Série: Quem é o estudante de Psicologia do Brasil? Parte 2 – Formação básica e profissional: análise dos resultados do ENADE

Artigo desenvolvido pelos profissionais Marilene Proença Rebello de Souza, Antônio Virgílio Bastos e Deborah Rosária Barbosa objetivou investigar e analisar os resultados obtidos pelos estudantes que realizaram o ENADE 2006 em relação a dados Socioeconômicos, de História Escolar e Componentes Específicos do Conhecimento Psicológico; Os dados socioeconômicos foram também analisados em comparação aos escores obtidos no Exame, observando-se as orientações das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia – em comparação com os escores obtidos em aspectos específicos da prova.
Foram analisados estudantes ingressantes e concluintes provenientes de 239 instituições de ensino superior de Psicologia, o que corresponde a 23.613 provas; Os dados foram apresentados seguindo um roteiro: Introdução (diretrizes e a formação esperada em Psicologia no Brasil), a estrutura da prova, as características das IES participantes do ENADE 2006 – Psicologia e dos estudantes participantes, os indicadores de desempenho (nota geral, componente geral e componente específico), indicadores de desempenho por eixos estruturantes, indicadores de desempenho no que tange as características do estudantes (aspectos demográficos, socioeconômicos e história escolar) e conclusão (panorama geral dos dados e implicações para a formação).

Em relação às Diretrizes Curriculares Nacionais em Psicologia, espera-se da formação profissional em Psicologia em uma Instituição de Ensino Superior brasileira que a mesma seja voltada para a atuação profissional e para a pesquisa e ensino de Psicologia, atendendo a certos princípios e compromissos: A construção e desenvolvimento do conhecimento científico em Psicologia, a compreensão dos múltiplos referenciais que buscam apreender a amplitude do fenômeno psicológico, o reconhecimento da diversidade de perspectivas necessárias para a compreensão do ser humano e incentivo à interlocução com campos de conhecimento que permitam a apreensão da complexidade e multideterminação do fenômeno psicológico, a compreensão crítica dos fenômenos sociais, econômicos, culturais e políticos do país, reconhecer a atuação em diferentes contextos considerando fatores como as necessidades sociais, os direitos humanos e visando a promoção da qualidade de vida, respeito à ética nas relações com clientes e usuários, com colegas, com o público e na produção e divulgação de pesquisas, trabalhos e informações na área da Psicologia, além do aprimoramento e capacitação contínuos; O artigo aponta também os eixos estruturantes que o curso de Psicologia deve obedecer.

Em relação à avaliação proposta pelo ENADE, a aferição deve ser voltada para o rendimento dos estudantes dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos, suas habilidades e competências e, portanto, o instrumento de avaliação deve se voltar para uma estrutura que compreenda dois eixos principais da formação em psicologia: a Formação Geral e a Formação Específica.

Os autores apresentam a estrutura da prova, investigando os eixos a serem avaliados no conteúdo específico e formação geral; Em relação ao ENADE 2006 – Psicologia, realizaram a prova um total de 23.613 estudantes, sendo 84,1% do sexo feminino e 15,9% do sexo masculino – indicando a forte presença feminina na profissão de psicólogos. O artigo aponta alguns aspectos pertinentes a profissão de psicólogo no Brasil, apresentando dados de estudos posteriores acerca da profissão.

Em relação aos indicadores de desempenho, os dados apresentados demonstram que estudantes concluintes do curso de psicologia apresentam escore médio mais elevado que ingressantes, tanto no que tange a formação geral quanto específica, indicando melhora de desempenho do estudante com o passar do curso; Em suma, os autores apontam que a IES contribui para a formação específica do psicólogo, mas não potencializa habilidades gerais imprescindíveis para o exercício profissional, como por exemplo analisar, sintetizar, criticar, deduzir, trabalhar em equipe ou administrar conflitos, sendo que tais habilidades que o estudante traz do ensino médio são pouco desenvolvidas no nível de ensino superior.

Os resultados gerais indicam os escores das notas em todos os estados da federação, sendo que o estudo aponta as maiores notas de ingressantes nos estados da Paraíba (4,65), Piauí (4,39) e Ceará (4,30) e as menores notas nos estados de Tocantins (3,34), Amapá (3,29) e Alagoas (3,20); Em relação ao conteúdo específico, destacam-se nos concluintes os estados do Piauí, com a melhor nota (5,95), seguido de Rondônia (5,84) e Rio Grande do Norte (5,66), enquanto com as piores notas estão os estados do Acre (3,93), Sergipe (4,32) e Amazonas (4,44). Nota-se que os estados de SP, RJ e MG aparecem na média de notas nas duas análises anteriores, sendo que apesar da Região Sudeste ter em seu território as maiores universidades do país, a mesma sempre aparece em terceiro lugar quando comparada às demais regiões brasileiras – os autores apontam que a não participação de estudantes das universidades públicas poderia ser um fator a ser considerado no rebaixamento dessa média.

