Archive | Neurobiologia RSS feed for this section

Envelhecer é não se adaptar

Não podemos ignorar que o progressivo envelhecimento da população é um dos maiores problemas do mundo contemporâneo. Tal fenômeno pode ser atribuído ao baixo índice de natalidade, especialmente nos países desenvolvidos e ao aumento da expectativa de vida, ocasionada principalmente pelos avanços no campo da alimentação, saneamento básico, prevenção primária e medicina em geral. Se por um lado tal situação se mostra positiva, por outro traz conseqü&ec…

Continue Reading

Demência Vascular: Uma interface entre a neuropsicologia e a terapia cognitivo-comportamental

Alexandre Magno Frota Monteiro¹,
Luís Flávio Chaves Anunciação²

Introdução
 
A demência vascular (DV) é conseqüência de um acidente vascular encefálico (AVE) que promove alterações cognitivas como hipofuncionalidade de raciocínio, memória, percepção entre outras. [1] Essa patologia apresenta início súbito e evolui, freqüentemente, com grande flutuação sintomatológic…

Continue Reading

Neurociência do comportamento agressivo – parte VIII (final)

(continuação)

Continue Reading

Neurociência do comportamento agressivo – parte VII

Manipulação experimental de determinadas estruturas

Bulbos olfativos

Nas espécies macrosmáticas, como o camundongo ou o rato, os bulbos olfativos desempenham um papel muito importante, não só por serem necessários ao trata­mento dos sinais olfativos cuja percepção é essencial para o de­senrolar normal das interações sociais, mas também em razão da influência "tônica" que …

Continue Reading

Processos Degenerativos e Envelhecimento: Memória

O envelhecimento da população é um fenômeno mundial e tem conseqüências diretas nos sistemas de saúde pública. No Brasil, os idosos que representavam apenas 3,2% da população geral de 1900 e 4,7% em 1960, poderão atingir 13,8% no ano de 2025. No período de 1960 a 2025, espera-se que o crescimento da população idosa seja de 917% enquanto o ritmo de aumento da população total deverá cair para 250%. Hoje, temos aproximadamente 11 milhões de pessoas com mais d…

Continue Reading

Neurociência do comportamento agressivo – parte VI

(continuação)

Controle nervoso da atenção, da excitabilidade e da reatividade emocional

Se é relativamente fácil apreender intuitivamente as diferen­tes dimensões da abertura de um organismo vivo para seu am­biente e de sua reatividade face a ele, é mais difícil dar-Ihes definições claras e unívocas. E isso porque, de um lado, cada uma dessas dimensões é avaliada com o auxílio d…

Continue Reading

Neurociência do comportamento agressivo – parte V

Mecanismos cerebrais dos comportamentos de agressão

Dado o número e a diversidade dos fatores que participam do determinismo dos comportamentos de agressão, não pode tra­tar-se – sobretudo nos mamíferos mais evoluídos e, singular­mente, no Homem – de pesquisar um "centro" ou "substrato neural" qualquer cuja ativação, por um estímulo "desenca­deante", se projetasse para o exterior sob a forma de um ou outro desses comportamentos. Assim, é preciso, …

Continue Reading

Neurociência do comportamento agressivo – parte IV

Deliberadamente deixei os comportamentos de agressão somente para este quarto texto, embora constituam um tema de primeira importância para a Psiconeurobiologia Evolutiva.

Continue Reading

Neurociência do comportamento agressivo – parte III

Origem dos estados afetivos e seus comportamentos: Sistema Límbico

Considerado em sua acepção telencefálica estrita, o sistema límbico compreende o conjunto de estruturas corticais e sub­corticais filogeneticamente mais antigas que o isocórtex neopá­lio e o neoestriado. Essas estruturas telencefálicas apresentam importantes conexões recíprocas com as estruturas diencefálicas e mesencefálicas freqüentemente englobadas na noção de um sistema límbic…

Continue Reading

A Neurociência do comportamento agressivo – parte II

O Rato versus o Homem. Os motivos e os meios de ação

Toda espécie animal é dotada de um repertório comportamen­tal que a caracteriza, não menos que esta ou aquela caracterís­tica anatômica ou fisiológica que lhe pertence particularmente. Os componentes desse repertório constituem, para cada mem­bro da espécie, os meios de ação de que ele dispõe para inte­ragir com seu ambiente. Dentre tais componentes, alguns s&atilde…

Continue Reading


loading...