Uso regular de maconha por adolescentes traz efeitos negativos ao cérebro

Fumar maconha apenas uma vez por semana pode ter um efeito negativo significativo no cérebro de adolescentes e adultos jovens, incluindo o declínio cognitivo, falta de atenção e memória, e diminuição do QI, de acordo com psicólogos que discutem as implicações para a saúde da legalização da maconha na Convenção Anual da American Psychological Association.

“É preciso enfatizar que o uso regular de cannabis, que consideramos como sendo uma vez por semana, não é seguro e pode resultar em dependência e danos neurocognitivos, especialmente na juventude”, disse Krista Lisdahl, Ph.D., diretor do laboratório de neuropsicologia na Universidade de Wisconsin-Milwaukee. maconha-adolescentes-americanos-436

Ela observou que o uso da maconha está aumentando, citando um estudo de 2012 que constatou que 6,5% dos alunos do ensino médio relataram fumar maconha diariamente, índice muito acima dos 2,4% constatado em 1993. Além disso, 31% dos jovens adultos entre as idades de 18 e 25 relataram o uso de maconha no último mês.

As pessoas que são viciadas em maconha pode perder uma média de seis pontos de QI na idade adulta, de acordo com Lisdahl, referindo-se a um estudo de 2012 onde 1.037 participantes, que foram acompanhados desde o nascimento até aos 38 anos.

Estudos de imagem cerebral de usuários regulares de maconha têm mostrado mudanças significativas em sua estrutura cerebral, principalmente entre os adolescentes, de acordo com Lisdahl.

“Anormalidades na substância cinzenta do cérebro, que está associada com a inteligência, foram encontrados em 16 jovens de 19 anos que aumentaram seu consumo de maconha no ano passado”, disse ela.

“Ao considerar a legalização, as políticas públicas precisam abordar maneiras de evitar o fácil acesso à maconha e financiar tratamento adicional para usuários adolescentes e adultos jovens”, disse ela.

Ela também recomenda que os legisladores considerem a regulação dos níveis de tetrahidrocanabinol, ou THC, a principal substância química psicoativa da maconha, para ajudar a reduzir os potenciais efeitos neurocognitivos.

“Algumas formas legalizadas de maconha têm níveis mais altos de THC do que outros tipos”, disse Alan Budney, Ph.D., do Dartmouth College, que observou que o THC é responsável pela maioria dos efeitos psicológicos da maconha.

“Pesquisas anteriores demonstraram que o uso freqüente de alta potência de THC pode aumentar o risco de futuros problemas com depressão, ansiedade e psicose”, acrescentou.

“Estudos recentes sugerem que esta relação entre a maconha e a doença mental pode ser moderado pela freqüência com que a maconha é usada e a potência da substância”, disse Budney.

Além disso, a aceitação das pessoas quanto ao uso legalizado de maconha medicinal parece ter um efeito sobre a percepção dos riscos da droga dos adolescentes, de acordo com Bettina Friese, Ph.D., do Instituto do Pacífico para Pesquisa e Avaliação, na Califórnia.

Ela apresentou os resultados de um estudo realizado com 17.482 adolescentes no estado americano de Montana, que constatou que o uso de maconha entre os adolescentes em 2003 foi maior nos municípios com maior número de pessoas que votaram para legalizar a maconha medicinal em 2004. Além disso, adolescentes em municípios com mais votos para tal legalização percebiam o uso da maconha como algo menos arriscado.

“Estes resultados sugerem que uma atitude mais tolerante em relação à maconha medicinal pode ter um efeito maior sobre o consumo de maconha entre os adolescentes”, observou ela.

Fonte: PsychCentral News

, ,

One Response to Uso regular de maconha por adolescentes traz efeitos negativos ao cérebro

  1. Rosemari Padilha 19 de agosto de 2014 at 1:41 #

    É uma pena!!!



loading...