No que tange as diferenças entre as notas do componente geral e o componente específico, observam-se muitas diferenças; Em algumas regiões, o componente geral obteve maior avaliação (Nordeste, por exemplo) e em outra o componente específico teve maior pontuação (região Sul); Em relação a essas diferenças, especificamente na região Norte, a média das notas no componente geral (4,65) se assemelha às do componente específico (4,58), enquanto no Nordeste o componente geral obteve escore de 5,12 – sendo que o específico obteve 4,94. No Sudeste e Sul, as diferenças entre os componentes são menores, com números de 4,83 no componente geral (Sudeste) e 4, 84 no específico; No sul, o componente geral obteve cômputos de 4,93 e 4,97 para o específico. Notou-se maior distância entre os dois itens na região Centro-Oeste, onde o componente geral obteve escores de 5,15 e o componente específico obteve 4,82; O artigo aponta que tais fatos demonstram como as instituições das diferentes regiões tem ênfases em um ou outro aspecto relevante a formação.

Os autores concluem apresentando em suma os dados obtidos com a análise dos resultados por eixos estruturantes, sintetizando alguns dos principais aspectos abordados. A região sudeste, apesar de apresentar o maior número de cursos, não é a região com melhor desempenho geral, sendo que a região nordeste se destaca por melhores notas no escore total; O processo de avaliação é articulado com as diretrizes curriculares, fortalecendo a possibilidade de mudança no processo de formação em psicologia no país, sendo que os estudantes residentes no interior têm melhores resultados gerais que estudantes nas capitais.

No que tange os resultados, os mesmos apontam que, no geral, há deficiências na formação principalmente nos Fundamentos Históricos, Epistemológicos e Metodológicos e Investigação e Medidas, sendo que o sistema de ensino é bastante diversificado no que tange ao desempenho em quase todos os indicadores, com clara supremacia das Instituições de Ensino Superior federais e estaduais. Em relação às IES privadas, as mesmas são as que apresentam melhor desempenho quando se compara os escores dos estudantes ingressantes e concluintes; Os estudantes com melhor desempenho são provenientes de escolas particulares, que tem pais com alto nível de escolaridade (a articulação entre escolaridade do pai e mãe e desempenho na amostra é visível), estudam mais de oito horas semanais, que se envolvem em pesquisas junto a professores na graduação e que possuem conhecimento da língua inglesa.

Em relação aos eixos estruturantes e seus aspectos, o componente específico mostra deficiências em todas as regiões do Brasil nos eixos de Fundamentos Históricos e Epistemológicos e Investigação e Medidas, sendo o que o item do componente específico com maior pontuação em todas as regiões fora o eixo relacionado aos Processos Psicológicos, seguido do item de Práticas Profissionais; Os resultados apontam a necessidade de qualificação dos professores para todos os eixos da formação na graduação, assim como a necessidade de desenvolver novas estratégias de ensino que consigam recuperar a noção de competências e habilidades. No que tange os docentes, os mesmos devem incentivar os estudantes a participarem de estudos e pesquisas e articular atividades da graduação e pós-graduação. O ensino noturno apresenta escores menores em todos os itens, quando comparados ao ensino diurno, sendo que estudantes moradores de alojamentos estudantis também apresentaram escores menores no Exame.

Concluindo, os autores apontam que os cursos de formação de psicólogos tem investido mais nos estudos dos Processos Psicológicos e Práticas Profissionais, propiciando através dos estágios supervisionados garantir minimamente a constituição de ações formativas no eixo da Prática Profissional, colaborando para compreender o campo das instituições, das políticas sociais, dos sistemas de assistência, saúde, educação, trabalho, entre outros.Em relação aos processos psicológicos, os baixos escores nos Processos Investigativos e Medidas, e também nas Dimensões Históricas e Epistemológicas demonstram que a formação se encontra centrada em um fazer psicológico que prescinde da pesquisa e da investigação, investindo poucos recursos no conhecimento de suas raízes teóricas, históricas e epistemológicas.

SOUZA, Marilene Proença Rebello de; BASTOS, Antônio Virgílio; BARBOSA, Deborah Rosária. Formação básica e profissional do psicólogo: análise do desempenho dos estudantes no ENADE-2006. Aval. psicol., Itatiba, v. 10, n. 3, Dec. 2011 . Available from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712011000300005&lng=en&nrm=iso. access on 10 Aug. 2012.

Comments are closed.


loading...