Comorbidades clínicas e psiquiátricas em pacientes bipolares

Estudo desenvolvido pelos profissionais Izabela Guimarães Barbosa, Rodrigo de Almeida Ferreira, Rodrigo Barreto Huguet, Fábio Lopes Rocha, João Vinícius Salgado e Antônio Lúcio Teixeira analisou pacientes diagnosticados com transtorno bipolar tipo I com o intuito de verificar as comorbidades clínicas e psiquiátricas associadas ao transtorno supracitado e, como objetivo secundário, investigar as associações de característica clínico-demográficas e comorbidades com tentativas de suicídio.
Foram incluídos no estudo 94 pacientes diagnosticados com transtorno bipolar tipo I, sendo que tal diagnóstico psiquiátrico fora determinado utilizando-se a avaliação Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI-Plus); Tais pacientes foram recrutados em serviço psiquiátrico local e, como tais indivíduos já recebiam acompanhamento de clínicos gerais no mesmo serviço, fora extraído do prontuário o diagnóstico de quatro comorbidades clínicas: hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus, hipotireoidismo e dislipidemia. Em relação à tentativa de suicídio, fora categorizado que o comportamento suicida era qualquer ato de injúria, deliberadamente autoinfligido, independente do risco letal envolvido, na qual o paciente tenha intenção consciente de terminar a própria vida.

O estudo aponta que a presença de comorbidades em paciente bipolares é mais regra do que exceção, hipotetizando que tal dado justifica-se pelo sistema diagnóstico contemporâneo que preconiza uma abordagem categórica; A pesquisa apresenta também a possibilidade de mecanismo fisiopatológico em comum quando há a ocorrência de dois transtornos em um mesmo paciente, em momentos diferentes ou concomitantes.

Com a análise dos resultados percebeu-se que as comorbidades psiquiátricas mais comuns foram transtornos de ansiedade generalizada e dependência de substâncias, e as comorbidades clínicas prevalentes foram hipertensão arterial sistêmica e dislipidemia; O estudo aponta que não foram encontradas evidências relacionais entre o histórico de tentativas de suicídio com comorbidades clínicas ou psiquiátricas.

Percebe-se a maior prevalência de qualquer transtorno de ansiedade em paciente bipolares quando comparados com a população em geral, fato este percebido também em relação ao uso ou dependência de substâncias por parte de tais indivíduos; Os autores apontam que, em perspectiva baseada em crenças psicológicas, os pacientes com transtorno bipolar buscariam o uso de tais substâncias como maneira de aliviar sintomas de humor considerado desagradáveis, como o taquipsiquismo e a irritabilidade e, por outro lado, o supracitado uso poderia deflagrar o primeiro episódio maníaco.

Já em relação as comorbidades clínicas, denota-se a provável etiologia multifatorial associada ao transtorno bipolar; O estudo destaca que o uso de medicamentos psicotrópicos (especialmente os antipsicóticos atípicos) está ligado a síndrome metabólica e aumento do apetite, assim como redução da atividade física.

Não foram encontradas associações entre tentativas de suicídio e comorbidades clínicas ou psiquiátricas, sendo que tal dado difere de outros estudos que apontam o aumento do risco suicida por causa de comorbidades psiquiátricas.

O estudo então conclui que há elevada prevalência de comorbidades clínicas e psiquiátricas em pacientes bipolares, particularmente os transtornos de ansiedade, transtornos relacionados a substâncias, hipertensão arterial sistêmica e dispilidemia, sendo que tais comorbidades não foram associadas a tentativas de suicídio; Portanto, o estudo aponta a importância da inclusão de exames complementares ou de rastreio na prática clínica para o diagnóstico de comorbidades em pacientes com transtorno bipolar.

BARBOSA, Izabela Guimarães et al . Comorbidades clínicas e psiquiátricas em pacientes com transtorno bipolar do tipo I. J. bras. psiquiatr.,  Rio de Janeiro,  v. 60,  n. 4,   2011 .   Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0047-20852011000400007&lng=pt&nrm=iso. acessos em  27  abr.  2012.  http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852011000400007.

 

 

Comments are closed.