Archive | Psicologia e Filosofia RSS feed for this section

Dicotomias na psicologia científica: subjetivo-objetivo

A psicologia científica desde sua fundação é perseguida por certas dicotomias que acabam gerando problemas insolúveis. Um exemplo emblemático é a dicotomia subjetivo-objetivo, que coloca aos projetos de psicologia científica um paradoxo insuperável: quando assume o caráter objetivo exigido pela ciência, acaba afastando-se dos assuntos psicológicos, geralmente considerados subjetivos; já se assume o interesse pela subjetividade, vez por outra acaba perdendo seu caráter científico.

Continue Reading

Metafísica e Psicologia Científica

Depois do positivismo lógico a relação entre metafísica e ciência tornou-se bastante controvertida. Na psicologia científica não foi diferente: sob a influência do positivismo lógico, o Behaviorismo do final da década de 1930 defendia explicitamente a impossibilidade de um estudo científico de eventos e processos mentais. Esses conceitos mentais deveriam ser considerados metafísicos, o que legitimava seu abandono por parte da psicologia científica.

Continue Reading

Psicobiologia: Transdisciplinaridade ou Reducionismo?

Gostaria de propor com esse texto uma breve reflexão sobre um curioso termo empregado pela psicologia contemporânea: ‘psicobiologia’. Antes de começar é preciso esclarecer que com esse texto não tenho a pretensão de defender ou criticar a viabilidade dessa “disciplina”. O que farei aqui é usar uma discussão histórica do significado do termo ‘psicobiologia’ para mostrar como o emprego de um termo nos compromete com determinadas visões-de-mundo.

Continue Reading

Subjetividade na filosofia e na psicologia

Por que uma pessoa, geralmente, não tem dúvida de quem ela é? Em outras palavras, como é possível explicar a identidade pessoal? Essas são perguntas cruciais para um estudo da subjetividade. Muito antes do surgimento da psicologia como disciplina autônoma, a filosofia já se preocupava com a identidade pessoal e, conseqüentemente com a subjetividade.

Continue Reading

Psicologia Científica: Objetos e Métodos

Desde William James e de Wundt (pelo menos), a psicologia se considera como disciplina científica. Diante dessa afirmação há dois questionamentos evidentes: 1) o que é psicologia? 2) o que os psicólogos entendem por ciência? Se acompanharmos a história da psicologia, perceberemos que essas duas perguntas tiveram (e ainda têm) uma infinidade de respostas, o que muitas vezes alimentou a crítica à pretensão científica da psicologia.

Continue Reading

Problema mente-corpo: dualismo, fisicalismo e psicologia

Um dos problemas filosóficos que mais interessa à psicologia é possivelmente o chamado problema mente-corpo. Encontramos, historicamente, dois modos “clássicos” de tratar esse problema na filosofia. O primeiro deles, o chamado dualismo, consiste na defesa de que mente e corpo são “coisas” irreconciliáveis e irredutíveis. A segunda tentativa filosófica de solução do problema mente-corpo é o chamado fisicalismo (muitas vezes também chamado de materialismo), cuja proposta baseia-se na crença de que tudo é de natureza física e, portanto, a mente pode, e deve, ser descrita em termos físicos (ou sej…

Continue Reading

O que é interpretar um texto?

Empreender um trabalho de cunho teórico em Psicologia significar analisar ou interpretar textos de interesse psicológico. Mas o que significa isso? Em outras palavras, qual é o objetivo que se tenta alcançar com a análise ou interpretação de um texto?

Continue Reading

O que é realidade?

Como é o acesso que temos ao mundo? Essa pergunta, que possivelmente a maioria das pessoas ignora no seu dia-a-dia, foi levantada por diferentes filósofos e psicólogos durante a história dessas disciplinas.

Continue Reading

Por uma Psicologia com Filosofia

Quando fui convidado a escrever essa coluna, ocorreu-me que só poderia falar, honestamente, daquilo que venho me dedicando em minha formação. Achei, então, que o mais indicado para uma primeira coluna, seria uma apresentação geral do assunto de meu interesse nos últimos anos, bem como uma breve justificativa de sua relevância.

Continue Reading


loading...