, p.1997).

Para Vigotski, 1896:

“No desenvolvimento ontogético, o pensamento e a fala tem raízes diferentes, ou seja, no desenvolvimento da fala da criança, um estágio pré- intelectual; e no desenvolvimento de seu pensamento, um estágio pré-linguístico”.

Mas, Stern afirma que as duas linhas de desenvolvimento encontram-se num determinado ponto; a fala torna-se racional e o pensamento verbal. A criança “descobre” que “cada coisa tem seu nome” e começa a perguntar como se chama cada objeto. (VIGOTSKI, 2005, p.61).

O desenvolvimento do pensamento é determinado pela linguagem, isto é, pelos instrumentos lingüísticos do pensamento e pela experiência sócio-cultural da criança. O crescimento intelectual da criança depende de seu domínio dos meios sociais do pensamento, isto é, da linguagem. (VIGOTSKI, 2005, p.62).

O individuo começa aprender o uso da linguagem ou a representar as idéias quando forma um conceito mental interno através de sua experiência, a qual é um processo ativo, onde a pessoa envolvida na aprendizagem adquire seus próprios conceitos apelando para similaridades, diferenças e características especiais dos objetos e eventos.

O Pensamento ou cognição é a atividade mental associada com o processamento, a compreensão e a comunicação de informação.
Ao pensar sobre os incontáveis eventos, objetos e pessoas em nosso mundo, simplificamos as coisas. Agrupamos em conceitos – agrupamentos mentais de objetos, eventos e pessoas similares. Imagine a vida sem conceitos. Precisaríamos de um nome diferente para cada objeto e idéia. Não poderíamos pedir a uma criança para “jogar a bola”, porque não haverá conceito de bola. (DAVIDOFF, 2001, 249).

*     Linda L. Davidoff: Autor (a) do Livro: Introdução à Psicologia.

 

Então, os significados das palavras (conceitos) são formações dinâmicas e, como tais, modifica-se à medida que a criança se desenvolve;  e também de acordo com as várias formas pelas quais o pensamento funciona. Portanto, cada estágio no desenvolvimento do significado das palavras tem sua própria relação particular entre o pensamento e a linguagem.

A relação entre o pensamento e a linguagem é um processo, um movimento contínuo de vaivém do pensamento para a palavra e vice-versa.  Nesse processo, a relação entre o pensamento e a linguagem passa por transformações que, em si mesmas, podem ser consideradas um desenvolvimento funcional. (VIGOTSKI, 2005, p. 40).

O pensamento não é simplesmente expresso em palavras, é por meio delas que ele passa a existir.  Cada pensamento tende a relacionar alguma coisa com outra, a estabelecer uma relação entre as coisas.  Cada pensamento se move, amadurece e se desenvolve, desempenha uma função, soluciona um problema.

Um mundo sem linguagem seria um mundo sem os conceitos e culturas que apoiamos na linguagem. A linguagem influencia o que pensamos, percebemos e lembramos. Assim, podemos dizer que o pensamento afeta a linguagem, que por sua vez afeta o pensamento num movimento relacional.

3 Responses to A articulação entre pensamento e linguagem

  1. Victorino Felizberto Pemba 13 de setembro de 2015 at 6:54 #

    Obrigado pela informacao e muito importante aproveitei muita coisa

  2. Luciane Alves 17 de janeiro de 2015 at 16:47 #

    ótimo artigo…

  3. Fabio Cerqueira 23 de outubro de 2013 at 20:54 #

    achei uma teoria muito clara sobre o pensar e a linguagem do compartilhamento que existe entre ambos um depende do outro para poder expressar-se com perfeição.